O peso das chaves

Olá amigos da blogosfera! Tudo bem com vocês? Muito tempo sem postar (pra variar).
Hoje me deu uma paz mental e resolvi escrever.




Lembro quando estava na faculdade sobre um paper britânico muito interessante.

Era um artigo de uma revista de Cardiologia, dentre outras coisas, um fator de risco me chamou a atenção: o peso das chaves das pessoas, o dado era que era estatisticamente significante que quanto maior o peso do seu molho de chaves, mais chances você tinha de infartar. Fiquei com aquilo na memória dentre tantas outras milhares de memórias.

Nesses dias me peguei examinando o meu molho de chaves:

Chave do carro, do ap, do portão externo da loja, da porta da frente da loja, de várias salas internas, da porta externa da cozinha, chaves de outros locais de trabalho, muitas chaves, umas 15-20, eu nem contei. O molho de chave é tão grande que incomoda colocar ele no bolso da calça jeans (eu praticamente só uso calça jeans), assim prendo ele no mosquetão na alça do cinto da calça. Lembrei do artigo.

Não acho que vou infartar tão cedo, mas vou cuidar mais de mim. Esse ano pós-covid foi de muita reflexão sobre os últimos 10 anos da minha vida (sim, já parei de pensar sobre os 30 últimos e agora só penso nos 10). Também comecei a pensar nos 10 próximos anos, acho que sou mais preocupado do que o normal.

Estamos em Novembro e já comecei os preparativos para o ano que vem, e decidi várias coisas, e já comuniquei à minha esposa e aos amigos mais próximos. Vou vender a franquia e alugar o ponto, ou somente alugar o ponto, ou vender o ponto, o que acontecer primeiro. Isso é irrevogável. Está dando um lucro razoável, mas esse valor não paga mais o meu stress e comprometimento.

Empreender foi uma grande lição de vida, me mostrou algo que eu sempre soube e que sempre guardei dentro de mim: eu funciono muito melhor sozinho do que em equipe. Eu fiz judô por mais de 20 anos de maneira semi-profissional, eu competi muito, é um esporte solitário que me moldou muito. Eu surfei também por quase esse tempo, e novamente é algo solitário, entre você e o mar. Eu consigo cumprir as minhas próprias metas, eu consigo lutar, estudar, trabalhar, me esforçar, pagar o preço, eu consigo dar muito de mim por uma coisa, e isso eu não vejo nas outras pessoas.

Eu desisti de entender como a cabeça das outras pessoas funciona. Não é nada racional. As pessoas abandonaram a sua racionalidade há muito tempo. Eu já tive muitas conversas na loja, com toda a equipe, fez pouco ou nenhum efeito, as pessoas vivem em outra dimensão que não é a minha, não consigo entender como uma pessoa precisa trabalhar adequadamente para colocar arroz na mesa de casa e não faz. A minha parte eu faço, eu sempre fiz.

Me lembro que quando eu jogava futebol na rua com os amigos eu ficava com muita raiva de quem era do meu time e não se esforçava, eu queria ganhar, queria marcar os gols, dar os passes para os gols e ficava puto quando o amigo brincava com a bola, chutava pra fora, fazia palhaçada ou algo assim, é muito da minha personalidade. Algumas pessoas nasceram para liderar outras, outras nasceram para vencer sozinhas, essa é que é a verdade, tem a ver muito com a paciência, de quem no fundo você é e do que nasceu para ser, e é melhor descobrir a sua própria natureza e assim se moldar ao mundo.

Por não gostar de esportes coletivos, trabalhos em grupo na escola e faculdade, e por não querer ficar dizendo o óbvio para as pessoas toda dia, do tipo “não coma vidro, senão você morre” eu percebi que não sirvo para liderar uma pequena empresa. Os problemas que trazem eu acho pequenos demais, as picuinhas, a falta de azeite na engrenagem e a falta de comprometimento pessoal com a empresa mesmo ganhando bem. E vou sair antes que comece a dar prejuízo real porque não quero queimar caixa de outro canto.

O resultado da eleição também não agradou nada. Nenhum amigo meu que é empresário, comerciante, empreendedor e quem trabalho no varejo não está nada animado, ninguém quer investir, ampliar, contratar, nada. Tá todo mundo esperando pra ver o que vai dar ano que vem pra frente. Eu não quero esperar. Nós tivemos a chance de seguir o caminho do progresso com uma boa equipe econômica mas agora vamos voltar 35 anos no tempo, quase no tabelamento de preços do supermercado da Era Sarney, a tristeza é real. Some a isso o peso do molho de chaves. É muita responsabilidade e muito risco que estou carregando, de todos os tipos.


Não sei eu já disse aqui, mas eu tenho um pequeno contrato numa empresa federal, via concurso público, esse eu já pedi licença por afastamento temporário sem remuneração pelos próximos dois anos, renováveis por mais dois. Assim vou ficar mais livre e dar mais atenção aos meus investimentos e às minhas decisões. Tomei muitas decisões cansado, cronicamente cansado por tantos compromissos e isso é ruim, foram ruins. Nunca tome uma decisão quando estiver cansado, triste ou nervoso. Eu acho que de certa forma eu já venci. Não digo que já vivo na Independência Financeira, mas vou fechar o ano em quase 6.7M de patrimônio, que se eu colocar para me pagar dividendos já vai me dar uma boa grana, pena que 80% disso está em imóveis, preciso aumentar a minha liquidez, mas com o aluguel da loja (15k + os 5,5k que já ganho) vai dar 20,5k de renda mensal (menos os impostos de PJ imobiliária - que eu ainda vou fazer). É muita coisa, é muito trabalho e sempre faço tudo sozinho.

Os próximos 48 meses marcarão o fim da minha caminhada FIRE. Meu ap está para começar a ser construído, enquanto isso vou juntando mais alguma coisa, correndo menos riscos e trabalhando menos, vivendo mais, cuidando da minha saúde física e mental, meu peso, etc etc… não adianta forçar a corrida para algo que será resolvido com o tempo. Vai dar para investir pelo menos mais 2,5M líquidos nesses próximos 48 meses, o que vou colocar em ETFs lá fora, Bitcoin, fiis, RF e ações aqui, seguindo o plano. Ao final dos 48 meses espero estar ganhando pelo menos uns 40k passivos e então me mudarei para minha cidade de origem, não vou morrer aqui no Norte, quero que o peso das minhas chaves seja mínimo, só a do carro e a da porta do ap, estará ótimo.

P.S.: A marca de roupa teve um mês bom, faturamos 60k em Outubro. Em Setembro tinha sido apenas 30k. É uma startup ainda.

É isso.

E vocês como estão? Blogosfera totalmente parada e eu tenho minha culpa. Próximo ano, com menos chaves, estarei mais presente.

Um abraço a todos,

Frugal

Comentários

  1. FS
    Interessante a estatística do molho das chaves. Talvez tenha realmente ligação.

    Acho difícil lhe dar com ser humano. Um dos grandes desafios dos empresários é montar uma boa equipe.

    Acho que vc, caso queira, pode continuar a empreender em algo que não lhe traga tanta dor de cabeça. Algo menor, para ser mais um hobby. Pelo menos, para mim, não me vejo completamente parado depois de atingir minha meta financeira.

    Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. opa CP, pois é, a questão é que a minha paciência meio que acabou de ter que lidar com pessoas. Eu prefiro seguir sozinho agora ou então tentar algo que não precise de ninguém. Empreender com loja é ter que lidar todos os dias com pessoas e isso pra mim foi bom no começo mas depois cansou. Abraço!

      Excluir
  2. Frugal, uma coisa que consigo notar nos seus relatos é o seguinte: Depois que você bebe água limpa, não consegue mais beber água suja. Ponto.

    A questão não é que empreender ou ter imóveis seja ruim, 99% dos ricos do Brasil tem o patrimônio nessa mesma composição. O problema é que você conheceu um caminho melhor. O caminho Fire, Mr Money Mustache etc.
    Ter patrimônio em ações, receber renda passiva, e cuidar da sua vida.

    Eu também já pensei sobre isso. Acho que nunca vou conseguir possuir um monte de imóveis ou terras igual os ricos da região, sendo que conheço um caminho melhor.

    Eu acredito que não conseguiria trabalhar que nem esses ricos da minha região trabalham, não cuidam da saúde, e vivendo um dia após o outro. Eu simplesmente conheço outro caminho.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vc está 100% correto peão. Nunca me estressei na bolsa e nem com investimentos nos mercados, pra mim é muito natural entender tudo, foi minha base. A economia presencial real é que é o caos.

      Excluir
  3. Que bom que você está voltando Frugal.. você e o VR foram grandes mestres para mim.. aguardo ansiosamente pelas movimentações financeiras do ano que vem.
    Eleições realmente foi um baque, não porque o Bolso era realmente bom, mas sim porque o PT é ruim demais para voltar, mas em fim, não tem muito o que a gente possa fazer nesse assunto..
    Já pensei muito em ser empreendedor, mas a população no geral realmente me desanima, muita gente preguiçosa e sem ambição... então por enquanto sigo solo nos investimentos...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Seguir solo é uma excelente opção Bruno, ainda mais com todo o retrocesso que virá nos próximos anos. O Brasil puxou o freio de mão de novo. Ano que vem vou continuar aportando mais forte no exterior e em bitcoin.

      Excluir
  4. Estimado Frugal, sempre bom ouvir(ler) suas palavras, percebo em cada linha o suor do brasileiro/empreendedor/criador de seu próprio destino a vontade de viver e fazer o melhor em sua história!

    Continue, apenas continue, você é foda!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu One! Vamos seguir em frente de qualquer jeito. Para quem quer vencer, os obstáculos são apenas obstáculos.

      Excluir
  5. Eu se fosse vender a franquia optaria por ficar com o ponto e alugar ele para alguém, pois funciona como uma reserva de valor em qualquer cenário econômico do país.

    Muito interessante essa questão do tamanho do molho de chaves, no final o que importa é levar uma vida leve.

    É bom que você tem a oportunidade de se permitir refletir sobre a vida com essa licença do concurso público. Aposto que daqui 4 anos você pensará muito diferente do que pensa hoje.

    É bom ter você de volta.

    Abraços,
    Pi

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu poupador! Ano que vem é mais qualidade de vida e menos preocupação mesmo. Eu já cheguei mais longe do que imaginei. Abraço!

      Excluir
  6. Vale muito a pena abrir um PJ para receber os pagamentos dos aluguéis. Procure um contador que não lhe explore. Eu pago 220 reais por mês de honorários na minha holding. A tributação cairá de 27,5% para menos de 10%. Além de ajudar muito na questão sucessória. O único problema é que no seu caso você já colocou os imóveis na sua PF. Vai ter que pagar o ITBI para a prefeitura do município quando for transferir os imóveis para a PJ. É a maneira que o poder público tem de mamar mais uma vez no nosso suado dinheiro. Mas no longo prazo certamente vale a pena.

    Abs, se precisar de alguma dica pode me chamar.

    https://aposentado39.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Opa aposentado, blz? é isso que vou ter que fazer mesmo. A sua holding é SA ou LTDA? Vc lembra qual o cnae certo? Eu vou passar esses itbis aos poucos. Daqui pro fim do ano que vem resolvo tudo, valeu pela ajuda, vou lhe add aqui.

      Excluir
    2. Fiz LTDA. Mas sugiro você gastar um pouco a mais e fazer SA. Até eu estou pensando em passar para SA. Pela fato de ficar anônimo na junta comercial e lhe proteger em uma eventual ação jurídica. Os 3 cnaes se não me engano são compra e venda de imóvel próprio, aluguel de imóveis próprios e gestão e administração de propriedade imobiliária. O que me deixa preocupado é o fato de o novo presidente perdulário entrar taxando os dividendos. Aí creio que a holding pode perder a sua vantagem econômica. Abs.

      Excluir
    3. Se precisar mais para a frente eu lhe mando os códigos dos cnaes.

      Excluir
    4. Eu estou esperando justamente essa definição da mudança tributária para apurar se valerá ou não a pena.

      Quanto ao ITBI, tem uma decisão do STF recente (de 2022) que definiu que a incidência de ITBI é só no casão de cessão, cisão, incorporação ou fusão, mas quando for "integralização" não, estou estudando a viabilidade

      Excluir
  7. essa estória do futebol me lembrou que eu costumo dizer que o perfil de uma pessoa jogando futebol é igual ao seu perfil profissional, tem aqueles que não querem saber de ajudar na marcação e só querem marcar gols, mesmo que seja apenas empurrar a bola para dentro sem goleiro. Tem aqueles que se um companheiro perde a bola num ataque promissor, já começam a reclamar e não voltam para recompor a defesa, tem aqueles muito participativos, mas que nunca arriscam uma jogada mais arriscada. rsrs... um esporte coletivo mostra muito como uma pessoa irá se comportar em um ambiente corporativo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É totalmente verdade, o esporte molda o resto das nossas vidas. Eu me esforçava por todos e nem sempre é o que a gente vê num time.

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A taxa segura de retirada e a sua aposentadoria

Primeiro mês da nova estratégia, aportes e saldo.

E cheguei a R$5.6M