Translate

sexta-feira, 12 de outubro de 2018

Nos investimentos, sobreviver é o que importa.


Boa noite amigos,

Espero que estejam curtindo bem o feriadão a tal ponto que longe da internet e talvez com suas crianças, caso as tenham, não tenham trocado o celular por elas nesse dia tão especial. A infância é uma dádiva e passa rápido. Cubram as crianças que lhes cercam com maravilhosos momentos, pois elas vão lembrar disso a vida toda, da mesma forma como possivelmente elas irão lembrar se vocês as tratarem mal, seja com um comentário ou com comportamento agressivo ou mal educado. Não subestimem a inteligência e a memória das crianças.

Vamos falar de uma coisa muito importante nos investimentos, que pouca gente fala:

Rentabilidade? Aplicação? Fundos? Valuation? Imposto? Dividendos? Carteira? Vencimentos? Proventos? Alocação? Gráficos? Tabelas de excel? Nada disso. O básico do básico, desde antes de você começar a investir é SOBREVIVER.

Mas como é isso Frugal? Eu vou morrer?
Não você vai quebrar.
Você vai vender no fundo. Vai ter prejuízo. Você vai girar a sua carteira. Você vai desistir de tudo e comprar um imóvel caro e um carrão. Você vai enjoar de tudo, parar de acompanhar o mercado, colocar tudo no TD, vai terceirizar a gestão do seu portfolio (Alô XP empurrando PGBL na galera!) Você vai desistir de ser um investidor e vai perder dinheiro. TUDO ISSO, se você não se preparar corretamente.

E qual a melhor forma de me preparar para sobreviver Frugal?
LIVROS! LIVROS! LIVROS!

Amigos, não se enganem com blogs e sites, com revistas de mercado, com papinho de corretoras ou analistas.

VOCÊ SÓ VAI BLINDAR A SUA MENTE DEPOIS DE LER UNS 30 LIVROS.

É isso aí, essa é a mensagem desse post.

Não seja presunçoso, nem superestime as suas habilidades.
Você é apenas uma sardinha num oceano de peixes e tubarões, mas se você tiver uma BOA BASE DE LEITURA EM BONS LIVROS E AUTORES FODAS ninguém vai lhe passar a perna, essa é que é a verdade.

O que é que que mais me orgulho na minha vida de investidor que começou em 2013? Formar uma base sólida, amparada em muita leitura de muito livro bom e autor bom. Preciso fazer um MBA em Harvard pra saber investir? NÃO! Na verdade, hoje em dia com o poder da internet e dos livros disseminados, você TEM O MESMO ACESSO A LIVROS que qualquer cara no mundo.

Qual é o cara de Wall Street, Londres, Tokyo, Paris, Shangai que pode ter acesso a algum livro ou autor mais do que você? Nenhum! Já pensou nisso? Não se sinta diminuído ou burro em relação a esses figurões do mercado ou em relação a investidores consagrados. Todas as fontes estão disponíveis para todos. E pra quê tudo isso? Pra você sobreviver. Independente de rentabilidade, alocação e etc. VOCÊ tem que saber o que está fazendo, quais as suas opções e quais os lugares que você pode por o dinheiro para se proteger e ficar tranquilo.

Aqui no blog, no canto superior direito coloquei uma pequena lista de livros pra você começar. Se você tá no começo da estrada dos investimentos, lhe sugiro ler uns 10 livros por ano. Com dois anos e 20 livros você já vai estar apto a fazer muita coisa, enquanto aprende a ler balanços de empresas e alocação de ativos. No terceiro ano e com uns 30 livros você já vai estar lendo sobre mercados no mundo todo, câmbio, ETFs, tributação, Offshore, bancos, paraísos fiscais e etc. Do 40gésimo ao livro número 50 você vai estar refinando todo o seu conhecimento, bolando sua própria estratégia e moldando o seu mundo financeiro para a fase da vida em que se encontra. E aí vai ficar mais tranquilo.

A falta de conhecimento gera stress e insegurança, seja na sua profissão ou nos investimentos. Se você não tem uma boa base tudo fica difícil, estressante e complicado. Na medida que sua base aumenta você vai ter mais lucidez e sabedoria para decidir muitas coisas e ir carregando mais levemente a sua carteira (com o tempo cresce!) e vai evitar fazer besteira de vender algo importante, fazer all-in, operar opções, fazer trades loucos, vender descoberto, enfim, fazer bobagem e ser CHUTADO das bolsas.

Entenda que o seu patrimônio é uma extensão de você, das suas horas de estudo, de trabalho, é o seu futuro como pessoa, o futuro da sua família, dos seus filhos, do seu casamento, dos seus sonhos e das suas realizações. Encare o seu patrimônio com responsabilidade, proteja o seu dinheiro, ESTUDE MUITO e depois continue sempre aprendendo. Não precisa ficar neurótico, vendo notícias de finanças (evite pq não ajuda em nada) e nem ficar ligado no mercado, nas taxas de juros ou no câmbio. Acredite, você não precisa de notícias para operar. Pode montar uma carteira defensiva com imóveis, fiis, TD, ações, ETFs no exterior, ouro, bitcoin e ir alocando tudo à sua maneira.

O seu patrimônio não é uma brincadeira, é uma coisa pra você levar a sério, pois será construído com trabalho, sangue, suor, lágrimas, distância da família e dos amigos, da esposa e dos filhos. Cabe a você PROTEGER o seu dinheiro e fazer ele crescer sozinho na medida do possível (e não do impossível - com movimentos bruscos).

A primeira coisa a fazer com o SEU DINHEIRO é não perder ele. Seja com investimentos ruins, com altas taxas de adm, com baixas rentabilidades, com riscos incontroláveis ou entregando ele na mão de picaretas. E o que vai lhe dar ferramentas para pensar é a LEITURA DE LIVROS. Depois que você ler uma BOA quantidade de livros ficará mais tranquilo e tenderá a SOBREVIVER nos investimentos e não ser chutado do mercado e ficará sempre no azul e com dividendos mensais crescentes.

Todo mundo aqui sabe que o Jhony Depp ganhou muito dinheiro com os filmes Piratas do Caribe. Eu mesmo vi ele dar uma entrevista dizendo que tinha dinheiro pra manter até a quinta geração dele. Que bom. Uns oito anos depois, li por aí que o cara está completamente quebrado. ´Ganhou na loteria da vida e jogou tudo fora. Quantas pessoas ganham na megasena e depois ficam pobres de novo? Várias. Quantas heranças de uma vida toda são dizimadas em menos de uma década pelos herdeiros? A maioria. Dinheiro na mão é vendaval, e muito mais se você não sabe o que é o dinheiro e nem como manter o seu dinheiro. Conhecimento é fundamental, não somente sobre Finanças, mas sobre tudo, tudo mesmo, passando até por Filosofia. Pessoas despreparadas na vida irão quebrar, mesmo que consigam fazer um bom dinheiro. Buffet lê mais de 6h por dia. Peter Lynch lia mais de 8h por dia. Luis Stulhberger diz que o principal trabalho dele é apenas ler.

É difícil isso Frugal? Não, de forma alguma não é. E nem é caro. É quase de graça na verdade. Incrível não? Com um pc, ou um kindle de 300 reais, você baixa de graça e lê os tais 50 livros. Coisa que nenhuma faculdade ou pós graduação vai lhe dar e nem nenhum professor vai lhe dizer (exceto se ele for um investidor também).

VOCÊ PRECISA SE DEDICAR A SER UM BOM INVESTIDOR POIS TODO O RESTANTE DA SUA VIDA DEPENDE DISSO.


Sobreviva meu amigo, não faça besteira, estude, se prepare para qualquer cenário que possa acontecer na sua vida pessoal ou financeira. A blogosfera tá aqui pra gente se ajudar e vencer juntos. Qualquer dúvida coloca aí nos comentários que eu respondo ou alguém ajuda a responder.

Um abraço a todos e bom feriadão! Cuidem das nossas crianças também!
Frugal.

sábado, 6 de outubro de 2018

Um grande alívio


È sexta-feira, aproximadamente 21:30h, dirijo do trabalho para a minha casa.

Estou cansado depois de trabalhar o dia todo, dirigir muito, tomar sol, suar, enfrentar ar condicionado gelado, discutir por algumas horas no whatsapp, fazer umas 15 ligações, pagar uns 3 boletos de valores altos.

É a vida adulta que segue. Eu dirijo e penso na vida. O trânsito já aliviou da hora do rush. Agora os carros estão com casais indo pra cinemas, barzinhos, restaurantes, baladinhas. Percebo também as mesas dos barzinhos lotadas de jovens, universitários ou gente que já está no mercado. É uma época bem feliz, pouca responsabilidade e a oportunidade de estar com os amigos pra tomar uma e jogar conversa fora.

Cada fase da vida tem a sua magia, e a gente às vezes nem percebe. Naquela fase de juventude intensa, se me fosse apresentada a minha atual condição de vida eu iria rir e iria dizer que isso não é vida e que não iria querer isso pra mim. Depois a idade vai chegando, os amigos vão se mudando de cidade, casando, tendo seus filhos e vão tocar a vida, e também tenho que tocar a minha, não tenho muitos amigos aqui onde moro pra sair na noite, na verdade só casais de amigos, mas não saio muito, eu trabalho tanto que o pouco tempo livre que tenho quero ficar em casa ou sair com a minha noiva para fazer algo na cidade, ou então gosto de ficar com os cachorros no sofá, coloco um show qualquer no youtube e fico lendo meu kindle.

Cheguei em casa, tirei umas duas cervejas da geladeira (elas duram meses lá), começo a comemorar uma conquista, um dos boletos que eu paguei do financiamento foi cavalar, foi o mais alto que já paguei na vida, 70k. Recebi uns atrasados e complementei com o meu salário. A dívida do imóvel caiu de 496k para 426k.

É muito boa a sensação de que a vida está dando certo e de que estamos indo para algum lugar. Existem vários tipos de alegria, na juventude é uma alegria boba, de ficar alegre só por ficar, por existir e de ter amigos e possibilidade de se divertir, basta pouco, e isso é bom. Com o passar dos anos e da idade, você procura se estabilizar e ter uma renda para se manter, de preferência uma dívida zerada é o ideal, o ser humano com dívidas não tem muita paz.

A ansiedade vem de imaginar que a vida possa estar dando errado. A gente tende a pensar duas coisas: ou a vida está dando certo ou a vida está dando errado, sem meios-termos. Ou você progride ou você regride. Da mesma forma é bom lembrar do nosso passado, de onde viemos e ficar felizes com o que consquistamos, nossa profissão, nossos amigos e nosso estilo de vida adulto.

Olhando esse gráfico, vemos que até Agosto/2017 eu não tinha dívida alguma. A coisa subiu com o financiamento do imóvel e as dívidas com a franqueadora. Vejam que as minhas dívidas foram feitas para a compra dos ativos (imóvel + franquia) e tive que contabilizar isso. O equity da loja já expliquei aqui que também está subindo (uma coisa é você comprar uma empresa com lucro de 500 reais por mês, outra coisa é você comprar uma empresa com lucro de 20 mil reais por mês, certo? Pois bem, como falei a loja já subiu o equity para 750 mil. O dinheiro que é gasto pagando a dívida, ao mesmo tempo sobe o patrimônio, então quanto mais eu pago a dívida, mais a linha do patrimônio sobe. Acredito que ainda vou pagar 90de dívida em 2018, dessa forma vou entrar em 2019 devendo 326k e com quase 3kk de patrimônio.


E como eu estive ansioso esse ano com essa dívida nas minhas costas, ainda por cima levando calotes e atrasos, foi horrível. Eu achava que se tirasse umas férias seria bom, mas não iria diminuir a dívida, e o problema é esse, não tentei fugir do problema tirando férias. Ontem o ataquei de frente e paguei 14% da dívida total que estava lá, próximo aporte vai ser quase 9% da dívida também. Estou muito feliz de tudo estar dando certo. Se tudo continuar bem, em Julho do ano que vem já vou voltar para a bolsa e me recompor, refazer minha reserva de emergência, mandar dólar pra fora todo mês, continuar trabalhando e esperando o tempo passar.

Tenho que me lembrar que essa dívida paga é patrimônio acumulado e não dinheiro jogado no lixo como é com a fatura do cartão de crédito. Não sei bem o que aconteceu mas o meu aporte aumentou muito de 2013 pra cá, acho que estou trabalhando mais, reinvestindo os valores recebidos de todos os investimentos, consumindo pouco e até aumentando o valor das minhas doações.

O lucro da loja ano que vem vai ajudar bastante nesse plano, foi como eu planejei antes de abrir e falei aqui, serão dois passos para trás e muitos passos para a frente no futuro. Se isso tudo der 1% ao mais, líquido ao mês, a partir de janeiro, acredito que já vai ter valido a pena, embora eu espere pelo menos 1,5% líquido ao mês.

Grande abraço a todos,
Frugal.

terça-feira, 2 de outubro de 2018

Fechamento Setembro/18 + R$ 12.931,00


Mês muito difícil.

Muita despesa extra. Muito investimento que ainda não deu retorno.
É impressionante como as despesas estão subindo junto com as receitas.
Eu fico aguardando uma hora que vai descolar e vai dar muito mais receita do que despesa mas está sendo bem difícil.

Uma coisa que tenho que ajustar e achar é uma boa relação custo benefício para o marketing, se gasto com google, facebook, instagram, outdoor, jornal, panfletagem ou simplesmente nada. Às vezes tenho a impressão de que esse dinheiro gasto com marketing é perdido, pois não tenho como mensurar esse retorno. Gastei R$2500,00 em marketing esse mês, digital + ação nas ruas. Só que o retorno do marketing não é imediato obviamente, então se gasta num mês para sentir o resultado (talvez) lá na frente, daqui a três, quatro meses.

Como vocês estão acompanhando, vamos completar um ano de abertura da loja este mês, o yield do negócio todo está ridiculamente baixo (0,55%) de modo que eu poderia ter conservado meu cortisol, meu peso e meu cabelo bem tranquilos na bolsa, fiis e RF, mas ainda estou na luta, com a esperança de que eu vire o jogo ainda este ano.

Citando aqui o blog do amigo Sr.IF365 (o qual não consigo comentar lá), o amigo tem 3,22kk de patrimônio total e está com um yield de R$11240. Olhando por esse lado, eu com um patrimônio de um milhão de reais a menos estou tirando o mesmo yield do amigo, o que me conforta um pouco pois a minha estratégia antiga era basicamente a mesma dele, ações, fiis e RF no TD, observo que este parágrafo é para efeito de comparação teórica e claro que não estou competindo com ele.

As receitas da loja estavam subindo numa média de quase 3k mensais, mas deram uma pequena estacionada de agosto pra cá, espero poder reverter isso até dezembro (olhá só, em dezembro eu vou ter o décimo terceiro pra pagar, praticamente vai zerar os ganhos de novembro - aguardem para ver). Uma pequena parcela da obra útil do prédio já dei uma pequena utilizada colocando para aluguel, vamos ver se aparece alguém, se eu alugar por 1500, isso vai dar quase 18k anual, nada mal.

Ainda continuo gastando, comprei um novo aparelho de ar condicionado, e gastei com eletricista e com o instalador do ar condicionado, restos do cartão de crédito, juros do financiamento imobiliário e mais. Ano que vem me livro de tudo isso e o lucro vai ser puro, sem pagar mais dívida nenhuma, e aí que vai ficar bom de verdade. De certa forma, 2017 foi um ano apenas para consolidação da loja, pagar dívidas e juros e crescer um pouco, entrar no breakeven operacional e sair do sufoco que foi 2017. Em 2019 espero ultrapassar o breakeven financeiro e por lá me manter.

Em agosto 2018 tive a virada do FC total, como postei aqui no blog, com resultado positivo em R$11280, somando agora com o resultado de setembro temos R$24.211,00 de FC positivo total na operação, quando esse saldo chegar em R$600k poderei dizer que recuperei o investimento da loja. É muito difícil pessoal, e arriscado.

De qualque forma, 12k são 12k, e praticamente já pagaria todas as minhas contas de pessoa física isso aí e ainda sobraria um troco, então tem que ver o lado bom também, investir em valor, trabalhar, ser otimista, viver sem gastos desnecessários e reinvestir os lucros. Até agora tem dado certo.

Grande abraço a todos,
Frugal.

quinta-feira, 20 de setembro de 2018

Vale a pena empreender no Brasil?


Talvez você tenha se perguntado isso e existem muitas respostas e experiências por aí.
Vou deixar meus 20 centavos sobre essa questão.

Tenho relatado a minha experiência de empreender aqui mesmo antes de começar e todos os meses relato algumas pequenas coisas, além da parte financeira que também é importante.

Cada pessoa tem sua razão pra empreender, muitos por causa apenas do desemprego mesmo, pegam algo e vão revender, mesmo que seja Natura, Mary Kay, Herbalife ou qualquer outra coisa, pelo menos pra sair do aperto e da renda zero.

Outras pessoas recebem rescisões gordas e devido à idade e difícil recolocação profissional, decidem investir em coisas maiores e também em franquias, daí vem aquela relação risco x retorno, a franquia possivelmente é menos lucrativa do que um negócio próprio, mas é menos arriscada (existem estudos, procure no google). Uma vantagem de algumas franquias é que você pode tocar de forma semipresencial ou remoto. Tenho conhecidos que tem lojas da Lupo e da Cacau Show que raramente vão lá.

Um negócio próprio vai exigir muito mais energia, sangue, suor, lágrimas e presença do dono, além de ter que ser muito bem diferenciado de outras coisas do ramo local, e aqui acho que você tem que gostar da área mesmo, por exemplo, eu não serviria pra abrir um restaurante, e mais ainda além disso teria que ser algo que você pudesse trabalhar lá dentro pra economizar um funcionário, e de preferência na função central até que a coisa se consolide e você possa sair, por exemplo, se você for abrir um Sushi, é você que tem que fazer o sushi. Por quê? Porque isso que vai ligar você no negócio e padronizar o produto (imagina um sushi que todo mês muda o cozinheiro? Como a clientela vai fidelizar?) além do mais você não pode ficar na mão e ser refém do sushiman (se eles souberem que você não sabe fazer o trabalho deles, eles vão lhe pressionar de muitas formas e fazer várias chantagens e ameaças de demissão, pois você vai estar na mão deles). Isso que dei foi um exemplo de um negócio mas você pode extrapolar para outros. Uma questão importante e aterrorizante do negócio próprio é a violência que assola o Brasil, você pode levar uma bala atrás do balcão ou ser sequestrado (inclusive por indicação de funcionários e ex-funcionários).

Também tem microfranquias com preço baixo e consequentemente pouco lucro, investe pouco e lucra pouco, tipo aqueles quiosques de shopping, ou até mesmo um Kumon da vida que vejo o pessoal colocar até em garagens. Muitas dessas coisas acho muito trabalho pra pouca carne, é igual a comer caranguejo, mas também depende muito do capital que você tem disponível pra começar, às vezes é o jeito.

Lidar com pessoas: O eterno psicólogo, chefe, patrão, líder ou seja lá o que for, que você tem que ser.
Funcionários adoram brigar, fazer fofocas, ficar com raivinhas, trauminhas e birrinhas uns com os outros. O povo não é educado a conviver em sociedade, não tem valores definidos e etc. São brigas e mais brigas e mais brigas, o tempo todo, e tudo acontece. Atestados, doenças, mortes de familiares, doenças em crianças, tratamento médico de sei lá quem, mortes, chuva, lama, ônibus que atrasa, tentativas de roubo perto do local de trabalho, enfim a vida do povo é um pandemônio, não espere que as pessoas venham trabalhar normalmente e vão embora todo dia.

Cada um tem uma novela mexicana pra inventar o tempo todo. Já tive que demitir três funcionários apenas por questão de convivência, é imoral um negócio desses, eu fico puto só de ter que perder meu tempo para ouvir abobrinhas, e cada um tem várias abobrinhas pra te alugar o tempo todo. Você tem que ter muita, muita paciência pra escutar uma coisa totalmente sem sentido de todas as partes, dar uma orientação normal que qualquer pessoa com cérebro daria e ir tocar outra abobrinha em outro lugar. Minha paciência tem ficado cada vez menor pra deixar alguém me alugar se não for pra me contar algo com sentido normal para a mediana dos seres humanos. Se você não gosta muito de pessoas ou é uma pessoa difícil de se relacionar e conversar, não empreenda com equipe de trabalho, é melhor ficar sozinho.

Outra coisa que EU não fiz no meu planejamento foi analisar o CUSTO DO DINHEIRO:

Veja, se você vai colocar um milhão no negócio, teria que ganhar pelo menos uns R$7500 líquido por mês pra ficar numa média de fiis x bolsa x renda fixa numa carteira boa e bem equilibrada. Investir 2 milhões num negócio e ganhar R$11 mil por mês com muito trabalho e esforço é pura perda de tempo, sangue, suor, sono, lágrimas e dinheiro.

Até agora eu ainda não cobri sequer o custo do dinheiro que estou colocando, isso após 18 meses. Estimo que em 24 meses apenas eu vou conseguir cobrir o custo do dinheiro, para só depois buscar o verdadeiro payback, ou seja, o retorno do investimento (valor mensal que cubra todos os custos + o custo do dinheiro).

Risco de empreender é absurdo. Se você ganha bem e aporta bem, o custo benefício de uma boa carteira de ações, fiis e RF é muito confortável e tranquilo para acumular patrimônio e gerar renda passiva. Até hoje não sei dizer se fiz a coisa certa, até agora eu acho que apesar de estar indo bem, eu poderia estar melhor apenas nas bolsas mesmo, mas faz parte do aprendizado, agora que comecei não tem mais jeito.

Vida pessoal, sono, família e etc: No começo é tudo muito dificil, já perdi algumas noites de sono pensando nas contas, na dívida, vendo extratos de bancos, escolhendo contas pra pagar, preocupado com a folha de pagamento (acredite, o mês pra mim parece que tem uma semana), mal parece que paguei um caminhão de boletos e de contas, fazendo dezenas de TEDs todo mês, e todo o ciclo se reinicia de novo, e você tem que ter dinheiro na conta pra pagar tudo em dia, folha e impostos principalmente, pelo menos eu não pago o aluguel, se fosse pagar seria uma conta e uma amolação a mais. A minha carga de stress basal aumentou bastante no começo e ficou num platô bem elevado por uns 12 meses, coisa que nunca tinha acontecido na minha vida, nem com a bolsa caindo 16% num ano não fiquei com 5% do stress que senti em 2017 no ano inicial da loja.

O nível de stress diminuiu um pouco, mas ainda está num patamar desconfortável, principalmente ao fato da minha dívida estar enorme e também com o fato de eu não cobrir o custo do dinheiro. O breakeven já foi atingido, mas ainda estou com muita despesa de restos de obras, equipamente e etc, e com fatura alta no cartão de crédito devido a isso, além de tudo o meu trabalho original sempre me dando calotes, atrasos, stress basal (que aumenta com os atrasos), falta de reajustes corrigidos pelo menos pela inflação e por aí vai, ou seja, cada ano que passa o trabalho aumenta e o valor diminui, além da aporrinhação que tenho notado aumentar, e a cobrança (mesmo com atrasos ridículos de pagamentos) que já estão com mais de três meses -  e essas foram umas das causas que me levaram a empreender, é sempre bom deixar claro, ficar na mão dos outros pra receber não é legal, muito menos quando e como eles querem.

Minha vida pessoal também foi afetada, viajo menos, não tenho muito tempo pra nada no dia a dia e me sinto muito sobrecarregado. Está muito difícil ter um tempo pra ler um livro, academia, estudar, ver um filme ou outra coisa de lazer qualquer. O dia de trabalho do patrão e a preocupação com o negócio é da hora que acorda até a hora que dorme, não existe descanso mental de fato.

Outra coisa que você vai perder dinheiro é se vender patrimônio para empreender. Vai pagar imposto de renda, vai vender barato e rápido, pagar comissões gordas, pagar cartórios e muitos boletos pro governo.

Então segue aí umas coisas pra se analisar:

Marca própria x franquia
Presencial x semi-presencial x remoto
Segurança física, patrimonial e pessoal
Custo x retorno
Custo do dinheiro
Eterno RH dos outros, psicólogo, incentivador, líder, chefe, parceiro
Vida pessoal, sono, tempo pra fazer coisas inúteis
Desinvestimentos x giro

É mais ou menos isso.

Se vale a pena, sinceramente ainda não sei. Pra mim até agora não valeu a pena. Pelo menos estou diversificando um pouco a minha renda (mas já estava diversificada na bolsa).

Acho que só vai começar a valer a pena se der um belo retorno fora o custo do dinheiro, teria que ser pelo menos uns 30k líquidos por mês em toda a minha operação para eu poder dizer que finalmente está valendo a pena, pensando em todos os grandes riscos, trabalho, stress e por aí vai. Minha esperança é alcançar essa marca lá pra Abril/2019.

Grande abraço a todos,
Frugal,


Dívida total: 522k + 40k