O lado bom de estar endividado


Dizem que tudo na vida tem um lado bom e um lado ruim.

Eu vim de uns anos 2013-2014-2015-2016 muito bons, muito trabalho, ganhei muito dinheiro, investi muito, li bastante, aprendi inglês de fato, viajei, comprei meu ap, me consolidei profissionalmente e juntei um bom dinheiro no mercado financeiro.

Em 2017 a maré mudou com a abertura da loja, financiamento, dívidas, pagamento de prestação com juros e muito mais trabalho e preocupação.

Eu já parei de pensar sobre o passado e sobre como eu poderia estar ou estaria se tivesse seguido minha vida e sido persistente. Muito tipo de conhecimento teórico não serve pra nada enquanto você não tenta colocar as coisas em prática.

O fato é que essa reviravolta me fez um bem danado. Hoje em dia estou muito mais pé no chão e realista do que já fui, sei muito melhor o que eu quero e como eu quero.

Talvez o caminho para a IF possa ser dividido em várias partes, e também o significado da IF mude de tempos em tempos. Eu poderia já estar ganhando passivamente os meus gastos, esse era um ponto passivo que já superei, mesmo trabalhando, mas a IF não é apenas isso, é um estado de espírito, é ter tempo livre para fazer o que gosta, e nesse sentido tenho conhecido muitas pessoas, muitos livros, autores, canais no youtube, comunidades de expatriados em vários lugares e também continuar ganhando dinheiro e aumentando o patrimônio mesmo na vida de aposentado.

Hoje já me sinto na metade do meu caminho nessa fase de trabalho "braçal". E já me sinto bem melhor de ter passado esses 50% na estrada e saber muito bem onde quero morar e o que quero fazer. A viagem para Portugal ano passado foi outro divisor de águas na minha vida (pena que foi depois da loja) e me fez ver como eu quero viver e como posso voltar a ser a pessoa que um dia já fui (e assim novamente poder ter a minha vida de volta - mesmo que de forma um pouco diferente).

Outra coisa que me peguei pensando é que se você trabalha 80h por semana por 10 anos, dá na mesma que trabalhar 40h por semana por 20 anos, estou apenas sendo mais eficiente, e é isso que faço, ás vezes tem semanas que trabalho mais de 100h, então 10 anos trabalhando assim, dá na mesma que trabalhar 40h por 25 anos.

Nos próximos 12 meses vou partir para o pagamento do financiamento conforme falei aqui, e nos outros 36 meses além de trabalhar um pouco menos, vou reinvestir no mercado financeiro para reaver as coisas que vendi. Se tudo for dando certo, ao final de 48 meses estarei ganhando uns 10-15k da loja livres mensal e mais uns 10-15k da bolsa o que daria uns 30k mensais, ou ainda, vendo o imóvel e a empresa e volto com tudo para o mercado financeiro, coisa que me faria extremamente bem também.

A questão é que empreender com franquia dá muito, muito trabalho, 24h por dia, o ano todo, todo tipo de problema aparece o tempo todo, além de que as vendas do tipo que eu faço são ativas, tem que estar panfletando o tempo todo, visitando empresas, oferecendo descontos, fazendo reuniões, treinando equipe e querendo ver as pessoas crescerem, tudo isso é legal por um tempo, mas a pressão de fazer receita o tempo todo, todos os dias, de forma ativa é muito ruim, a procura espontânea é muito baixa, não é como um macdonalds que você monta e espera chover gente pra dentro.

Então assim, renda de empreender, é renda ATIVA, muito ativa, ativa o tempo todo, 24h por dia, e ainda no meu caso tem o imóvel físico pra dar trabalho (e o retorno de tudo isso fica perto de investir no mercado financeiro ou ligeiramente maior, com o plus do custo enorme de energia mental e risco astronômico). Eu vou conseguir segurar essa barra mais uns 4-5 anos até consolidar o meu projeto pessoal e depois acho que vendo tudo ou arrendo tudo.

Oviamente empreender é mais lucrativo do que comprar ações (você ganha 2-4% am) mas trabalha 24h por dia, então tem o custo do trabalho que você tem que computar.

Pergunto: Você acha melhor ganhar 1% am totalmente passivo, apenas aplicando seu dinheiro no mercado financeiro ou gostaria de ganhar 2% am do seu dinheiro, trabalhando 10h por dia no seu negócio e ainda vai pra casa dormir e acordar preocupado com ele (além da preocupação do imóvel físico - alarme, pixação, quebra de vidros, vazamentos, goteiras, mofo, arrombamentos). O raciocínio é mais ou menos por aí.

Quando você tem um capital pequeno faz sentido empreender, e assim comprar TEMPO e começar na quinta marcha, rentabilizando muito o seu capital, mas a medida que seu patrimônio vai crescendo isso vai perdendo o sentido (pelo menos pra mim e pro que eu quero na minha vida). Exemplo: Você tem uma empresa que vale R$ 4 milhões e você ganha limpinho R$60 mil/mês trabalhando 12h por dia nela, além do sábado e etc (e inclui a preocupação com segurança pessoa e imóvel aqui) - você poderia ficar nessa situação indefinidamente (que me parece ser o caso da grande maioria dos empresários no Brasil) ou você gostaria de vender essa empresa e ganhar R$ 35 mil por mês limpinhos aplicados no mercado financeiro? Essa é a grande questão a ser respondida. Daqui a uns 4-5 anos quero fazer parte desse segundo grupo sem sombra de dúvida.

Veja por outro lado, você pode não trabalhar e ganhar R$ 35 mil por mês ou pode trabalhar e ganhar R$ 60 mil. Na verdade o seu trabalho está lhe rendendo apenas R$ 25 mil por mês que é a diferença de ambos os cenários, então poderá chegar um momento na sua vida que o seu patrimônio vai tornar irrelevante ganhar esses R$ 25 mil  a mais por mês ou não. Estou falando esses valores apenas de forma para exemplificar a questão.

Me perdi um pouco do título do post e do que eu queria falar inicialmente, uma das coisas boas de estar endividado é que passei a dar muito mais valor ao meu dinheiro e também estou trabalhando MUITO mais e produzindo MUITO mais, como nunca produzi antes (tudo isso pra pagar logo a dívida), estou bastante focado e acelerado em pagar isso e acabar com essa tormenta (psicologicamente isso está me amolando muito, de uma forma que eu não previa), o jeito agora é pagar e superar.

Por falar nisso neste mês fiz um aporte de mais de 20k na dívida, sendo que desse dinheiro 10k foram da conta da PJ e apenas 10k da minha conta PF, ou seja, fiz uma retirada da empresa pra pagar o financiamento e pretendo retirar pelo menos uns 6k mensais da conta da loja.

Dívida bruta atual: 680k

Grande abraço a todos!

Frugal.

Comentários

  1. Frugal, vc e um guerreiro, samurai, vc e empreendedor é vencedor, independente da dívida. Parabens amigo! Tua historia de vida e empreendedor mereve a capa da Isto é Dinheiro. Falei e disse!
    Abraço, sucesso!
    Bagual

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu bagual! Quem me dera, ainda estou numa luta danada. kkkkk abraço!

      Excluir
  2. Seu blog continua a me inspirar.... a nunca ter meu próprio negócio!rs Brincadeiras a parte vc tirou leite de pedra arranjando um bom motivo para estar endividado, já li muito sobre aquele conceito de dívida boa e dívida ruim porém não me convenço que possa existir dívida boa. Entendo que alguns objetivos só possam ser alcançado fazendo dívidas, mas me tiraria tanto a tranquilidade ter uma dívida que eu não pudesse pagar caso perdesse o emprego que se bobear nem dívida na padaria da esquina eu quero fazer.

    Sr. IF365

    Blog do Sr.IF365 | Acompanhe meus últimos 365 dias antes da IF e Aposentadoria Antecipada
    www.srif365.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O problema é que no Brasil os juros são um estupro. O cara alavancar pagando 2-3% de juros ao ano como nos EUA e Europa pode até ser viável, pois empata com a inflação de lá. Aqui to pagando 12% aa. isso dá 1%am, isso é uma sentença de morte.

      Amigo, quero ver qnd vc se mudar pra Bali como vai ser. Quem sabe eu vá pra lá também. kkkkkk abraço!

      Excluir
  3. "Muito tipo de conhecimento teórico não serve pra nada enquanto você não tenta colocar as coisas em prática." ótimo ensinamento.


    abs!

    ResponderExcluir
  4. Frugal, to achando que vc quando conseguir uma rentabilidade mínima no seu negócio (CDI, vai...), vc vai vender e aplicar tudo no mercado novamente rsrs. A diferença que fica é a sabedoria e a experiência, que vc citou. De qq forma, valerá a pena!

    Abração!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Grande André, amigo, na real, sem considerar o imóvel, se fosse só o negócio mesmo iria estar dando 2% ao mês, e ainda tenho muito espaço pra crescer. A segunda parte do investimento ainda não comecei pois preciso respirar um pouco e tenho mais de 200k pra receber do meu trabalho que estão enrrolando pra pagar. Qnd eu der uma boa abatida nesse financiamento vou retomar a segunda parte do investimento que é montar e alugar as salas, vai custar uns 80k mas não quero começar aagora. Se derem um dinheiro bom vendo mesmo, mas só se eu for me mudar daqui, enquanto eu morar aqui vou manter sim. A experiência está sendo fenomenal. Abraço!

      Excluir
  5. Parabens pela garra e determinação e ainda encontrar tempo para compartilhar sua rica experiencia! Só queria fazer um comentário: sou medico, tenho minha clinica privada, sou funcionário publico e também investidor no mercado financeiro há muito tempo. Tem uma hora na vida que não importa se voce ganha 65k ou 20k, o importante é SEU tempo e como voce gasta e aproveita ele. Até porque com sabedoria e maturidade espiritual voce vive bem com uma renda ou outra. Abs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Marcos, legal seu comentário. É isso mesmo, já cheguei a este entendimento. Hoje em dia eu sei o que me faz bem e estou lutando para ter mais tempo livre para fazer as coisas que gosto. Preciso amadurecer mais uns 4-5 anos esses projetos e esse patrimônio para poder me mudar de cidade.

      Há quantos anos vc está no mercado financeiro? Vc faz o buy and hold? Seria legal saber como foi o resultado de aplicações mais antigas. Abraço!

      Excluir
  6. Frugal, parabéns por tudo que conquistou até agora. Dentre os vários blog, o seu é um dos que mais admiro. Gosto muito do seu mindset e como você encara a vida e as finanças.
    Um abraço

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A chegada ao quarto milhão de reais (ou quase um milhão de dólares).

O que importa é o processo.

E se eu morrer hoje?