Translate

terça-feira, 5 de novembro de 2019

A chegada ao quarto milhão de reais (ou quase um milhão de dólares).


Prezados amigos,

Cheguei ao quarto milhão em patrimônio.

Precisamente cheguei em R$ 4.016.000,00 hoje. Contando tudo a preço de custo de aquisição (imóveis, casa da loja e o valor gasto no investimento da loja (500k).

Esse post é longo, tente ler quando tiver calma, atenção, espaço e tempo.

Ainda me lembro de investir na bolsa e alugar todas as minhas ações na mão, coisa pra ganhar cinquenta centavos a dois reais em um dia, mas também me lembro sempre de ir pro shopping a pé (pra economizar o ônibus) e passar a tarde toda com apenas um sorvete casquinha do mcdonalds de R$1 e apenas ficar lá a tarde toda "só olhando" e voltar a pé pra casa.

Acho que não tem um dia que eu não passe sem sonhar com o meu futuro e "minha próxima vida" dentro dessa vida, e sem lembrar do meu passado, e até sentir um pouco de orgulho dele.

A pobreza da minha família e a destruição precoce dela, deixaram marcas indeléveis na minha alma, assim como a saída do meu pai da nossa casa, e dos irmãos cada um para um lado, como alguns sabem, numa família assim, após sua separação o padrão de vida cai muito pra todo mundo, imagina pra quem não poderia perder margem alguma.

O meu pai estudou até a terceira série do primário, no sertão do nordeste, ele é praticamente analfabeto. A minha mãe diz que terminou o segundo grau, mas a mãe dela (a minha avó) sempre disse que ela desistiu no primeiro ano, e a minha mãe não tem um diploma de segundo grau e nem o histórico escolar, ela diz que nunca foi buscar na escola, então eu não sei e ela fica irritada quando eu pergunto. Quase nunca eles trabalharam de carteira assinada. O meu pai quase sempre viveu de bicos, e a minha mãe só trabalhou algum tempo na vida como recepcionista/telefonista, hoje em dia parece que essa profissão de "telefonista" não existe mais. Meu pai teve três filhos com a minha mãe, eu sou o caçula e tenho mais dois irmãos (uma mulher mais velha e o do meio), depois que se separou, meu pai casou rapidamente e já tinha um filho com a mulher, depois teve mais dois com ela (totalizando seis filhos). A minha mãe, pelo que parece, não vai conseguir se aposentar nem pelo INSS, eu não sei bem essa parte, mas o meu irmão que entende mais, disse que ela perdeu um monte de papel e pelo tempo que falta lá, não dá tão cedo, não nessa vida.

Não diria que minha infância foi infeliz, ela foi feliz até um certo ponto, mas a partir de uns 8-9 anos quando a gente compreende melhor o mundo e começa a querer algumas coisas e passar necessidades reais, ficamos limitados pelas nossas circunstâncias.

Tudo que eu queria era inacessível. Tudo, até o básico era inacessível. Minha casa chegou a ter água e luz cortadas várias vezes, dezenas de vezes. A gente puxava um fio da casa de um vizinho e ligava uma luz de 40W no teto pendurada. Eu queria mandar uma carta pro meu pai (sim, carta) e penava pra comprar um sêlo nos Correios. A gente ligava do orelhão de ficha, trocava duas palavras ou três e acabava a ficha e consequentemente a ligação. A próxima ligação era com uns 15 dias, ele tinha se mudado pra outro estado do país. A gente nunca teve telefone fixo em casa, depois da ficha passamos pro cartão telefônico, e basicamente tinha um orelhão para metade do bairro, eu cheguei a pegar fila pra falar do orelhão de cartão, e como tudo no meu bairro, dava briga.

Certa época, depois de vários cortes de água e sem dinheiro pra pagar, a gente (eu) tive que fazer uma emenda no cano principal da rua (cavando a minha rua era de areia) [a primeira vez que eu fui morar numa rua que não era de areia eu já tinha 16 anos e já estava terminando o segundo grau] e um "T"com um cano de meia pra dentro do nosso terreno, esse cano desembocava dentro de um tambor de plástico (quando eu tirava a tampa) e a gente cobria o tambor com um tapume e alguns papelões (pra o pessoal da cia. de água não ver), do tambor, eu colocava uma bomba "sapo" que ficava submersa dentro do tambor, pendurada por uma corda numa ripa que se equilibrava acima do buraco, dessa bomba eu mandava a água para a nossa caixa dágua, eu descia a bomba com a corda, quando ela batia no fundo do tambor eu suspedia ela e amarrava a corda, ela não poderia tocar o fundo do tambor, ficava suspensa na água.

A equação era bem complicada: eu não podia deixar o tambor secar mais rápido do que a vazão de água da rua, senão a bomba queimava, e também não podia encher muito senão ia transbordar e virar um lamaçal e a lama iria contaminar o interior do tambor. Então era uma trabalheira doida de tampar cano, desligar bomba e esconder tudo se alguém chegar na rua.

Eu fazia tudo isso sozinho, isso eu tinha uns 11-14 anos, eu tinha conhecimentos rudimentares de pedreiro, eletricista, encanador, soldador (o meu avô era pedreiro autônomo também), eu rezava pra ninguém reclamar do barulho da bomba, a minha mãe estava dormindo (só morava eu e ela), e isso era sempre na madrugada, às vezes esse procedimento durava 3-4h, eu me molhava todo, a bomba só desligava quando eu puxava o plug do soquete da tomada.

A nossa casa não tinha muro, era uma casa de tijolo branco sem reboco por fora, que só fez eu e um pedreiro, era um quarto-cozinha-banheiro, com um pequeno quintal com uma pia externa e a caixa dágua acima da pia, a gente tinha uma cerca de pau com arame, bem espaçado e a porta da casa dava direto pra rua, só tinha esse cercadinho pra nos proteger e eu ainda tinha aula no dia seguinte pela manhã, dormia na aula e ainda era zuado por isso.

Nessa época, o café da manhã era leite de saco tipo "C", café preto bem diluído e ralo e pão com margarina vegetal, isso era o jantar também. Pro almoço, comemos muito arroz com tomate e ovo, ou "carne de lata", aquela que você abre a lata com uma chave que vem nela. Você abre a lata e coloca pra fritar na frigideira com um pouco de margarina, eu achava aquilo intragável, mas era o que tinha pra comer.

Quanto ao ovo eu também não gostava, eu fui gostar de ovo depois de adulto, e depois de "fazer as pazes com ele", eu achava que tinha estourado a minha cota de ovo da vida toda. O melhor almoço pra mim era arroz, carne moída com catchup e suco tipo Tang laranja ou Tang Uva. As frutas que davam pra comprar eram banana e melancia de vez em quando. O resto (manga, jambo e goiaba) a gente pegava na rua mesmo. Na minha casa a gente tinha pé de goiaba e abacate então a gente comeu muito deles dois. Eu tinha um amigo que sabia subir em coqueiro e tirar coco lá de cima, era assim que a gente tomava côco. Ele jogava lá de cima, se estourasse a gente bebia ali na hora imediatamente pra não perder a água, se não estourasse a gente levava pra casa.

A pobreza é a exata transformação física da ignorância e da falta de educação e informação. Eu estudei muitos anos na escola pública, até que ela era arrumadinha, tinha uma boa biblioteca e muitos livros para ler a vontade, eu sempre lia um, devolvia e imediatamente pegava um ou dois para levar, e assim ia lendo um atrás do outro, o ano todo.

Eu ia de ônibus coletivo para a escola desde muito novinho e sozinho até a parada e na volta pra casa, esse ônibus eu comecei a pegar sozinho e voltar, além de caminhar muito, eu devia ter uns sete, oito anos e ia só com um caderno fininho na mão e uma caneta bic azul, passava por debaixo da roleta para não pagar a passagem (nem dinheiro eu teria). A minha primeira passagem de ônibus que paguei eu já estava no primeiro ano do segundo grau (e não poderia deixar de pagar, pois a escola era CEFET e todo o mundo sabia que aquela farda ali era de segundo grau). Eu andei de ônibus até terminar a universidade, eu passei dezessete anos inteiros andando de ônibus coletivo. Eu sempre tive apenas uma farda, nunca nem mesmo tive duas camisas do colégio ao mesmo tempo, e eu achava coisa do outro mundo quando sabia que algum colega tinha duas camisas, a meia era a semana inteira (a mesma meia) e o tênis geralmente era um topper bem surrado, assim como a calça jeans.

Raramente eu tinha dinheiro pro lanche da escola. Eu comia a famosa merenda do colégio público, em prato de plástico e caneca de plástico. No máximo eu comprava um picolé de gêlo de 10 centavos, ou pedia um biscoito recheado Bono de alguém, goles de refrigerante... Comer uma coxinha com uma lata de guaraná no recreio do colégio era inacessível para mim.

No meu bairro de infância a gente tinha três atividades de lazer: jogar bola na rua de areia colocando tijolos para ser o gol (e contando 4 pés de um tijolo pro outro), ir pra missa e jogar video-game na game (espécie de lan-house antiga), tinha mega-drive, super-nintendo, playstation 1 e nintendo64. Em 90% das vezes eu não jogava com o meu dinheiro, mas sim quando alguém pagava a hora e me chamava pra jogar com o segundo controle, até que de tanto frequentar o lugar, o dono me perguntou se no horário da tarde e da noite eu não queria trabalhar lá.

                          
    O cenário do meu primeiro emprego era assim, só falta a freezer com os picolés. Eu cheguei a apanhar pq desliguei a TV dos marginais quando a hora tinha acabado.

Eu poderia jogar o quanto pudesse se tivesse uma TV vaga, e poderia comer uns picolés de gêlo que tinha lá pra vender, e ainda ganhava uns trocados que nem lembro quanto era. Essa "locadora" (era assim que a gente chamava) era um empreendimento feito na garagem da casa de um motorista de ônibus coletivo que rodava apenas dentro da minha cidade, eu era o funcionário dele, o único, e alternava com a mulher dele (que estava grávida ou cuidando de uma criança pequena). Ele trouxe uma sobrinha mais velha dele do interior e me substituiu, também eu apanhei lá e ficou difícil continuar (alguns moleques andavam com facas, estiletes e até revólver .22).

Depois de algum tempo eu arranjei o meu segundo emprego, eu já devia ter uns 11-12 anos, e foi de assistente de borracheiro. Eu trabalhava com um cara que fabricava sofás no quintal de casa. A gente saía de carroça pelos bairros juntando pneus velhos ou comprando, as ruas eram de areia e cheias de lama, às vezes eu ia sentado embaixo no eixo da carroça, de costas para o jumento, vendo a rua passando pelo meu lado, batendo meus pés nas lombadas ou molhando eles na lama.

                   
Repare no pequeno eixo entre as rodas, eu voltava sentado ali, porque muitas vezes em cima da carroça vinha com muito pneu, mas eu gostava de andar ali, era bem divertido, às vezes batia a cabeça no piso da carroça ou molhava os pés na lama.

Quando a gente chegava no quintal, cortávamos a borracha com uma faca bem afiada, fazíamos tiras bem longas com ela e íamos puxando. Com essas tiras a gente fazia todo o arcabouço do sofá e depois colocava o estofado por cima. O meu salário, esse eu lembro, eram exatamente R$2,50 por semana. Se vocês tentarem corrigir pela inflação, esse valor vai dar perto de R$10 reais, o ano era por ali entre 95-97. A minha mãe me deu dinheiro na mão umas 3-5x na vida, o meu pai até que deu algum, mas ele saiu de casa quando eu tinha oito anos de idade.

                         
No meu segundo emprego, era mais ou menos isso que a gente fazia depois de cortar os pneus, a gente colocava as tiras de borracha deles aí onde está na foto e também na parte das costas do sofá. O aspecto do sofá que a gente fazia era bem pior do que esse da foto. O da foto está chique, mas não achei nenhuma foto com um sofázinho à altura do nosso. A gente não podia tentar cortar um pneu que tinha um nome "radial" nele porque ele tinha um arame de metal dentro que nos cortava e não ia servir para o sofá.

Quando eu era criança, o sonho da minha vida era ter uma camisa do Vasco, daquelas que a gente chama de "oficial". Eu nunca tive. Depois de uns três anos pedindo essa camisa pro meu pai, ele comprou uma pra mim "do camelô", daquelas de 10 reais, com um tecido horrível, que suava e era meio quente, o patrocínio eu lembro até hoje, era Ace, um sabão em pó de caixinha que nem sei se existe mais hoje. Eu usava essa camisa até pra ir na festa da igreja e no shopping.

Outra coisa que eu sempre quis quando era criança era fazer natação. Eu nunca fiz. Não havia dinheiro para isso. Eu também queria fazer futebol de campo ou estudar inglês em alguma escolinha de inglês particular, e adivinhem? Pois é. Eu fiz judô porque um amigo me levou após insistir muito, me deu um kimono cru que ele tinha usado e comecei, as aulas eram em outro colégio público e o professor deixou eu me misturar com a turma do próprio colégio. Eu não gastava nada, eu cheguei na faixa roxa e ganhei muitas competições, até campeonato estadual e regional, mas dada toda a minha condição de vida, física e nutricional, não tinha como treinar nem competir em coisas mais importantes como um campeonato nacional.

Eu tive muitos problemas dentários, eu tinha muita cárie, muita dor de dente, eu não sei se sabia escovar direito, ou era pouco, ou se minha alimentação era péssima mesmo, eu rolava noites e noites na cama chorando sem saber o que fazer, passando água gelada, água da pia, colocando pasta de dente pura em cima.

Naquela época dentista público era muito inacessível, o privado era caro, mas sobrava uns privados bem ruins, que acho que nem eram dentistas, eu fui lá umas 4x, o procedimento era um só, extração, era muita dor e sangue. Até hoje eu tenho medo de dentista, e fico taquicárdico só em sentar numa cadeira de dentista. Da última vez que fui em uma aqui, chorei ao final, só com a lembrança de todas as dores que eu passei na vida. Eu acho que foi por causa das minhas questões dentárias que conheci o que se chama por "desespero". Noutra época, um pouco mais a frente, eu caí no colégio, quebrando um dos meus dentes centrais superiores, esse dente ficou quebrado por muito tempo, isso me fez sofrer bastante e me deixou cada vez mais tímido e retraído.

Na adolescência eu era o que se poderia esperar, baixo, magro, desnutrido, com dente quebrado, cariado, retraído, tímido e sem nenhuma habilidade em absolutamente nada. Da adolescência até o início da idade adulta atravessei um deserto sexual praticamente absoluto, coisa que na minha época era bem comum (não sei como está hoje em dia para a molecada). Eu levava foras homéricos na escola, passei muita tristeza e humilhação nas questões amorosas.

Os primeiros beijos e as primeiras experiências sexuais foram com as amigas e conhecidas da rua e do bairro, gente que tinha crescido comigo e que eu eu conhecia desde que me entendia por gente, mas obviamente não eram grandes coisas, assim como eu era na época. A minha primeira namorada séria, legal e bonita eu já tinha uns 20 anos de idade e estava lá pro segundo ou terceiro ano da faculdade.

Meus amigos dessa época, tenho contato com muito poucos, estão em posições bem baixas na vida, o resto se perdeu na vida ou ninguém sabe onde tá, trabalhando no comércio, alguns andando de ônibus até hoje, ou com um carrinho bem velho de 10k e sem dinheiro pra gasolina. Um dos meus melhores amigos da época da locadora, da última vez que eu tive notícia (lá pra 2003) tinha sido preso pela PM roubando toca-CD de carro estacionado.

As meninas engravidaram cedo e casaram com um qualquer e ainda moram por lá, no mesmo bairro ou em outro bairro igualmente péssimo, sem estrutura e violento. Uma minoria absoluta conseguiu chegar na faculdade pública, em cursos sem expressão alguma, como Serviço Social, Letras Português ou Geografia, esses os que eram muito dedicados.

Eu sou muito agradecido por tudo o que passei na vida, pelo caráter que me formei, pelas agruras que passei, sem tudo isso que contei aqui (não dá pra contar muitas outras coisas devido ao espaço) é que eu sou o que eu sou, é que me encontrei e encontrei o meu destino, o que me tornei e o que nasci para ser. Não é que se tenha que alegrar ou sofrer com o passado, mas um passado de sofrimento e escassez é muito difícil de esquecer sem sentir uma coisa muito estranha por dentro, às vezes tudo que eu queria era poder voltar pro passado e poder ajudar o meu eu mais novo com algum dinheiro, um presente ou uma conversa.

Foi extremamente difícil e trabalhoso passar por muita coisa sem um guia, um mentor, dinheiro, exemplos próximos ou sei lá algo que tenha tido o mínimo de sucesso para me guiar. Eis que por isso eu quis fazer esse blog, pra tentar ajudar um mínimo que seja quem se encontra numa situação de penúria ou desespero. Eu não sei como eu dei certo na vida quando todas as chances estavam contra mim.

Teve um dia que depois de muito penar em matemática pra passar no colégio (eu estava na quinta série) um coleguinha me levou pra casa dele para estudar, eu nunca vou esquecer desse dia, eu estava em recuperação praticamente reprovado (naquela época o meu colégio público reprovava mesmo, e tinha até dois alunos reprovados na minha sala), era sem choro nem vela, e por causa de uma matéria a gente repetia o ano todo, todas as matérias.

Primeiramente o pai dele (que era militar aposentado da aeronautica) acho que cabo ou sargento, foi pegar a gente de carro (foi a primeira vez que saí da escola em um carro), nos levou pra casa dele, tinha um quadro branco na garagem da casa dele e uma mesinha, ele deu aula pra gente de toda a matéria da prova, na sexta, no sábado e no domingo, resolvemos centenas de pequenos exercícios e contas, esse pai dele dizia que era bom em matemática e pra ele devia ser mais simples do que pra gente, eu aprendi direitinho a matéria e passei na prova.

Depois disso descobri que esse meu amigo (ele nem tinha ficado na recuperação) ele já tinha passado, ele estava ali comigo simplesmente porque viu o meu desespero e resolveu ajudar, sem falar, pra melhorar, a gente ainda ganhou lanche durante os estudos, torrada de queijo e suco de laranja (algo inédito para mim) - ganhar um lanche durante os estudos e pra fechar com chave de ouro - ele ainda tinha um super nintendo que a gente jogou uns jogos de avião de caça já a noite. Foi a primeira vez que eu vi um vídeo-game fora da locadora, na casa de alguém. Esse era o meu amigo mais rico até aquela data, e o bairro que ele morava era 10x melhor que o meu, do outro lado da cidade e com rua calçada. Esse fim de semana eu sempre vou lembrar.

Eu fiquei pensando por muito tempo: "caramba, como deve ser bom ter um pai em casa, que ensina, tem um quadro e ainda faz lanche... se eu tivesse uma oportunidade assim com certeza seria um aluno muito melhor, ia passar de ano folgado e quem sabe tirar as maiores notas da escola" o que descobri depois que era exatamente o caso dele, mas tudo bem.

E agora voltando ao post, eu não sei bem o que dizer para vocês nesse momento. Essa semana foi muito nostálgica pra mim por tudo o que vivi. A chegada ao quarto milhão me emocionou um pouco, porque muitas vezes, na minha solidão e na minha vida cheia de privações eu me perguntava se um dia eu ia ser feliz, se um dia eu ia ter o básico, se eu ia ter uma namorada bonita, se eu ia ter um bom emprego e vencer na vida.

E hoje, dirigindo as intermináveis horas, eu senti uma sensação de alívio danada, eu lembrei de meu passado, de tanta coisa que passei e me veio uma grande sensação de alívio e dever cumprido, de ter vencido na vida e hoje ser o que eu sou. Eu nasci num lugar e numa família que tinha TUDO pra dar errado, todo um contexto desfavorável, problemas em casa com álcool, desemprego, violência, infidelidade conjugal (do meu pai) e mesmo assim consegui encontrar meu lugar no mundo. Também lembrei de uma grande amiga minha, que foi embora desse mundo por escolha própria, há alguns anos atrás, e que muito me aconselhou em várias questões, além de dar exemplo prático de vida, determinação e disciplina, eu acho que ela estaria bem orgulhosa de mim nesse momento.

Enfim, onde está então o segredo?

O segredo de vencer na vida? De ter muito dinheiro? De ser uma boa pessoa, um bom profissional, um bom familiar?

Onde eu guardei esse segredo?

No desejo ter uma vida melhor. No desejo da minha "próxima vida" ainda dentro desta. Se você não tiver um desejo muito forte que te faz pular da cama e enfrentar o dia, mesmo com fome, mesmo morando longe, mesmo tomando banho gelado as 05:30 da manhã porque nunca teve um chuveiro elétrico em casa, mesmo saindo de casa em jejum todo dia, porque ali nem tinha café da manhã e só iria comer as 09:30, se você não tiver essa vontade dentro de você, pulsante, batendo mais forte do que o seu coração, eu não sei se você vai conseguir. Um homem sem vontade não vai resultar em nada.

No desejo de descobrir o que se passa no mundo, na vontade de superar a pobreza e de nunca mais voltar para ela, seja a pobreza material, espiritual, intelectual, mental, pobreza de laços familiares e de significado na vida, pobreza de sonhar, de desistir antes da hora, de jogar a toalha, de desistir de viver, de se contentar com o muito pouco, na imensa vontade de tomar a minha vida e o meu destino em minhas mãos e vencer com os meus meios, sem precisar fazer nada ilegal ou derrubar ninguém e tampouco culpar terceiros pela minha situação de vida. Eu queria superar o meu bairro, eu queria muito uma vida melhor, uma namorada bonita, um carro, sem tristeza, sem fome e sem desesperança.

Eu venci a pobreza. Eu venci o meu destino. Eu estou vencendo na vida.

Obrigado a todos os entraves e a todas as pessoas que de alguma forma contribuíram bem ou mal para eu estar aqui. Sem tudo isso, eu não seria o que sou hoje.

Acho que é isso amigos,
Um grande abraço a todos,
Frugal.

89 comentários:

  1. Que post sensacional.

    Parabéns frugal. Inspirador.

    Conhecendo sua história vejo que minha situação nem é tão delicada assim, e ler seu texto agora peloa manhã, fez-me um vem danado e renovou meu ânimo. Muito obrigado.

    Um dia espero fazer um texto semelhante.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado RW!
      Tudo bem. Cada pessoa vive a sua história pessoal mesmo.
      Anime-se sempre, pra quem tem saúde, onde comer e dormir, sempre dá pra recomeçar, muita coisa é possível de se atingir. Não precisamos de muito além disso, de verdade!
      Abraço!

      Excluir
  2. Que história inspirada. Os 5M vão ser realidade! Salvei para ler novamente.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obg Engenheiro!
      Tomara que sim, e com muitas outras conquistas simultâneas!
      Um abraço!

      Excluir
  3. Parabéns por conseguir chegar financeiramente onde você queria, Frugal Simples.

    A sua história de vida é muito difícil, e você conseguiu por méritos próprios, e de quem o apoiou ao longo da sua trajetória, driblar e superar os diversos obstáculos que a vida te impôs.

    Um abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado amigo!
      Ainda não cheguei onde eu queria, mas estou em mais da metade, a primeira foi difícil e demorada, está está sendo muito tumultuada, mas chegará de algum jeito.
      Abraço!

      Excluir
  4. Frugal, conheço seu blog desde seu começo e venho acompanhando sua trajetória.

    Reforço tudo que já falei: vc tem uma grande história de vida! Tudo o que vc conseguiu veio de seu próprio esforço e suas conquistas servem de inspiração para quem acredita que não possuem capacidade de crescer.

    Ao mesmo tempo, é um tapa na cara aos derrotistas, que vivem reclamando de tudo e colocando em todos a responsabilidade por continuar tendo sua vida miserável.

    Que sua influência se espalhe entre as pessoas e torne o país melhor!

    Agora um pitaco: já dá para desacelerar, meu amigo! Não dance tão rápido. Pense nisso! A vida é curta. Ouça a música antes que ela acabe.

    Abraço e contínuo sucesso!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Grande André, um dos titans da blogosfera, obrigado pelas palavras amigo.
      Eu já desacelerei um pouco, os ultimos 2 anos foram muito intensos.
      Os próximos 24 meses são para manter o curso, acelerar de vez em quando e também pegar umas "banguelas".
      Nos últimos 24 meses eu estava subindo uma ladeira, com uma carga pesada e quase que não saí do canto. Espero que sejam assim mesmo bem diferentes.

      Eu nunca tive tempo para ser derrotista, eu acho que nem sabia que era possível ficar reclamando num contexto tão miserável, tudo era tão urgente, extremo e necessário que a gente vivia um dia após o outro mesmo, toda a nossa reserva era pra um dia ou dois, então a gente tinha que se mexer pra sempre pegar alguma coisa pra depois.

      Muito legal essa frase da música, é muito verdade esse fato da vida.
      Um abraço!

      Excluir
  5. Venho ao seu blog constantemente, religiosamente. O post da matrix me marcou muito, e digo com absoluta certeza, que este post de agora me marcou profundamente.
    Ter levado pancada atrás de pancada, e ainda assim ter se tornado um gigante.
    Com muita sinceridade digo que sou uma grande admiradora. E também desejo que vc chegue a muitos milhões a mais.
    Em muitos momentos passados eu recorri ao seu blog, pois as palavras me davam força. Viver não é fácil. É uma batalha dura.
    Olhar no espelho e enxergar ali quem pode te levar pro buraco ou alcançar alguma vitória na vida: vc mesmo.
    Que vc tenha mais sucesso ainda!
    Se nao for "pedir muito", por favor, não pare com o blog quando chegar ao porto desejado :).
    Muitas felicidades
    (vou enviar e-mail)
    Lil@

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Lila! tudo bem!
      Vc é uma leitora querida já.
      Não vou parar, eu nunca pensei em parar, o assunto finanças uma hora esgota mesmo pq a ciência é limitada mesmo, mas pra falar sobre a vida, as coisas e as nossas jornadas, isso nunca terá um fim.
      Um abraço!

      Excluir
  6. Passei a admirá-lo ainda mais... Parabéns!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado West!
      Espero poder contribuir de alguma forma.

      Excluir
  7. Texto foda! Sem mais.

    Tbm cresci em uma família de pais divorciados, e a figura paterna caiu um meu avô, eu tinha 10 anos, realmente é muito doloroso.

    Parabéns Frugal!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É meu amigo, só sabe quem passa.
      Obrigado pelas palavras.
      Um abraço!

      Excluir
  8. Olá Frugal!

    Fantástica a sua história, realmente fantástica!! Eu tive várias adversidades na minha infância, mas você teve muito mais.

    Parabéns por ter chegado onde está hoje! Com certeza você é uma pessoa com um enorme diferencial por conseguir mudar o rumo da sua vida como você mudou! Te admiro muito!!

    Seria uma honra poder contar um pouco da sua história lá no Foco no Milhão em uma série sobre pessoas que atingiram seu primeiro milhão. Gostaria de participar? Se sim, me envia um e-mail para foconomilhao@gmail.com que lhe passo as perguntas-guia.

    Mais uma vez, parabéns!!!

    Abraços e sucesso!!
    Foco no Milhão
    foconomilhao.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá FM, obrigado pelas palavras!
      Pode contar sim, tudo bem.
      Vc pode mandar o email para frugalsimple@gmail.com é meu email do blog, mas quando mandar me avisa aqui nos comentários pq eu assinei tudo que é lista de mailing de coisas de finanças por lá então são muitos emails diários que recebo.

      Um abraço!

      Excluir
    2. Enviei o e-mail.

      Desde já agradeço :D

      Abraços e sucesso!
      Foco no Milhão!

      Excluir
  9. Olá, FS.

    Parabéns pelos 4M.
    Cara, eu tive uma vida com muitas privações. De família pobre e tal. Era muito difícil, mas em comparação com a sua era muito boa. A família é estruturada e isso ajudou muito na minha formação.

    Você merece tudo de bom. Você lutou e está lutando para ter uma vida melhor. Parabéns!
    E quanto a seus irmãos. Eles estão bem como você?

    Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu Cowboy!

      O dificil mesmo foi somar a pobreza com a separação quase que total da família.
      Se fosse só uma coisa ou a outra, talvez tivesse sido menos ruim, mas era o que aconteceu, a gente é totalmente sujeito das circunstâncias quando somos crianças e somos jogados prum lado e para outro, sem direito nenhum de escolha, de opinar ou querer algo. Criança é uma coisa extremamente vulnerável, demais, e muitas, muitas vezes sofre bastante por causa das escolhas dos adultos.

      Eles estão bem sim, nós temos um padrão de vida muito parecido, embora eu ganhe muito mais, mas eles estão casados, com um filho cada um, trabalhando, nós três ainda ajudamos nossos pais com tudo que podemos (aluguel, contas, alimentos, planos de saúde) e nos vemos umas 3x por ano. Cada um mora numa região do Brasil e acho muito difícil que a gente um dia volte a morar no mesmo lugar, um é concursado e a outra tem um pequeno comércio que só dá certo onde ela mora, então já jogaram as âncoras onde estão. O unico que quer voltar pra nossa cidade sou eu, acho que as lembranças do passado os assustaram de lá e eles acabam colocando a culpa na cidade também, o que eu não acho que seja adequado, a cidade não teve culpa nenhuma do nosso contexto.

      Um abraço!

      Excluir
    2. Olá, frugal,
      Como o cowboy, fiquei muito curiosa em saber como estava a sua família. Que bom que está tudo bem!

      Excluir
  10. Frugal, parabéns por esta historia de superação! Te admiro ainda mais depois deste texto! Muitas felicidades pra ti, saboreie o que você conquistou!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá IM, obrigado pelas palavras.
      Hoje em dia eu estou em paz (não pelo dinheiro), mas por ter melhorado um pouco o meu padrão de vida e ter todas essas coisas na memória. Eu me sinto com uma missão cumprida, sinto que parece que voltei de uma guerra, venci, e estou na minha casa de campo contemplando as montanhas e fazendo as minhas pequenas coisas que eu sempre quis fazer e nunca pude pq estava muito ocupado tentando apenas sobreviver. Hoje gosto de todas as minhas pequenas coisas, eletros, meus dois cachorros, meu carro, ficar dentro do meu ap mesmo, lendo meu kindle, fazendo uma refeição pra minha companheira ou pedindo um delivery, isso é que é vida. Não precisamos de muita coisa pra ser feliz, de fato. Um abraço!

      Excluir
  11. C A R A M B A ! Quantas dessas coisas eu vivi também. Cara preciso ler o seu post mais umas 5 vezes para poder comentar do jeito que eu quero. Só me resta no momento dizer: Meus parabéns, mais que merecido !

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tudo bem meu amigo. Foi uma verdadeira viagem no tempo, desenterrei coisa de mais de 25 anos atrás. O tempo implacável já passou mesmo e já mudou muito as nossas vidas. Um abraço!

      Excluir
  12. Frugal, li seu texto todo, e me emocionei diversas vezes. Você é um vencedor. Quem lê seus posts, não faz ideia do quanto a sua vida foi difícil, pois você não é um reclamão, não se faz de vítima, não coloca a culpa nos outros. Acompanho seu blog há muitos anos, e o post de hoje só me faz ter a certeza de que você é uma grande pessoa, com uma alma grande. Parabéns pela sua trajetória. Yuka.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado pelas palavras Yuka.
      É muito bom poder contribuir com alguma coisa. Eu sinto essa vontade de ajudar quem mais precisa por causa disso, e acho que o blog possa estar ajudando de alguma forma.

      Na minha época era muito difícil a gente ter uma fonte de texto de qualquer maneira, a gente não tinha livros, revistas, jornais, internet, nada. Era apenas a TV globo e o SBT. Eu lia livros que a escola disponibilizava, e até depois, mais tarde, era difícil arrumar livros pra estudar do colégio. Imagina achar um texto como esse naquela época, como? Não tinha em lugar algum.

      Meu primeiro PC de mesa qnd eu ganhei já tinha 18 anos de idade e estava na faculdade, assim como meu primeiro celular, com isso veio a internet pelo PC, aquela discada mesmo, o mundo mudou bastante.

      Hoje em dia, quem já nasceu na era da internet não vai fazer idéia do que estou falando, na época da era pré-Cadê, e pré-Google. As nossas fontes para estudar eram caras e inacessíveis. Eu ficava feliz quando ia na casa de alguém e saía com um livro de física, geografia ou inglês, aquilo era ouro!

      Um abraço!

      Excluir
  13. Crl post destruidor, parabéns pela trajetória meu brother.

    ResponderExcluir
  14. .."se você não tiver essa vontade dentro de você, pulsante, batendo mais forte do que o seu coração, eu não sei se você vai conseguir. Um homem sem vontade não vai resultar em nada." a ultima frase é filosófica.
    Eu tive uma vida similar, diferenciamo-nos no quesito financeiro rsrs.
    Belo exemplo, a historia foi pesada, mas superastes ! Parabéns!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Cleber, tudo bem, cada pessoa tem a sua história.
      Às vezes o pouco pra gente é muito pra outra pessoa.
      Imagina como um venezuelano refugiado aqui no BR vê a gente hoje. Aqui a cidade tá lotada, e tem muitas crianças, dá muita pena delas.

      E vc ainda pode virar o jogo sim.
      um abraço!

      Excluir
  15. Que Post inspirador Frugal.

    Triste por um lado e bem motivador por outro lado.

    Vc tem algum numero magico? Aquele numero que vai te fazer tirar o pé do acelerador e viver como muitos gostariam, mas poucos realmente vivem.

    viva a liberdade financeira!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Kspov, esse número já se alterou bastante.
      O primeiro seria 2,4M.
      Depois passei pra 3,5M.
      E agora acho que é 6M.

      Na verdade o que eu queria mesmo eram 20 salários passivos mensais, e pela TSR o montante daria 100% = 6M.

      Mas como eu concentrei muito em imóveis e muitos não geram renda ainda vou ver como fazer, se passo um pouco do número mágico com fiis e ações ou se vendo os imóveis e invisto o dinheiro. Vamos ver. A casa da loja pega pelo menos 10k de aluguel tranquilamente (no caso da loja falir ou se mudar) e então se eu ganhar mais 10k por fora estarei no número mágico. Eu diria que estou em 66% da estrada, e que nos próximos 2-3 anos eu fecho os 33% que faltam, tomara que dê tudo certo.

      Excluir
  16. Meus parabéns pela sua vitória!!!! Você é um exemplo a ser seguido!!! GUERREIRO!!!

    ResponderExcluir
  17. Me emocionei com esse texto, parabens pela conquista... Voce com certeza me inspira!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É muito gratificante poder saber disso anon.
      Boa sorte em sua jornada também.

      Excluir
  18. Sua autobiografia comentada pode dar um livro e tanto. Superar a pobreza quase que extrema não é pra qualquer um. Parabens pela trajetória pela determinação e por compartilhar toda essa experiencia até porque funciona como se estivesse se olhando num espelho e conversando com voce mesmo e sua alma.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É um tipo de exercício que faz a gente ficar de bem conosco e a fazer as pazes com nosso passado e com todas as pessoas que passaram nele Marcos. Pelo menos foi assim comigo. As pessoas poderiam quem sabe tentar fazer algo parecido também e colocar num papel. Um abraço!

      Excluir
  19. Obrigado por compartilhar sua historia Frugal! Prova de persistencia e determinacao.
    Parabens e que venham os R$5M!
    Abs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu EI!
      Quem sabe daqui pro fim de 2020 eu chego lá né?
      Tenho ainda que quitar esses dois terrenos. Um termino já em Fevereiro e o outro é mais demorado, porque é muito grande, acho que vai dar pra vender ele por um valor bem superior um dia não muito distante.

      Abraço!

      Excluir
  20. É, meu amigo, a IF chegou ! E agora ? Parabéns !

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Vagabundo, tudo bom?

      Olha ainda não cheguei na linha final, mas acho que está perto sim, nos próximos 36 meses espero finalizar. Depois vou diminuir muito a minha carga horária, voltar pra minha cidade, ou vou pra Portugal, tudo vai depender do Brasil, o que me deixa chateado aqui é a violência, que está em níveis muito altos. Eu acho que ali na década de 90 era melhor. Se voltasse pro nível da década de 90 acho que já estava ótimo, ou isso é impressão minha?
      Abraço!

      Excluir
  21. Muito bom o texto. Legal compartilhar a sua história de vida. Tua trajetória é muito bonita e inspiradora! Parabéns!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá CA, obrigado.
      Essa minha trajetória é a vida de todo um Brasil que não fala, não tem voz e nem vez, é muita gente de verdade, morar na periferia de uma região metropolitana é uma experiência muito intensa, ainda mais com muita dificuldade. Todo esse pessoal era/é abandonado a si mesmo na grande maioria dos casos. Abraço.

      Excluir
  22. Frugal, meus parabéns!

    Seu exemplo de vida é impressionante. Prova cabal de que mesmo nascendo em família pobre e passando enormes dificuldades, das mais diversas ordens, durante a vida, é possível vencer na vida sem partir para a criminalidade. Muitos, em seu lugar, não teriam pensando duas vezes...

    A passagem que mais me marcou foi sobre o seu colega de classe que te ajudou a não reprovar. Ainda mantém contato com ele? O que ele fez também foi digno de nota, pois percebendo sua necessidade, estendeu a mão, não esperando nada em troca. Sem dúvida, uma boa alma, coisa tão escassa nos dias de hoje.

    Seu testemunho é tão poderoso que pergunto: poderia transcrevê-lo, ipsis litteris no meu blog (www.menteinvestidora.org) com o devido crédito? Acho que a comunidade da Firesfera poderia fazer o mesmo, pois terá um grande efeito para quem está iniciando agora. É uma opinião.

    Abraço de alguém que gostaria muito de te conhecer pessoalmente para te ouvir por horas seguidas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Opa amigo. Eu tive contato com ele só até aquele ano, depois ele mudou de colégio. Ele passou no vestibular pra engenharia civil na época, e depois não sei mais, já tentei procurar ele no facebook e instagram mas não achei ninguém. Você pode copiar e colar sim, tudo bem.

      Um dia quem sabe né? Já vejo muita gente falar sobre isso em outros blogs e quem sabe a gente possa fazer um encontro dos blogueiros. Um abraço!

      Excluir
    2. Repliquei o seu texto em https://www.menteinvestidora.org/2019/11/leia-este-testemunho-de-vida-de-um-fire.html com o devido crédito.

      Que sua história seja motivo de inspiração para muitos.

      Sucesso!

      Abraço.

      Excluir
  23. ESTOU MUITO EMOCIONADO, já passei por inúmeras dificuldades como a perda do meu pai aos 14, acidente q deixou minha irmã numa cadeira de rodas 3 anos depois, 2 falências aos 21 e aos 24... pqp, que lição de vida e que INSPIRADOR, Frugal; você tem exatamente a vida que merece e vai conquistar muito mais!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá STOP, eu sei que a vida é difícil e que todos nós passamos por muita coisa, cada um do seu jeito e com seus desafios. Uma pena o seu pai ter partido tão cedo também pra vc. Muito obrigado pelo coment.

      Excluir
    2. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
  24. Olá amigos da blogosfera, fiquei muito surpreendido com a reação de vocês.

    A blogosfera é um lugar realmente muito diferenciado. Não é fácil escrever textos assim, estava bem tarde e eu estava com sono e meio cansado, mas não consegui parar de escrever, eu precisava fazer isso, coisas que nunca contei nem pros meus amigos mais próximos. Vocês são excelentes pessoas também. Talvez tenho ficado muito triste o relato, mas não foi a minha intenção, assim como também não aumentei nada, teve a parte mais alegre também, os passeios de bicicleta, as idas para a praia no fds, as brincadeiras de rua, os banhos de chuva, as coisas de criança, brincadeira de soltar pipa (papagaio) e roladeira (lata de leite ninho com barbante atravessando por furos e puxando na mão, brincar com pneu de bicicleta empurrando com um pau, e as longas conversas nas calçadas depois do fim da tarde até tarde da noite.

    Apesar da escassez material a gente era bem unido, a turma que morava nas mesmas 3-4 quadras, a gente jogava bola toda semana umas duas vezes, alguns tinham cachorros que a gente passeava, eu também tive um cachorro, um vira lata que adotei já adulto e escutávamos som na casa de alguém quando dava, trocando fitas e também cds (pra quem tinha som que tocava CD).

    Vou responder um a um na medida que for dando aqui.
    Um grande abraço a todos. Vocês são demais!

    ResponderExcluir
  25. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  26. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  27. rugal, boa noite.

    Seu texto me emocionou bastante. Pela sua história de superação, por onde você está e com ganas de continuar crescendo, e particularmente por ter visualizado a mim mesmo em uma boa parte desses seus "momentos", pois tenho uma origem bem parecida com a sua.

    Obrigado, cara. Por nos fazer refletir sobre muitas coisas ao longo do tempo que você mantém este blog ativo, e especial pra mim por me permitir enxergar uma boa parte de mim mesmo num texto tão profundo e belo. Você merece tudo isso, meu camarada.

    Um texto sublime, pra emoldurar e ler mais de uma vez com certeza pelo exemplo de superação.

    Um grande abraço,
    Ceariba.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Ceariba, que bom que vc gostou do texto.
      Acho que boa parte dos brasileiros da minha geração passaram por coisas bem parecidas pois o Brasil era um país bem mais pobre e caótico do que é hoje. As mudanças são tão pequenas e constantes que no espaço de duas décadas as pessoas tendem a esquecer como era isso aqui.

      Abraço!

      Excluir
  28. Boa noite, frugal. Sigo esse blog há tempos. Entretanto não sou o tipo de pessoa que faz comentários. Acredito que não haja muito o que dizer aqui se não, parabéns. Parabéns não pelos 4 milhões. De tudo da história isso é o menos louvável. A sua percepção desses eventos e a trajetória são fantásticas. Conheci diversas pessoas em situações melhores que as suas iniciais e que não tiveram um desfecho tão vitorioso, não só financeiramente, mas principalmente, humanamente.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Max.
      Eu acho que o fato de ser um leitor muito voraz me ajudou muito.
      Eu não sei se deu pra perceber no texto, mas meu refúgio quase sempre foram os livros, acho que eles me salvaram.
      Um abraço!

      Excluir
  29. Como é bom ler um texto assim... me emocionou demais Frugal... parabéns por essa superação e por mostrar para todos os leitores do blog que é possível conquistar aquilo que buscamos! Continue sendo essa pessoa inspiradora!
    Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado PP.
      Se alguém teve dúvidas um dia, agora está respondido.
      Abraço!

      Excluir
  30. Frugal,

    Um post inspirador. Você é um grande exemplo para todos da finasfera.

    Seu blog fará parte do especial de final de ano que vou postar no meu blog. Eu estava em dúvida de qual dos seus posts escolheria, mas agora encontrei.

    Parabéns por tudo o que conquistou na vida. :)

    simplicidadeeharmonia.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Rosana!
      Legal vc ter migrado o seu blog para .com, vou atualizar aqui.
      Obrigado pela escolha da postagem. Eu vim de dois anos muito atribulados e confesso que caiu a qualidade por aqui, mas vou tentar melhorar.
      Um abraço!

      Excluir
  31. Ótimo relato de uma grande história de vida, de superação. Obrigado por partilhar!

    ResponderExcluir
  32. Que relato, Frugal!
    Faz muito, muito tempo que sou leitora daqui, sempre gostei da forma como você escreve, mas esta postagem chega deu um "nó" na garganta. Fiquei emocionada e muito orgulhosa da pessoa que você se tornou, um vencedor.
    Meus parabéns, pra mim é uma honra te acompanhar por aqui.
    Abs!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado cz!
      é o tipo de postagem que é difícil de fazer mas tem que sair de vez em quando, é uma forma de ficar em dia comigo mesmo.
      Um abraço.

      Excluir
  33. excelente texto! Estou investindo em um negócio e assumindo uma dívida que no meu entender é pesada, quando me sinto meio cansado ou frustrado, venho aqui e leio alguns posts. Parabéns viu!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Siga firme rodrigo! Venda muito! Leia muitos livros de venda, e pense em vender muito pro seu negócio prosperar, é o básico do básico. Foque muito em vender e a ter um atendimento muito bom, cada cliente é muito importante. Monte uma equipe com pessoas que se mostrarem comprometidas.

      Eu errei no começo pq investi muito em mkt, e não deu resultado algum.
      Depois que virei a chave e comecei a investir apenas nas pessoas da equipe a coisa melhorou, mkt não traz cliente pra marca que tá começando.

      Abraço!

      Excluir
  34. Caro Frugal,

    Lendo seu post, tenho algumas coisas pra te falar. Primeiro, parabéns pelo sucesso e cujo único responsável é VOCÊ. Poderia estar hoje preso, mas está rico financeiramente e mentalmente.

    É no calor do fogo que separa o ouro das impurezas, assim foi sua vida e a de muitos que conheço.

    Eu vi meus pais falirem e tinha medo de faltar comida lá em casa, mas graças a Deus isso nunca aconteceu. Descobri já depois dos 30 anos que meu pai pegou dinheiro com um agiota, para comprar livros meus quando eu estava na faculdade. Frugal, quando soube disso eu falei para mim mesmo: "nunca vou passar por isso". Vi meu pai falar em suicídio, com lágrimas nos olhos, aos 13 anos de idade, pelo desespero de estar perdendo todo nosso patrimônio.

    A tragédia pode nos levar para um lado muito ruim, ou muito bom: basta ver seu caso. Mas, o que determina para qual lado se vai? Te respondo: princípios, valores, educação que não depende de classe social, honestidade. Se isso não é passado a você, o caminho do inferno logo te engole.

    Vejo, todos os dias, ao meu redor gente reclamando da vida e de problemas financeiros - gente que faz "zero" de esforço para mudar de vida. Meu maior problema financeiro hoje é saber onde vou aplicar meu dinheiro! Olhe só como eu e você estamos confortáveis. Acho que o domínio da língua inglesa, para mim, foi fundamental no meu sucesso também.

    Certa vez, um amigo meu de origem pobre (hoje, rico também) me viu na faculdade lendo um livro em português. Segue o diálogo:
    - "HM, você fala inglês?"
    - "Sim!"
    - "Por quê tá lendo livro em Português? São cheios de erros de tradução".
    - "Ler em inglês é mais difícil...""
    - "Como assim? Eu, que sou fudido, leio traduzindo com o dicionário do lado, por que você que fala inglês vai ler em português? Estudou inglês para que então?".

    Foi um "click", um tapa de luva. A partir daí, todos meus livros comprados (90%) eram em inglês e alguns em espanhol (até espanhol aprendi muita coisa sozinho). Eu aprendi a procurar pessoas que me levem para cima, para ser sempre melhor do que eu sou. Minha esposa foi uma benção na minha vida. E como sempre, acabei de ter idéia de um post com este nosso papo aqui.

    Vou citar para você uma frase que vi, numa sala de aula, num batalhão de infantaria do Exército Brasileiro em 1989, quando fiz prova para a AMAN: "O dia é curto, a tarefa é árdua, mas nem por isso estamos impedidos de realizá-la".

    Frugal, "a vida é curta, a tarefa é árdua, mas nem por isso pessoas determinadas como você, estão impedidas de vencer". FORTIS FORTUNA ADIUVAT!!!




    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Grande HM! Legal ver vc aqui!
      Eu comecei a estudar inglês quando foi na época do vestibular, antes eu tinha tido quase nada. Na parte objetiva da prova eu lembro de ter feito uns 70%, foi muito ruim, mas pelo menos não me jogou lá pra trás. Também não tive condições financeiras de ir pra uma escola de ingles tipo senac, yazigi, cultura inglesa na época da faculdade, daí eu estudei sozinho, já lia letras de músicas, cantava junto, entrava em site de jornal americano, foi tudo no empirismo mesmo. De pouco em pouco o meu inglês foi melhorando. Hoje eu consigo ler em inglês e ver um filme com legendas em inglês mesmo, além de ter feito estágio em Israel pela faculdade onde dei mais uma forçada (foi bem no final) e em 2015 morei 4 meses em Chicago por conta própria.

      Hoje em dia tenho que me manter nos estudos pois sei que sou fraco ainda em gramática e na fluencia verbal, agora tenho o dinheiro pra pagar o curso mas nao tenho tempo pra ir. On line cheguei a matricular no EnglishTown mas fiquei uns 5 meses apenas, eu sempre tava com sono ou cansado, mas tudo bem, hj cheguei a conclusão que inglês pra mim vai ser aprender a vida toda mesmo, aos poucos, e do jeito que for, podcast também e livros.

      Realmente hoje em dia reclamar virou uma doença. Todo mundo quer descontar suas frustrações reclamando do mundo. Eu sempre me observo muito para não reclamar da vida e do mundo.

      Grande abraço amigo!

      Excluir
    2. Sobre ingles, sem dúvidas foi um divisor de águas na minha vida, fui aprender mesmo quando já tinha mais de 30 anos. Mesmo sem estudar ativamente consigo manter um bom nível pq grande parte do material que consumo é em ingles, ouço muito podcast e baixo mp do youtube pra ouvir no carro ou na rua. Pra quem não deseja ter um ingles perfeito manter-se imerso no idioma é o suficiente pra manter o nível.

      Excluir
  35. Olá, Frugal.

    Que feito e marco de vida sensacionais, e que história de vida inspiradora. Fica de lição para todos nós da Finansfera (FIREsfera agora, será?): nunca se esqueça de onde você começou. Aqueles que deixam o dinheiro subir à cabeça estão destinados a perdê-lo.

    Pense que, a depender da cotação, tem dias que você já é um Milionário Americano. Como é a sensação de ser um HNWI?

    Parabéns de novo, e continue inspirando.

    Abraços e seguimos em frente!

    Pinguim Investidor
    https://pinguiminvestidor.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá pinguim!

      Eu nao sei o que é ser um HNWI kkkkk
      Pelos proximos 24 meses vou continuar aportando na B3 ainda e um pouco lá fora, pra diminuir minha concentração em imóveis e gerar fluxo de caixa, depois disso é viver bem melhor e com mais tempo livre.

      Vou colocar vc no meu blogroll.

      Abraço!

      Excluir
  36. Minha melhor continência para você, Frugal.
    Exemplo para superiores, pares e subordinados!

    ResponderExcluir
  37. Muito inspirador seu relato. Eu morei na favela no Rio até quase um ano depois de formado. Me identifiquei muito com algumas passagens.

    Como é a relação com seus familiares, irmãos, primos etc? Eu me sinto muito deslocado.

    ResponderExcluir
  38. Sensacional, estou conhecendo seu blog e sua história hoje e com certeza voltarei mais vezes.
    Parabéns e rumo aos 5M

    ResponderExcluir
  39. Linda sua história.
    Passei por dificuldades, mas de formas diferentes da sua, mas de qualquer modo, cada um teve suas pedras no caminho.

    E, tenho certeza, que somos quem somos hoje por conta dessas pedras, que soubemos remover ou lapidar.

    Essas dificuldades demonstram bem o porquê de você ser quem é, e sem dúvida alguma, formou completamente seu caráter.

    Você é um vencedor, um herói, um exemplo, um perseverante, um resiliente.

    Sinta-se abraçado!
    Parabéns, você merece tudo o que conquistou e muito mais.

    ResponderExcluir
  40. Parabéns pela sua trajetória.
    Acompanho suas postagens desde o inicio.
    você é uma fonte de inspiração para quem está começando na busca pela IF. acredito que aprenderemos muito com esses 24 meses de aporte no mercado financeiro.

    Att PM

    ResponderExcluir
  41. Parabéns Frugal!
    Sua história é inspiradora, vou compartilhar!!
    Forte abraço e sucesso!

    ResponderExcluir
  42. Frugal, obrigado por compartilhar sua história, gostaria de te parabenizar por ter superado todas essas barreiras que a vida lhe impos, vc é foda!

    "Um homem sem vontade não vai resultar em nada." - é assim que me sinto ou ao menos estava me sentindo pouco tempo atrás, todo homem precisa de um objetivo concreto e desafiador, isso nos faz melhor.

    Não tive uma infancia tão complicada como a sua, longe disso. Serpre tivemos comida, água, luz e uma casa inteira pra morar, mas meus pais passaram por inúmeros períodos de crise, seja por decisões erradas, governo fodendo ou falta de informação mesmo. Como já contei no blog, essas crises financeiras familiares me fizeram ter uma visão diferente do mundo chegar onde cheguei mas tb me bloquearam muito. Equilíbrio é sempre algo complicado de se obter.

    Não sei se vc já faz algum tipo de doação ou ajuda financeira (e não precisa divulgar até pq acho que esse tipo de coisa deve ser mantida em sigilo e não deve ser usada para afagar egos) mas acredito que vc tem um potencial incrível de ajudar jovens que hoje estão na mesma situação que vc sofreu.

    E pra finalizar é gratificante ver que posts profundos e longos como esse ainda atraem a atenção e a galera comenta bastante, muito bom isso, o mundo ainda tem salvação!

    Grande abraço

    Corey

    ResponderExcluir
  43. Grande texto! Eu cresci em uma região mais ou menos como a que você descreveu e me identifiquei bastante com tudo. Tb sou de uma capital do nordeste e de um bairro pobre, estudei no CEFET(uma escola que ajuda e já ajudou muita gente como nós), e um dia espero chegar no seu nível de sucesso. Muito inspirador!!Abraço!

    ResponderExcluir
  44. Olá Frugal, Boa Tarde, tudo bom?

    Eu li sua história no MENTE INVESTIDORA, e achei incrível.

    Tem alguns elementos em comum, tipo, eu já tive locadora de games, foi uma das melhores épocas da minha vida.

    Acho que errei em alguma hora, para estar como estou hoje, mas tudo bem. Vou tentar de novo.

    Obrigado por compartilhar.

    ResponderExcluir
  45. Primeiro post que leio e já virei leitora! Sempre digo que o que me move a conquistar a independência financeira é, sobretudo, alcançar a liberdade, mas também, no fundo, no fundo, há o medo de passar por situações difíceis novamente. Abraços, Isabele.

    ResponderExcluir
  46. Cara, meus sinceros parabéns.
    Só quem passou por isso sabe como é extremamente difícil escapar dessa realidade brutal.
    Eu acredito que quem vence assim na vida tem uma satisfação bem maior do que quem já nasce com dinheiro. É como uma balança, menos dificuldades, menos satisfação.
    Querer mais e ter metas é natural do ser humano, mas acredito também que um dos segredos da felicidade é gratidão, a capacidade de valorizar o que já foi conquistado.
    Termino citando Sêneca: "Qual é o limite adequado para a riqueza? É, primeiro, ter o que é necessário, e, segundo, ter o que é suficiente."

    ResponderExcluir
  47. A sua história é impressionante. Lágrimas me vieram ao lembrar o quão pouco sabia sobre dinheiro e sem educação financeira alguma o seu blog foi o primeiro que achei.. e fiquei. Fiquei porque era de uma inteligência singular e de ao mesmo tempo simplicidade singular. Sem devaneios, com atitudes frugais (e sem se sentir diminuido por ela), semdeslumbre de classe média sua palavras foram o meu quadro branco. Voce foi muito alem de vencer na vida. Você se tornou um líder. Obrigada pelo blog que tanto me ajudou.

    ResponderExcluir
  48. Linda historia de vida. Parabéns. Também fui as lágrimas ao ler alguns trechos que também passei na minha infância. Sua história é um tapa na cara dos esquerdistas e socialistas. É um exemplo de que sim é possível vencer na vida através do próprio esforço e da meritocracia. Sem se fazer de vítima e ficar reclamando da vida como se o mundo te devesse alguma coisa. Parabéns mais uma vez.

    ResponderExcluir
  49. Uau... Que história em Frugal.

    Obrigado por compartilhar. Cara, me identifico com várias das situações que você descreveu... Eu sei, te compreendo e passei por várias coisas que você também passou. Ainda estou na caminhada e hoje só de olhar para trás e ver várias dificuldades que foram superadas me faz manter firme e continuar. Sua história de vida me inspira muito... E me faz continuar e saber que estou no caminho certo. Obrigado por compartilhar.

    https://patrimoniozero.blogspot.com/

    ResponderExcluir