Translate

quarta-feira, 5 de fevereiro de 2020

Na Raça.



Na Raça, Guilherme Benchimol e a criação da XP.




Olá amigos, hoje vou falar desse livro biografia (ainda que cedo) do Guilherme Benchimol e da história da criação da XP.

Eu gosto muito de ler biografias e livros de não-ficção e dado o tamanho da figura e da corretora no mercado brasileiro, esse eu não poderia deixar de ler.

O título chamou muito minha atenção e me fez lembrar de minha própria história pessoal, em saber como vou vencer todas as adversidades e todas as limitações que tenho hoje sem dispor de quase nenhuma ferramenta, eis que a resposta sempre foi a mesma que o Guilherme deu para quem perguntou a ele: Na raça!

O livro é muito bem escrito, lembrou bem o Sonho Grande da Cristiane Pacheco. Apesar dessa Maria Luíza parecer bem nova pela foto, ela deu conta do recado e sua narração em terceira pessoa foi muito magnética, de maneira que numa tirada de umas 6h eu já tinha lido 80% do livro, e depois concluí no outro dia.

Eu achava que o livro iria ser uma babação em cima do Guilherme e também em cima da XP, mas não foi, ainda bem. É muito bom estar errado de vez em quando.

O pai do Guilherme é médico cardiologista no RJ, mas nem por isso a vida dele foi fácil. Me deu a impressão de que o pai dele poderia ajudar muito mais, mas não sei porque que o coroa não ajudou tanto quanto poderia, talvez estratégia dele.

O fato é que Guilherme fez Economia na UFRJ (curso beeemmmmm acadêmico e com aquele viés de universidade federal, nada sofisticado para o mercado) e depois foi pedir emprego a quem desse, bancos, corretoras e etc. gastou muita sola de sapato, trabalhou no back office, foi demitido, teve um péssimo começo de carreira até resolveu se mudar para Porto Alegre, onde fundou a XP numa salinha dentro de uma outra empresa que ele trabalhava, com computadores velhos comprados de uma lan house falida. A vida dele teve muitos altos e baixos, muito bom ler esse livro, recomendo a leitura.

A Xp começou a tomar corpo com o trabalho dos agentes autônomos de investimentos e também com cursos sobre bolsa, daí foi só multiplicar e replicar o que tava dando certo para outras cidades, tudo começando pelo RS e SC.

O livro fala de todas as fases da XP, entradas e saídas de sócios, o namoro, casamento, separação e reconciliação do Guilherme com a sua esposa (que foi a primeira funcionária dele), todas as fusões, aquisições, vendas de controle, crescimento e o quanto ele trabalho por isso, e também um pouco do seu estilo pessoal.

Particularmente eu nunca fui fã da XP e nem do Guilherme, sempre acompanhei de longe e tinha certa repulsa pela identidade visual da empresa e pelo site complicado, preto e impessoal. Minha única corretora sempre foi a Rico, e ela mesma foi comprada pela XP por R$209 milhões de reais, aumentou os preços para tudo e só baixou recentemente.

O que mais me chama atenção na história toda é que no mercado financeiro as pessoas começam a trabalhar muito cedo, se formam cedo nas faculdades e lá pros 30 anos de idade já são sócios e diretores de bancos, corretoras e assets, o que é impensável numa carreira no ramo de saúde como é a minha.

O ramo de saúde é muito complicado. Todos os cursos são longos, as especializações também, muitas são difíceis de entrar ou muito caras, tem muita concorrência e os enormes custos para seguir sozinho para um consultório, num projeto totalmente sem escalabilidade alguma. Todo o esforço e dedicação na área da saúde, com muitos anos de estudo e trabalho podem dar literalmente em nada. Eu até que me saí bem, mas meu esforço até hoje é sobre-humano, me formei em 2009 e trabalhei sempre igual um escravo judeu no Egito, incluindo finais de semana, feriados e longas noites sem dormir.

Lendo esse livro eu fiquei pensando que se todo o meu esforço inicial tivesse sido colocado em Economia e eu seguisse carreira no mercado se eu não poderia estar bem melhor na vida hoje, afinal de contas é só colocar paixão, trabalho, dedicação e diligência em qualquer área que você vai chegar muito longe inevitavelmente.

Guilherme era um cara frugal. Com mais de R$100 milhões de reais na conta, ele pegou o primeiro vôo em classe executiva. Nunca foi de se exibir em redes sociais, não pagava um reembolso a ninguém, viveu pro trabalho e para a XP.

Esse incansável e obstinado objetivo de crescer, melhorar, bater metas, atingir resultados e prosperar é que fez ele ser o que é hoje, de quebrado há 16 anos atrás a bilionário, sendo o principal acionista de uma empresa listada na Nasdaq aos 40 anos de idade, muito novo portanto.

Aconselho a leitura do livro para que vocês possam se inspirar um pouco. O cara saiu praticamente do nada e chegou onde ele chegou, e isso tem que ser lido. Isso sem ajuda ou contratos com o governo, propinas ou favores políticos tal qual o Eike Batista e o Império X que ruiu e todo mundo foi pra cadeia ou está atolado na Lava-Jato.

A história de Benchimol, é o conto de um self made man que venceu o sistema e zerou a vida ainda aos 40 anos, gerando valor e renda para milhares de pessoas, desafiando gigantes como Itaú, BTG, Bradesco e muito mais.

O livro custou 49 reais na Saraiva, mas tem ele em PDF por aí ou 22 reais na Amazon pra ler no kindle. Eu comprei em paperback porque vou sair emprestando ele por aqui. Na minha opinião vale a pena. Fica aqui a dica de leitura.

Grande abraço,
Frugal.

14 comentários:

  1. Ótimo relato, amigo.

    Não conhecia o Guilherme e também nunca fui fã da XP, abri uma conta lá tem uns 10 anos mas nunca usei. Méritos pra ele de ter saído do 0 pra maior corretora do Brasil num período tão curto.

    Abs.,

    VR.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Grande VR! Cara, o cara comeu muita poeira até chegar nesse ápice onde ele está hoje. Vale a pena a leitura do livro! Abraço!

      Excluir
  2. Reforço os comentários do VR.

    É um cara de respeito, lutou muito.

    ResponderExcluir
  3. Frugal, quando comentou da parte da carreira nesta área de Economia/Finanças eu tb concordo.
    Acredito que seja uma das áreas onde se conseguesse ganhar mais $ rapidamente.
    Mas a medicina acredito que tb seja boa. Vejo que é uma área muito sofrida (10 anos para se formar), mas ao sair, crei que um bom médico consiga uns 30k-50k/mês, algo muito acima da média.
    Pelo "sofrimento" de 10 anos, os médicos deveriam ganhar até mais que isso, deveriam ser os profissionais que mais ganham $, em minha opinião!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. oi Fernanda, essa coisa de um bom médico ganhar 30-50k por mês não existe mais, uma minoria (<5% dos médicos) consegue isso. Eu tenho a impressão que o público acha que médicos ganham mt bem mas não sei como, parece que comparam com o topo da cadeia alimentar do setor privado paulistano, o que é uma coisa altíssimo nível ao nível global, tanto quanto Londres ou NY.

      Na realidade, os médicos que ganham bem fora de SP também são empresários, donos de suas próprias clínicas, ou tem participações societárias em hospitais. Médicos que são concursados, ou que trabalham em consultório para planos de saúde mal fecham as contas do mês. Já tem plano pagando 10 reais a consulta em valores líquidos, o resto é repasse, impostos e taxas.

      Esses 10 anos não compreendem apenas a formação, é isso onde quero chegar.
      Apenas a formação é 10 anos, mas qnd esse médico que estudou 10 anos e se forma ele volta para a base da profissão, ele não sai ganhando 50k por mês, ele sai ganhando 20k, pra chegar em 50k são mais dez anos. O ápice demora uns 20 anos do primeiro dia da faculdade, foi isso que eu quis dizer, isso para os padrões antigos, atualmente o Brasil está lotado de faculdades de medicina e muitas mais milhares de vagas de especialização, as margens vão cair para todo mundo e esse ápice em 20 anos nunca mais vai chegar para quase todo mundo.

      Um abraço!

      Excluir
  4. vou dar atenção pq foi vc que disse que é bom

    abs!

    ResponderExcluir
  5. Não sei se valeria a pena seguir na área de economia Frugal, depende muito do seu interesse na área.

    Conheço um recém formado de federal que trabalha justamente na XP, e a rotina do mercado financeiro é bem pesada. Não pode chegar depois das 9 da manhã e o normal é sair por volta das 20 ou 21. Pelo que ele me falou o salário + PLR seria coisa de uns 200 mil por ano, isso no começo.

    É bastante grana, mas tem que ver se vale a pena. Tem muita gente que não aguenta ficar muito tempo no mercado porque existe muita pressão e metas a serem batidas.

    Na área da saúde você trabalha muito mas pode acabar salvando a vida de alguém se for médico, no MF você vai ganhar grana em cima da taxa da corretora e dos produtos da empresa. No fim das contas acho que da pra fazer grana em cima das duas areas, mas não acho que necessariamente a grana do vizinho seja mais verde.

    Bom post, abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Entendo jovem, só que um recém formado na economia sai com o quê? 22 anos-23? imagina 200k por ano pra quem tem 23 anos, e essa carga horária aí é baixa comparando com a saúde, e ainda dorme todo dia em casa e fica de folga sabado e domingo.

      Só pra vc ter uma idéia do comparativo que vc tá fazendo.
      Desde 2009 eu não sei o que é começar o dia de trabalho antes das 07h da manhã JÁ NO TRABALHO. Qnd vc fala que o cara não pode chegar depois das nove da manhã, pra mim já parece uma brincadeira. Na saúde o normal é ficar das 07-19h ou então vira e dobra a noite, emendando até as 07h do outro dia ou ficando 36h direto.

      Imagina vc ganhando 200k aos 24 anos, em 10 anos teria ficado só em 200k anual, já teria faturado 2Milhões, isso qnd comparando a uma carreira na saúde, se o indivíduo fosse muito bem sucedido, estaria ganhando entre 25-30k líquido mensal aos 34 anos (o que é o meu caso), o que é uma minoria da minoria. Na corrida contra o tempo, começar a ganhar dinheiro antes e investir conta muito.

      Claro que eu não quero mudar de área, mas esse tipo de coisa é bom pra ajudar as pessoas a pensarem. Carreira na saúde demora uma década ou mais pra engrenar e no mercado financeiro não, além da escalabilidade absurda da pessoa virar um diretor de banco, corretora, seguradora, gestor de asset e por aí vai, coisa que na saúde não existe. Cargo de gestão na saúde não paga nada, só quem ganha dinheiro é a família dona do hospital, enfim, escolhas.

      Excluir
  6. O Itaú detém 49% das ações da XP, creio que em 2/3 anos o Itaú venha a ser dono da coisa toda rsrs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso estava previsto no contrato, mas o CADE já negou essas cláusulas. Seguirão independentes.

      Excluir
  7. A grama do vizinho sempre é mais verde , não tem jeito.
    Agora filho de médico falar que saiu do nada , ai não dá.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Soldado, nem todo filho de médico é abastado ou tem vida abastada.
      Os pais dele eram separados, o pai só pagava a mensalidade do colégio e dava uma pequena pensão, tinha outra casa, outra família, e a mãe dele era artista plástica, viviam uma vida modesta, mas eu quis comparar o Guilherme com outras pessoas que vieram de uma criação bem mais rica, como são os filhos dos sujeitos figurões do mercado. Também saiu do nada pq não teve indicação pra nada, o pai como era médico não tinha QI pra colocar ele num banco ou numa asset, tanto faz, ele conseguiu tudo por meios próprios. Abraço!

      Excluir
  8. Valeu Frugal pela indicação!! Por causa de voce comprei o Livro " A Revolta de Atlas" . Devo comprar este agora. Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Massa Gari, esse é tão fininho que dá pra ler até na livraria tomando um café, ou então compra pro kindle que é mais barato. Abraço!

      Excluir