Translate

terça-feira, 5 de novembro de 2019

A chegada ao quarto milhão de reais (ou quase um milhão de dólares).


Prezados amigos,

Cheguei ao quarto milhão em patrimônio.

Precisamente cheguei em R$ 4.016.000,00 hoje. Contando tudo a preço de custo de aquisição (imóveis, casa da loja e o valor gasto no investimento da loja (500k).

Esse post é longo, tente ler quando tiver calma, atenção, espaço e tempo.

Ainda me lembro de investir na bolsa e alugar todas as minhas ações na mão, coisa pra ganhar cinquenta centavos a dois reais em um dia, mas também me lembro sempre de ir pro shopping a pé (pra economizar o ônibus) e passar a tarde toda com apenas um sorvete casquinha do mcdonalds de R$1 e apenas ficar lá a tarde toda "só olhando" e voltar a pé pra casa.

Acho que não tem um dia que eu não passe sem sonhar com o meu futuro e "minha próxima vida" dentro dessa vida, e sem lembrar do meu passado, e até sentir um pouco de orgulho dele.

A pobreza da minha família e a destruição precoce dela, deixaram marcas indeléveis na minha alma, assim como a saída do meu pai da nossa casa, e dos irmãos cada um para um lado, como alguns sabem, numa família assim, após sua separação o padrão de vida cai muito pra todo mundo, imagina pra quem não poderia perder margem alguma.

O meu pai estudou até a terceira série do primário, no sertão do nordeste, ele é praticamente analfabeto. A minha mãe diz que terminou o segundo grau, mas a mãe dela (a minha avó) sempre disse que ela desistiu no primeiro ano, e a minha mãe não tem um diploma de segundo grau e nem o histórico escolar, ela diz que nunca foi buscar na escola, então eu não sei e ela fica irritada quando eu pergunto. Quase nunca eles trabalharam de carteira assinada. O meu pai quase sempre viveu de bicos, e a minha mãe só trabalhou algum tempo na vida como recepcionista/telefonista, hoje em dia parece que essa profissão de "telefonista" não existe mais. Meu pai teve três filhos com a minha mãe, eu sou o caçula e tenho mais dois irmãos (uma mulher mais velha e o do meio), depois que se separou, meu pai casou rapidamente e já tinha um filho com a mulher, depois teve mais dois com ela (totalizando seis filhos). A minha mãe, pelo que parece, não vai conseguir se aposentar nem pelo INSS, eu não sei bem essa parte, mas o meu irmão que entende mais, disse que ela perdeu um monte de papel e pelo tempo que falta lá, não dá tão cedo, não nessa vida.

Não diria que minha infância foi infeliz, ela foi feliz até um certo ponto, mas a partir de uns 8-9 anos quando a gente compreende melhor o mundo e começa a querer algumas coisas e passar necessidades reais, ficamos limitados pelas nossas circunstâncias.

Tudo que eu queria era inacessível. Tudo, até o básico era inacessível. Minha casa chegou a ter água e luz cortadas várias vezes, dezenas de vezes. A gente puxava um fio da casa de um vizinho e ligava uma luz de 40W no teto pendurada. Eu queria mandar uma carta pro meu pai (sim, carta) e penava pra comprar um sêlo nos Correios. A gente ligava do orelhão de ficha, trocava duas palavras ou três e acabava a ficha e consequentemente a ligação. A próxima ligação era com uns 15 dias, ele tinha se mudado pra outro estado do país. A gente nunca teve telefone fixo em casa, depois da ficha passamos pro cartão telefônico, e basicamente tinha um orelhão para metade do bairro, eu cheguei a pegar fila pra falar do orelhão de cartão, e como tudo no meu bairro, dava briga.

Certa época, depois de vários cortes de água e sem dinheiro pra pagar, a gente (eu) tive que fazer uma emenda no cano principal da rua (cavando a minha rua era de areia) [a primeira vez que eu fui morar numa rua que não era de areia eu já tinha 16 anos e já estava terminando o segundo grau] e um "T"com um cano de meia pra dentro do nosso terreno, esse cano desembocava dentro de um tambor de plástico (quando eu tirava a tampa) e a gente cobria o tambor com um tapume e alguns papelões (pra o pessoal da cia. de água não ver), do tambor, eu colocava uma bomba "sapo" que ficava submersa dentro do tambor, pendurada por uma corda numa ripa que se equilibrava acima do buraco, dessa bomba eu mandava a água para a nossa caixa dágua, eu descia a bomba com a corda, quando ela batia no fundo do tambor eu suspedia ela e amarrava a corda, ela não poderia tocar o fundo do tambor, ficava suspensa na água.

A equação era bem complicada: eu não podia deixar o tambor secar mais rápido do que a vazão de água da rua, senão a bomba queimava, e também não podia encher muito senão ia transbordar e virar um lamaçal e a lama iria contaminar o interior do tambor. Então era uma trabalheira doida de tampar cano, desligar bomba e esconder tudo se alguém chegar na rua.

Eu fazia tudo isso sozinho, isso eu tinha uns 11-14 anos, eu tinha conhecimentos rudimentares de pedreiro, eletricista, encanador, soldador (o meu avô era pedreiro autônomo também), eu rezava pra ninguém reclamar do barulho da bomba, a minha mãe estava dormindo (só morava eu e ela), e isso era sempre na madrugada, às vezes esse procedimento durava 3-4h, eu me molhava todo, a bomba só desligava quando eu puxava o plug do soquete da tomada.

A nossa casa não tinha muro, era uma casa de tijolo branco sem reboco por fora, que só fez eu e um pedreiro, era um quarto-cozinha-banheiro, com um pequeno quintal com uma pia externa e a caixa dágua acima da pia, a gente tinha uma cerca de pau com arame, bem espaçado e a porta da casa dava direto pra rua, só tinha esse cercadinho pra nos proteger e eu ainda tinha aula no dia seguinte pela manhã, dormia na aula e ainda era zuado por isso.

Nessa época, o café da manhã era leite de saco tipo "C", café preto bem diluído e ralo e pão com margarina vegetal, isso era o jantar também. Pro almoço, comemos muito arroz com tomate e ovo, ou "carne de lata", aquela que você abre a lata com uma chave que vem nela. Você abre a lata e coloca pra fritar na frigideira com um pouco de margarina, eu achava aquilo intragável, mas era o que tinha pra comer.

Quanto ao ovo eu também não gostava, eu fui gostar de ovo depois de adulto, e depois de "fazer as pazes com ele", eu achava que tinha estourado a minha cota de ovo da vida toda. O melhor almoço pra mim era arroz, carne moída com catchup e suco tipo Tang laranja ou Tang Uva. As frutas que davam pra comprar eram banana e melancia de vez em quando. O resto (manga, jambo e goiaba) a gente pegava na rua mesmo. Na minha casa a gente tinha pé de goiaba e abacate então a gente comeu muito deles dois. Eu tinha um amigo que sabia subir em coqueiro e tirar coco lá de cima, era assim que a gente tomava côco. Ele jogava lá de cima, se estourasse a gente bebia ali na hora imediatamente pra não perder a água, se não estourasse a gente levava pra casa.

A pobreza é a exata transformação física da ignorância e da falta de educação e informação. Eu estudei muitos anos na escola pública, até que ela era arrumadinha, tinha uma boa biblioteca e muitos livros para ler a vontade, eu sempre lia um, devolvia e imediatamente pegava um ou dois para levar, e assim ia lendo um atrás do outro, o ano todo.

Eu ia de ônibus coletivo para a escola desde muito novinho e sozinho até a parada e na volta pra casa, esse ônibus eu comecei a pegar sozinho e voltar, além de caminhar muito, eu devia ter uns sete, oito anos e ia só com um caderno fininho na mão e uma caneta bic azul, passava por debaixo da roleta para não pagar a passagem (nem dinheiro eu teria). A minha primeira passagem de ônibus que paguei eu já estava no primeiro ano do segundo grau (e não poderia deixar de pagar, pois a escola era CEFET e todo o mundo sabia que aquela farda ali era de segundo grau). Eu andei de ônibus até terminar a universidade, eu passei dezessete anos inteiros andando de ônibus coletivo. Eu sempre tive apenas uma farda, nunca nem mesmo tive duas camisas do colégio ao mesmo tempo, e eu achava coisa do outro mundo quando sabia que algum colega tinha duas camisas, a meia era a semana inteira (a mesma meia) e o tênis geralmente era um topper bem surrado, assim como a calça jeans.

Raramente eu tinha dinheiro pro lanche da escola. Eu comia a famosa merenda do colégio público, em prato de plástico e caneca de plástico. No máximo eu comprava um picolé de gêlo de 10 centavos, ou pedia um biscoito recheado Bono de alguém, goles de refrigerante... Comer uma coxinha com uma lata de guaraná no recreio do colégio era inacessível para mim.

No meu bairro de infância a gente tinha três atividades de lazer: jogar bola na rua de areia colocando tijolos para ser o gol (e contando 4 pés de um tijolo pro outro), ir pra missa e jogar video-game na game (espécie de lan-house antiga), tinha mega-drive, super-nintendo, playstation 1 e nintendo64. Em 90% das vezes eu não jogava com o meu dinheiro, mas sim quando alguém pagava a hora e me chamava pra jogar com o segundo controle, até que de tanto frequentar o lugar, o dono me perguntou se no horário da tarde e da noite eu não queria trabalhar lá.

                          
    O cenário do meu primeiro emprego era assim, só falta a freezer com os picolés. Eu cheguei a apanhar pq desliguei a TV dos marginais quando a hora tinha acabado.

Eu poderia jogar o quanto pudesse se tivesse uma TV vaga, e poderia comer uns picolés de gêlo que tinha lá pra vender, e ainda ganhava uns trocados que nem lembro quanto era. Essa "locadora" (era assim que a gente chamava) era um empreendimento feito na garagem da casa de um motorista de ônibus coletivo que rodava apenas dentro da minha cidade, eu era o funcionário dele, o único, e alternava com a mulher dele (que estava grávida ou cuidando de uma criança pequena). Ele trouxe uma sobrinha mais velha dele do interior e me substituiu, também eu apanhei lá e ficou difícil continuar (alguns moleques andavam com facas, estiletes e até revólver .22).

Depois de algum tempo eu arranjei o meu segundo emprego, eu já devia ter uns 11-12 anos, e foi de assistente de borracheiro. Eu trabalhava com um cara que fabricava sofás no quintal de casa. A gente saía de carroça pelos bairros juntando pneus velhos ou comprando, as ruas eram de areia e cheias de lama, às vezes eu ia sentado embaixo no eixo da carroça, de costas para o jumento, vendo a rua passando pelo meu lado, batendo meus pés nas lombadas ou molhando eles na lama.

                   
Repare no pequeno eixo entre as rodas, eu voltava sentado ali, porque muitas vezes em cima da carroça vinha com muito pneu, mas eu gostava de andar ali, era bem divertido, às vezes batia a cabeça no piso da carroça ou molhava os pés na lama.

Quando a gente chegava no quintal, cortávamos a borracha com uma faca bem afiada, fazíamos tiras bem longas com ela e íamos puxando. Com essas tiras a gente fazia todo o arcabouço do sofá e depois colocava o estofado por cima. O meu salário, esse eu lembro, eram exatamente R$2,50 por semana. Se vocês tentarem corrigir pela inflação, esse valor vai dar perto de R$10 reais, o ano era por ali entre 95-97. A minha mãe me deu dinheiro na mão umas 3-5x na vida, o meu pai até que deu algum, mas ele saiu de casa quando eu tinha oito anos de idade.

                         
No meu segundo emprego, era mais ou menos isso que a gente fazia depois de cortar os pneus, a gente colocava as tiras de borracha deles aí onde está na foto e também na parte das costas do sofá. O aspecto do sofá que a gente fazia era bem pior do que esse da foto. O da foto está chique, mas não achei nenhuma foto com um sofázinho à altura do nosso. A gente não podia tentar cortar um pneu que tinha um nome "radial" nele porque ele tinha um arame de metal dentro que nos cortava e não ia servir para o sofá.

Quando eu era criança, o sonho da minha vida era ter uma camisa do Vasco, daquelas que a gente chama de "oficial". Eu nunca tive. Depois de uns três anos pedindo essa camisa pro meu pai, ele comprou uma pra mim "do camelô", daquelas de 10 reais, com um tecido horrível, que suava e era meio quente, o patrocínio eu lembro até hoje, era Ace, um sabão em pó de caixinha que nem sei se existe mais hoje. Eu usava essa camisa até pra ir na festa da igreja e no shopping.

Outra coisa que eu sempre quis quando era criança era fazer natação. Eu nunca fiz. Não havia dinheiro para isso. Eu também queria fazer futebol de campo ou estudar inglês em alguma escolinha de inglês particular, e adivinhem? Pois é. Eu fiz judô porque um amigo me levou após insistir muito, me deu um kimono cru que ele tinha usado e comecei, as aulas eram em outro colégio público e o professor deixou eu me misturar com a turma do próprio colégio. Eu não gastava nada, eu cheguei na faixa roxa e ganhei muitas competições, até campeonato estadual e regional, mas dada toda a minha condição de vida, física e nutricional, não tinha como treinar nem competir em coisas mais importantes como um campeonato nacional.

Eu tive muitos problemas dentários, eu tinha muita cárie, muita dor de dente, eu não sei se sabia escovar direito, ou era pouco, ou se minha alimentação era péssima mesmo, eu rolava noites e noites na cama chorando sem saber o que fazer, passando água gelada, água da pia, colocando pasta de dente pura em cima.

Naquela época dentista público era muito inacessível, o privado era caro, mas sobrava uns privados bem ruins, que acho que nem eram dentistas, eu fui lá umas 4x, o procedimento era um só, extração, era muita dor e sangue. Até hoje eu tenho medo de dentista, e fico taquicárdico só em sentar numa cadeira de dentista. Da última vez que fui em uma aqui, chorei ao final, só com a lembrança de todas as dores que eu passei na vida. Eu acho que foi por causa das minhas questões dentárias que conheci o que se chama por "desespero". Noutra época, um pouco mais a frente, eu caí no colégio, quebrando um dos meus dentes centrais superiores, esse dente ficou quebrado por muito tempo, isso me fez sofrer bastante e me deixou cada vez mais tímido e retraído.

Na adolescência eu era o que se poderia esperar, baixo, magro, desnutrido, com dente quebrado, cariado, retraído, tímido e sem nenhuma habilidade em absolutamente nada. Da adolescência até o início da idade adulta atravessei um deserto sexual praticamente absoluto, coisa que na minha época era bem comum (não sei como está hoje em dia para a molecada). Eu levava foras homéricos na escola, passei muita tristeza e humilhação nas questões amorosas.

Os primeiros beijos e as primeiras experiências sexuais foram com as amigas e conhecidas da rua e do bairro, gente que tinha crescido comigo e que eu eu conhecia desde que me entendia por gente, mas obviamente não eram grandes coisas, assim como eu era na época. A minha primeira namorada séria, legal e bonita eu já tinha uns 20 anos de idade e estava lá pro segundo ou terceiro ano da faculdade.

Meus amigos dessa época, tenho contato com muito poucos, estão em posições bem baixas na vida, o resto se perdeu na vida ou ninguém sabe onde tá, trabalhando no comércio, alguns andando de ônibus até hoje, ou com um carrinho bem velho de 10k e sem dinheiro pra gasolina. Um dos meus melhores amigos da época da locadora, da última vez que eu tive notícia (lá pra 2003) tinha sido preso pela PM roubando toca-CD de carro estacionado.

As meninas engravidaram cedo e casaram com um qualquer e ainda moram por lá, no mesmo bairro ou em outro bairro igualmente péssimo, sem estrutura e violento. Uma minoria absoluta conseguiu chegar na faculdade pública, em cursos sem expressão alguma, como Serviço Social, Letras Português ou Geografia, esses os que eram muito dedicados.

Eu sou muito agradecido por tudo o que passei na vida, pelo caráter que me formei, pelas agruras que passei, sem tudo isso que contei aqui (não dá pra contar muitas outras coisas devido ao espaço) é que eu sou o que eu sou, é que me encontrei e encontrei o meu destino, o que me tornei e o que nasci para ser. Não é que se tenha que alegrar ou sofrer com o passado, mas um passado de sofrimento e escassez é muito difícil de esquecer sem sentir uma coisa muito estranha por dentro, às vezes tudo que eu queria era poder voltar pro passado e poder ajudar o meu eu mais novo com algum dinheiro, um presente ou uma conversa.

Foi extremamente difícil e trabalhoso passar por muita coisa sem um guia, um mentor, dinheiro, exemplos próximos ou sei lá algo que tenha tido o mínimo de sucesso para me guiar. Eis que por isso eu quis fazer esse blog, pra tentar ajudar um mínimo que seja quem se encontra numa situação de penúria ou desespero. Eu não sei como eu dei certo na vida quando todas as chances estavam contra mim.

Teve um dia que depois de muito penar em matemática pra passar no colégio (eu estava na quinta série) um coleguinha me levou pra casa dele para estudar, eu nunca vou esquecer desse dia, eu estava em recuperação praticamente reprovado (naquela época o meu colégio público reprovava mesmo, e tinha até dois alunos reprovados na minha sala), era sem choro nem vela, e por causa de uma matéria a gente repetia o ano todo, todas as matérias.

Primeiramente o pai dele (que era militar aposentado da aeronautica) acho que cabo ou sargento, foi pegar a gente de carro (foi a primeira vez que saí da escola em um carro), nos levou pra casa dele, tinha um quadro branco na garagem da casa dele e uma mesinha, ele deu aula pra gente de toda a matéria da prova, na sexta, no sábado e no domingo, resolvemos centenas de pequenos exercícios e contas, esse pai dele dizia que era bom em matemática e pra ele devia ser mais simples do que pra gente, eu aprendi direitinho a matéria e passei na prova.

Depois disso descobri que esse meu amigo (ele nem tinha ficado na recuperação) ele já tinha passado, ele estava ali comigo simplesmente porque viu o meu desespero e resolveu ajudar, sem falar, pra melhorar, a gente ainda ganhou lanche durante os estudos, torrada de queijo e suco de laranja (algo inédito para mim) - ganhar um lanche durante os estudos e pra fechar com chave de ouro - ele ainda tinha um super nintendo que a gente jogou uns jogos de avião de caça já a noite. Foi a primeira vez que eu vi um vídeo-game fora da locadora, na casa de alguém. Esse era o meu amigo mais rico até aquela data, e o bairro que ele morava era 10x melhor que o meu, do outro lado da cidade e com rua calçada. Esse fim de semana eu sempre vou lembrar.

Eu fiquei pensando por muito tempo: "caramba, como deve ser bom ter um pai em casa, que ensina, tem um quadro e ainda faz lanche... se eu tivesse uma oportunidade assim com certeza seria um aluno muito melhor, ia passar de ano folgado e quem sabe tirar as maiores notas da escola" o que descobri depois que era exatamente o caso dele, mas tudo bem.

E agora voltando ao post, eu não sei bem o que dizer para vocês nesse momento. Essa semana foi muito nostálgica pra mim por tudo o que vivi. A chegada ao quarto milhão me emocionou um pouco, porque muitas vezes, na minha solidão e na minha vida cheia de privações eu me perguntava se um dia eu ia ser feliz, se um dia eu ia ter o básico, se eu ia ter uma namorada bonita, se eu ia ter um bom emprego e vencer na vida.

E hoje, dirigindo as intermináveis horas, eu senti uma sensação de alívio danada, eu lembrei de meu passado, de tanta coisa que passei e me veio uma grande sensação de alívio e dever cumprido, de ter vencido na vida e hoje ser o que eu sou. Eu nasci num lugar e numa família que tinha TUDO pra dar errado, todo um contexto desfavorável, problemas em casa com álcool, desemprego, violência, infidelidade conjugal (do meu pai) e mesmo assim consegui encontrar meu lugar no mundo. Também lembrei de uma grande amiga minha, que foi embora desse mundo por escolha própria, há alguns anos atrás, e que muito me aconselhou em várias questões, além de dar exemplo prático de vida, determinação e disciplina, eu acho que ela estaria bem orgulhosa de mim nesse momento.

Enfim, onde está então o segredo?

O segredo de vencer na vida? De ter muito dinheiro? De ser uma boa pessoa, um bom profissional, um bom familiar?

Onde eu guardei esse segredo?

No desejo ter uma vida melhor. No desejo da minha "próxima vida" ainda dentro desta. Se você não tiver um desejo muito forte que te faz pular da cama e enfrentar o dia, mesmo com fome, mesmo morando longe, mesmo tomando banho gelado as 05:30 da manhã porque nunca teve um chuveiro elétrico em casa, mesmo saindo de casa em jejum todo dia, porque ali nem tinha café da manhã e só iria comer as 09:30, se você não tiver essa vontade dentro de você, pulsante, batendo mais forte do que o seu coração, eu não sei se você vai conseguir. Um homem sem vontade não vai resultar em nada.

No desejo de descobrir o que se passa no mundo, na vontade de superar a pobreza e de nunca mais voltar para ela, seja a pobreza material, espiritual, intelectual, mental, pobreza de laços familiares e de significado na vida, pobreza de sonhar, de desistir antes da hora, de jogar a toalha, de desistir de viver, de se contentar com o muito pouco, na imensa vontade de tomar a minha vida e o meu destino em minhas mãos e vencer com os meus meios, sem precisar fazer nada ilegal ou derrubar ninguém e tampouco culpar terceiros pela minha situação de vida. Eu queria superar o meu bairro, eu queria muito uma vida melhor, uma namorada bonita, um carro, sem tristeza, sem fome e sem desesperança.

Eu venci a pobreza. Eu venci o meu destino. Eu estou vencendo na vida.

Obrigado a todos os entraves e a todas as pessoas que de alguma forma contribuíram bem ou mal para eu estar aqui. Sem tudo isso, eu não seria o que sou hoje.

Acho que é isso amigos,
Um grande abraço a todos,
Frugal.

sábado, 2 de novembro de 2019

Minha Holding Frug3.SA Novembro 2019 R$ 426.929,00 (+17,84%)


É muito bom crescer em cima de uma base baixa e ver um aumento tão significativo da carteira.

Depois do último post sobre a Frug eu fiz os seguintes aportes:


BBRC11
BBSD11
ENBR3
ITSA3
XPOM11
CSUKX (ETF de acumulação do UK)

Total de quase 58k aportados.

Esse aporte no ETF CSKUX fiz com um dinheiro que estava parado na conta da IB há mais de 10 meses. Esse dinheiro (quase 5k libras) era a minha última reserva da reserva da reserva que eu iria trazer pra cá pra pagar conta ou ajudar a pagar algo da empresa em caso de derrocada, mas ainda bem que não precisei usar e fiz o aporte, aumentando bastante assim a minha alocação lá fora. O referido ETF está bem em conta.

Foram 6 novos ativos adicionados em apenas um mês.

Trabalhei como um cachorro neste mês de Outubro, pois em Novembro vou dar uma viajada de 7 dias (metade trabalho/metade lazer), ver familiares, velhos amigos e assistir umas palestras.

Hoje estudei mais algumas empresas na B3 e coloquei mais algumas na carteira.
Agora tenho 37 ações na carteira BR e estou muito bem com isso (fica 2,7% da alocação em cada). Em custódia tenho apenas 6, e ainda faltam 31 para ter algum dinheiro em cada, isso pode levar um bom tempo, talvez até o final do ano que vem, e ainda tem os fiis que comecei apenas com um.

Achei um app muito bom que me fez lembrar muito o Google Finance e estou curtindo bastante, ele se chama "My Stocks Portfolio" e está disponível para Android (não se se tem para ios pois meu cel é Android). Neste app você cadastra todas as suas ações, ETFs, Stocks, fundos imobiliários e cadastra as compras, além de colocar uma watchlist em separado.

Ele diz o preço de custo de cada um (que você inseriu) e o atual, somando tudo e mostrando a rentabilidade da carteira, pra mim no caso ele é como se fosse a união do Bastter System com os dados da minha corretora lá fora, a IB. O bastter system ainda não oferece suporte para os ETFs que compro pela IB, por isso não fica completo para mim ainda.



Eu gostaria de poder colocar isso aí sem os imóveis, mas não dá.

Em azul, os imóveis (o maior é comercial (loja) e o segundo maior é o ap que eu moro, outro é um flat - o flat tá no airbnb gerando mil reais líquidos por mês e já foi vendido mas ainda não entreguei, e os demais 4 são terrenos, sendo que dois deles ainda estou pagando), em laranja os debentures e RDC (RF), depois tem as ações BR com os símbolos das empresas, em vermelho o ETF de ações BR que comprei aqui, o BBSD11, e depois do logo da Eztec tem as coisas que tenho no exterior (ETFs e stocks). A bolinha verde é dólar (U$4k). O ponto preto é a ação da Black Rocks que tenho (apenas uma mesmo) e lá em cima perdido um pequeno ponto é o Fii BBRC11. Essa é a alocação financeira do meu patrimônio total neste mês.

Espero agora multiplicar esses círculos em tamanho, variedade e ver a renda passiva entrar.

Grande abraço a todos,
Frugal.

sexta-feira, 1 de novembro de 2019

Fechamento Outubro/2019 R$36.404,00

Resultado fraco. Estou decepcionado.

A gente pensa que vai sempre crescer, devagar e sempre, mas a realidade é dura.
Tem que ter dinheiro guardado pra capital de giro e para as muitas despesas extras que aparecem.

Em Outubro as receitas foram quase iguais às de Setembro, mas tive quase R$10k de gasto não-recorrente e mais R$15k de aumento nos custos. Tenho que rever com urgência cada centavo que está neste negócio.

Minha falta de tempo começou a cobrar o seu preço alto e quem sabe minha semi-presença esteja comprometendo o operacional da empresa, ou então tá sumindo dinheiro...

Eu não esperava uma paulada tão grande dessas, está muito ridículo visto que não pago aluguel e tenho o custo do imóvel. A luz vermelha já foi acesa e em Novembro e Dezembro estarei de olho em tudo.

Pra variar, muito difícil confiar nas pessoas, nos serviços e em alguns funcionários. Este mês um foi embora e ameaçando bastante, dizendo que ia na justiça, que a rescisão dele tava errada e mais um monte de coisa.

Tem funcionário que é assim, trabalha ruim, não valoriza a oportunidade, faz um monte de merda e quando é mandado embora sai cuspindo sangue e fogo. Ingrato do caceta. Não é a toa que muita gente tem uma vida de merda, em todos os campos, pessoal, profissional e acadêmico, nunca se dedica a nada e nem honra as oportunidades e a boa vontade dos outros.

O mais engraçado é que não tenho medo algum da Justiça do Trabalho, mas também não vou conviver com ameaças e nem tolerar dissidências. Me ameaçou ou falou em Justiça do Trabalho tá fora, é simples assim, e não quero nem olhar na cara nunca mais. Uma microempresa, que vive mês a mês em cima da linha, com dificuldade para ter lucro, trabalho intenso todos os dias na semana e nos fins de semana, um enorme esforço meu, que coloquei meus últimos seis anos inteiros de trabalho não pode se dar ao luxo de tolerar gente indisciplinada.

Ao longo desse ano dei alguns aumentos de salário e também nas comissões. Já comecei a me arrepender. A empolgação com o fim da dívida e com o aumento dos lucros me fez querer ser um pouco mais generoso e agora parece que a coisa deu um salto quântico nas despesas. Não quero mais nem ouvir falar em aumento. Agora é aumentar as receitas, cortar gastos e economizar o que puder.

Por hoje ainda não atualizei a planilha do FC mas quando atualizar vou lançar aqui. Eu trabalho com o regime de caixa e fiz apenas todas as somas de entradas e despesas fiz a conta desse mês.

Estou otimista com um pequeno processo de mudança na forma de cobrança e pagamento, acho que vai dar resultados (pagar taxas menores no banco e na maquininha). Agora é a fase de começar a afiar a tesoura para cortar o que puder.

Grande abraço a todos,
Frugal.

P.S.: Editei o post e somei mais R$9,2k que estavam na conta de um novo cartão de uma nova maquininha que eu havia esquecido de somar por estarmos no primeiro mês. :)

A Providência favorece os entristecidos.

sábado, 19 de outubro de 2019

Comprei um ETF no Brasil BBSD11 bom pagador de dividendos.


Primeiramente coloca a musica da musa do blog pra tocar aí:: Lana Del Rey - California que é o que estou fazendo agora, é um soul bem bacana.

Na minha volta ao mercado fui dar uma olhada nos ETFs listados na B3 e me deparei com duas boas novidades: o IMAB11 e o BBSD11.

Esse mês eu investi no BBSD11(S&P DIVIDENDOS BRASIL) um aporte de quase 10k. O meu lado John Bogle me mandou comprar ETFs também.

Não existe estratégia certa para investir e estou testando uma estratégia mista de minha carteira de ações individuais + minha carteira de ETFs no BR, assim me sinto mais confortável em nem ir tanto ao caju e nem a castanha, mas saibam que coloquei 30% do meu patrimônio total em minha carteira de ações no BR e 7,5% em ETFs no BR, ou seja, o total de ETFs que vou ter com o passar do tempo vai ser o equivalente a 25% do meu total de ações individuais, ou seja, para cada R$100k investido em ações, terei mais R$25k investidos em ETFs no BR.

Vamos lá:

O BBSD11 é um ETF que replica a carteira do índice dividend aristocrats da Standard and Poors. Nesse índice eles colocam as 30 empresas maiores pagadoras de dividendos nos últimos três anos.

O ETF é distribuído pelo banco do brasil e tem uma taxa de 0,5%, é um pouco alta mas eu achei que compensa.

Muitos de vocês vão falar em PIBB11, BOVA11 e etc, mas vejam que são coisas bem diferentes e inclusive fui estudar o valuation dos ETFs listados no Brasil e vejam só a minha surpresa, nenhuma distribuidora disponibiliza essa informação aqui. Se você quiser ver, tem que ir num site gringo e procurar o produto por lá.

Vamos começar:

Resultados dos últimos 12 meses de alguns ETFs da B3.



Caramba Frugal! Rendeu 51,5% nos últimos 12 meses contra apenas 36,7% do PIBB11. Legal!

Mas não escolhi ele pela rentabilidade dos últimos 12 meses, óbvio. Primeiro você tem que olhar a metodologia do índice e o valuation do ETF. Fui procurar na página gringa da S&P e achei muita coisa lá.

APÓS LER a metodologia do índice, a qual eu gostei e concordei com a estratégia, é que fui estudar mais o ETF. Esse seria praticamente o ETF do Décio Bazin, autor do livro Invista em ações antes que seja tarde, um livro bem legal sobre a bolsa e com um fundo histórico muito legal, recomendo o livro.

A metodologia você encontra nesse pdf: https://portugues.spindices.com/documents/methodologies/methodology-sp-brazil-dividend-indices-portuguese.pdf?force_download=true


Vamos ver a carteira do ETF:






Lembrando que o ETF NÃO PAGA DIVIDENDOS!
Ele é um ETF DE ACUMULAÇÃO. Os dividendos recebidos pelo fundos são reinvestidos na compra de novas ações da carteira do fundo, de forma a acompanhar o índice.



Desvantagens:

Todos sabem que é a taxa de adm (0,5%aa) o que considero alta, aliás essa é a maior taxa que eu pagaria por um produto financeiro.

Vai pagar 15% de IR na venda de qualquer quantidade de cotas. A minha idéia é não vender nunca, ou então que seja uma das últimas coisas que eu venda, ou ainda, se eu precisar de mais de 20k num mês de uma venda e não quisesse vender nenhuma ação em particular, eu venderia os ETFs, enfim, não é perfeito, tem algumas empresas ruins dentro e tem desvantagens.

Investir é como montar um time de futebol e você é o técnico. Não adianta colocar só atacante num time, ou só meio de campo, cada função tem uma pessoa de um tipo, e inclusive você tem que pensar até no banco de reservas. Colocar um ETF desses numa carteira é uma estratégia de defesa, de seguro e de diversificar melhor os investimentos.

A estratégia de investir em empresas boas pagadoras de dividendos é polêmica e divide muitas opiniões, eu como não quero comprar um lado, fico com um pouco de cada lado, é aquela dúvida que as pessoas tem entre comprar Itaú, Bradesco ou BB, na dúvida compre 1/3 de cada e fique mais tranquilo. Ficar procurando pêlo em ovo ou acertar o olho da mosca só vai lhe fazer perder tempo e se estressar com a atitude de investir.

Legal Frugal, você já mostrou o ETF, a carteira, o custo, a estratégia, MAS cadê o valuation?

Bem, pra mim tá bom, vou picotar o documento da S&P aqui pra facilitar pra vocês, mas se quiserem ler todo (tem mais de 29 páginas tá no site deles):



Para uma boa expectativa de retorno gosto de olhar o P/B (p/vpa) e o P/E (PL).
PB abaixo de 2 acho ótimo.
PL abaixo de 15 é muito bom.
Esse ETF satisfaz esses dois critérios para mim, então tudo bem.

Olhando o desempenho dos últimos 10 anos:



Manteve 11,71% de ganho anual médio nos últimos 10 anos contra 8,43% do IBrX100. Um ganho consistente maior e mais duradouro. E anualizado segue abaixo. Sofreu bastante em 2015 (minha carteira toda caiu quase 16% em 2015).



Minha atual carteira está com 34 empresas para comprar e ainda faltam 30. Coloquei logo o ETF para já diluir um pouco o meu risco. Algumas dessas empresas como Cielo e Vivo eu já tenho na carteira mas não me importo também de investir pelo ETF e o valuation dele está bem atrativo para a minha estratégia simples.

Só olhando essas tabelas de retorno dá pra ver o que eu passei estudando muito e investindo na bolsa. Comecei pesado em 2013, 2014 e 2015, foi muito frustrante na época vendo o valor da carteira cair todo ano, mas já estou bem mais vacinado. A galera que está entrando na bolsa nos últimos 3 anos ainda não sabe o que é isso. Talvez se não fosse por isso eu nem teria aberto a loja, mas tudo bem, tudo na vida é aprendizado. Descobri o que é ser um verdadeiro Buy and Hold a duras penas e o ETF é uma forma de assumir a minha própria insignificância diante do mercado.

Fora esse ETF, coloquei na carteira o IMAB11 e o SMAL11, que vou discutir depois em posts próprios cada um.

É isso aí meus amigos, só quis falar um pouco os motivos que me fizeram comprar esse ativo.

Obviamente NÃO É RECOMENDAÇÃO DE COMPRA.
Todos os ativos financeiros tem seus riscos e cabe a somente você analisar o que serve pra sua vida.

P.S.: Falta algum site ou blog ou alguém que saiba analisar e discutir os ETFs listados na B3. A informação sobre a análise de ETFs no Brasil é extremamente pobre e como esse é um mercado que vai crescer muito, quem tiver disposição e quiser começar a fazer essas análises de forma séria e honesta, eu vejo aí uma boa oportunidade de empreender.

Analisar ETFs no Brasil ainda é mato, assim como os seus volumes de vendas, mas isso vai subir muito, podem acreditar. A série Aristocrats de índices da S&P já existe em vários países e mercados, incluindo EUA obviamente (lá para entrar no índice tem que ter 25 anos de pagamentos de dividendos crescentes).

Grande abraço a todos,
Frugal.