Translate

domingo, 13 de outubro de 2019

Os imigrantes trabalham mais?


Boa noite amigos,

Estive pensando algumas coisas hoje e considerando isso com as coisas que já vi na vida.

Como todos sabem, o Brasil é um país de dimensões continentais, e sair do sul pra trabalhar no norte pode corresponder de sair de Moscow pra trabalhar em Londres.

A pergunta é: Será que o fato de uma pessoa imigrar pode ajudar ela a trabalhar mais e acumular mais dinheiro?

Eu tenho uma teoria que sim, e que isso se aplica ao meu caso.

Se eu estivesse na minha cidade natal, cheio de família e amigos por perto, além do mar, trabalharia bem menos e talvez nem tivesse acumulado muito patrimônio. Essa é a minha percepção. Aqui no norte tem muita gente do Brasil todo, nordeste, sudeste, centro-oeste e sul, e eles trabalham muito, querem juntar dinheiro, seja com o que for. Tenho reparado que quem é de fora trabalha mais do que quem é "da terra". Onde vocês moram, já pensaram nisso?

Algumas razões podem explicar isso:

Menos eventos sociais para ir (batizado, casamento, churrasco, bar, peladas, reuniões, happy hour, praiazinha, reunião na casa de amigos e etc...)

Distância da família: compensar trabalhando mais para ajudar mais e viajar mais.

Distância da terra natal: tenho que fazer algum sentido extra em estar morando longe e deixando de aproveitar, então vou trabalhar mais.

Enfim, comparando com meus amigos que nunca saíram de minha cidade natal, estão todos bem, vivendo a vida de modo normal, sem pressa, sem muitas pretensões e se abstendo de viver a vida no modo hard por alguns anos, pois pra eles não faz sentido algum também, e é até explicável.

Por outro lado, pessoas ambiciosas buscam sair da sua cidade para ganhar mais dinheiro fora dela e por isso, talvez, chegam trabalhando bem mais do que as outras nas cidades maiores. Eu vi muito isso quando morei nos EUA. Eu morei em Chicago algum tempo, e 99% dos americanos que conheci não eram de Chicago, eram sempre de alguma cidadezinha em algum estado vizinho e tinham ido pra lá exclusivamente para trabalhar, e muito, mas não porque não tinha emprego na cidade deles, mas sim que pagava um pouco menos e não teriam muitas possibilidades.

A gente vê também isso nos restaurantes árabes e chineses ao redor do mundo. Os caras quase não fecham, ficam abertos até tarde da noite, de madrugada, aquele negócio em família, sempre com alguém a postos pra vender um lanche ou ganhar uns 10 dólares a mais.

Será que essa minha percepção tem algum fundo de verdade ou minha visão está equivocada? Eu nunca vi um texto sobre isso, mas me peguei pensando nisso esses dias.

Bem, se isso for mesmo uma verdade, eu sou um exemplo disso e pelas razões que expliquei acima.

Também tem aquela coisa mágica de um dia voltar para sua terra natal tendo feio a volta por cima e viver com mais tranquilidade e com a certeza que já fez muito do que tinha que fazer no quesito trabalho e patrimônio. É possível vencer na própria terra, com certeza, mas talvez seja fácil vencer vivendo longe de casa e um dia voltando para a própria terra, claro que não são flores, tudo tem o seu preço, e quem vive longe das pessoas que ama sabe o que isso significa. Tem muito brasileiro vivendo ao redor do mundo que sabe muito bem o que é isso.

Você já pensou em imigrar pra ganhar mais? Pode ser dentro do Brasil ou para o exterior mesmo.

Se você não pensou, talvez essa seja a chave para a sua IF. Talvez tenha sido a chave para a minha.

Não estou aqui dizendo que isso é bom ou ruim, melhor ou pior, é só uma alternativa e que tem o seu preço caríssimo.

Por último, nunca li a biografia de uma pessoa admirável, que tenha ficado a vida toda na mesma cidade. A imigração nos faz evoluir muito e amadurecer, que de outra forma, a gente nunca conseguiria se ficasse a vida toda morando e trabalhando na mesma cidade.

Boa semana a todos,
Frugal.

11 comentários:

  1. Tocou em um ponto muito imporante. A pesquisa de orçamentos do IBGE mostrou isso claramente. Moradores das capitais e grandes cidades ganham o dobro em média do os das áreas rurais e pequenas cidades.
    Citei no meu post inclusive que para alavancar o seu poder de alcancar FIRE e depois viver FIRE é ir para grandes centros durante a fase de acumulação e voltar para o interior/cidades pequenas (praia no meu caro) para viver a IF com tranquilidade e gastando a metade do que nos grandes centros. Abcs

    ResponderExcluir
  2. Opa AA40, blz?

    Pois é. Eu tenho absoluta certeza que iria trabalhar e ganhar bem menos na minha cidade. Talvez eu até estivesse com quase zero de patrimônio ou apenas só o imóvel mesmo. Isso influencia muito na minha realidade aqui. Não se tem muita coisa pra fazer nas capitais do norte, só tem shopping, barzinho e cinema, e nada mais, até pra pegar estrada é ruim pq é muito limitado, e pra viajar de barco, além de ser muito lento, é perigoso e as distâncias são muito grandes, não compensa.

    Me lembrei muito daquele filme Crash com a Sandra Bullock. Filmão. Mostra muitos imigrantes e tensões sociais e raciais em Los Angeles. Eu li em algum canto que chegam mais de 100.000 pessoas do mundo todo na Califórnia (para residir), por ano, pra tentar ganhar a vida por lá.

    Abraço!

    ResponderExcluir
  3. Olá, FS.

    Você tem razão. Eu já morei em várias cidades e hoje moro longe dos meus parentes e meu salário é bem maior que os deles. A maioria do pessoal que vem de outros países para cá crescem mais que os brasileiros. Conheço gente que veio da Síria por causa da guerra e já tem bons negócios aqui e começou do zero.

    Abraços!

    ResponderExcluir
  4. Grande FS,
    Com certeza a correlação existe entre migração e esforço no trabalho. No entanto, acredito que a causalidade é inversa. Não é o fato da pessoa viver fora que a faz mais produtiva. Ela é produtiva por si só e, por isso, busca oportunidades que não encontra em sua terra.
    Obviamente que isso é só achismo, mas vale para pensarmos mais a respeito.
    Abração.

    ResponderExcluir
  5. Indiscutivel, é isso mesmo! Vejo no meu trabalho, os angolanos e cabo-verdianos pegam todas as horas extras que surgem mesmo fora de seus setores de trabalho, tem um lá que trabalha de seg a sex lá conosco e de fim de semana puxa 12+12h em outra fábrica vizinha. 2 anos sem folga.

    Em qualquer cidade do mundo a salvação de uma fome de madrugada é um restaurante indiano ou uma conveniência de chinês, tiro o chapéu para o tanto que esse povo trabalha. Tem uma loja de chinês aqui na cidade que a moça trabalha sozinha com seu bebê do lado de dentro do balcão, deve ficar aberta umas 15h por dia.

    Nordestinos chegaram em SP nos anos 70 com o pé no peito trabalhando feito uns fdp nas obras e fábricas. Portugueses iam para o ABC de SP nos anos 80 pra trabalhar em padarias onde dormiam em cima dos sacos de farinha, criaram impérios. Italianos no sudeste e sul arrebentaram tanto que seus sobrenomes são nomes de ruas e praças. Ainda hoje portugueses vão para a Suíça e França trabalhar nas obras 14h por dia. E assim caminha a humanidade...

    Abraço

    Corey

    ResponderExcluir
  6. A própria disposição da pessoa em sair de sua terra de origem já é um indicativo de predisposição e caracterização de alguém que foge da zona de conforto. Se o cara saiu lá de longe, é porque tem interesse. Admiro o esforço e coragem de quem parte para novos desafios, pois sai da inércia e cria as oportunidades que poderá aproveitar.

    ResponderExcluir
  7. Fala Frugal! Bem por aí sua teoria de quem migra trabalha mais, mas não podemos esquecer as exceções de que tem gente que vem só para se encostar, ter benefícios sociais e tal, tipo gente que tinha uma vida "tranquila" no cabrobó do norte, daí vem pro sul, mora em uma favela da vida e consegue um bolsa família.

    Sei que meu exemplo é meio porco, mas é por aí, quem tem mentalidade boa e vontade de se esforçar para ter uma vida digna consegue se dar bem e enxergar oportunidades onde os próprios moradores do local não veem. Um abraço!

    ResponderExcluir
  8. Eu concordo tambem Frugal. Acredito que isso esteja ligado tambem ao fato de que as pessoas que migram por trabalho possuem ja a pre-disposicao a trabalhar mais. Eu mesmo mudei inumeras vezes a trabalho e me via sempre nessa situacao de trabalhar mais pesado.

    abs!

    ResponderExcluir
  9. A maior verdade de todas é que sofrimento gera caráter...Naõ foi diferente comigo tbm, e logo no começo da minha distância, eu tive alguns finais de semana pra pensar sobre a vida e como eu poderia ter mais liberdade pra viajar e não trabalhar mais pelo dinheiro... foi aí que entrei no mundo dos blogs!
    Abç

    ResponderExcluir
  10. Acredito que a sua visão tenha sentido sim. Mas a pergunta é, oque vale sacrificar para conseguir dinheiro ? acredito que o problema é esse ! Você citou os Chineses e os Árabes, estas pessoas não fazem bem nenhum a humanidade, são simples escravos do dinheiro ! Então assim como idolatrar qualquer outra coisa, idolatrar o dinheiro é um erro fatal.

    ResponderExcluir
  11. Acho que depende da situação. No meu caso, eu sou funcionário público portanto a minha renda é fixa. Estando na minha cidade natal, não teria gastos com aluguel, diminuiria o gasto com alimentação, enfim. Tenho a chance de fazer plantões, mas na maioria das vezes recuso. Acho que já trabalhamos demais durante a semana pra chegar aos finais de semana e continuar trabalhando.
    Posso estar errado e talvez até mesmo me sabotando. Mas pra mim a unica coisa que importa realmente é saúde, o resto a gente corre atrás.
    Abraços

    ResponderExcluir