Translate

domingo, 3 de setembro de 2017

Você precisa resgatar a sua individualidade se quiser vencer

Primeiramente vamos à minha atual alocação do patrimônio nesse começo de Setembro / 2017.

Imóveis: R$1.459.000,00 (hum milhão e quatrocentos e cinquenta e nove mil)

- São dois terrenos, um em área nobre residencial de 365m, outro em área residencial-industrial de periferia metropolitana com 50x20 (10 mil m2).
- Um flat numa capital do Nordeste a ser colocado para alugar quando for entregue no início de 2018 (Airbnb vou testar, se não der certo (+ que 1200 reais mensal) vou tentar alugar ele em contrato longo cobrando isso aí de aluguel.
- O ap que eu moro, custou R$358 mil, incluindo reforma, mobília, armários e eletrodomésticos.
- Casa Comercial em bairro nobre, valor pago até o momento R$705 mil (a idéia aqui é reformar e ampliar, ficando quase 600m2 para desenvolver a loja). O target dessa casa é custar R$2 milhões toda ocupada, mobiliada, com câmeras, fachada, vidros, computador, madeira, etc etc etc e dar pelo menos uns R$20 mil reais por mês de lucro depois de Fevereiro/2018. O restante do valor será financiado

Financeiro:

- 100 mil em cash para dar início à obra.
- R$ 23 mil em fiis (a serem vendidos).
- O equivalente a U$ 25000,00 investidos no exterior, pela via Banco do Brasil Americas >> Interactive Brokers, paguei 0,38% de IOF + 2 centavos acima do dólar comercial para fazer a remessa, do BBA pra IB vai de graça via ACH iniciado pela IB (tem vários posts sobre isso no blog já publicados). Maioria dos ativos em ETFs que não pagam dividendos, sediados na Irlanda (UK).
- R$532.000,00 em ações na bovespa (a serem vendidas aos poucos para abater no valor da casa comercial). Boa parte dessas ações está alugada, então não dá pra "desalugar" e nem vender, esse é o lado ruim de alugar (uns 300 mil reais estão alugados).
- R$ 90 mil em Debêntures CEMIG variados. Só vou vender se não for perder muito dinheiro. O papel está muito amassado e a liquidez é baixíssima.

Fora esse financiamento não tenho outras dívidas, apenas as faturas do cartão a vencer e algumas taxas da franquia como estoque inicial, taxa da franquia e mobiliário, que dá uns 250 mil isso aí, parte já foi paga e a outra parte vou pagando aos poucos nos próximos 6 meses (vários cheques).

Isso foi o mais organizado que já consegui fazer.
Como vêem, muito concentrado em imóveis por um bom tempo agora, talvez só comece a melhorar no final de 2018 com novos aportes em ações, renda fixa, fiis e no exterior. Tudo vai depender do sucesso do empreendimento e dos mercados.

Pra quem quiser ver a Musa do Blog - Tomi Lahren descendo o aço nos soças dos EUA aqui vai um bom vídeo:

https://www.youtube.com/watch?v=vQKoZKnls6o

Agora que já estão atualizados com o patrimônio, a estratégia e a musa do blog vamos em frente.

Esse artigo é bastante importante.

Por que eu pensei nisso hoje?

Comecei a pensar nisso após alguns comentários aqui e alguns emails que recebi.
No geral, os comentários davam uma idéia de que eu tinha uma personalidade forte e que eu era corajoso, destemido, audacioso e seguro, ou algo parecido com isso. Já sobre os emails teve um em particular que foi uma análise feita por uma leitora e que concordei bastante, ela realmente foi muito boa.

Por algumas horas esse assunto ficou na minha cabeça e tentei resolver mentalmente como cheguei nessa situação de ser assim, de como me sinto e de como me faço sentir pelas pessoas que me lêem. Na verdade somos uma sopa de misturas de tudo que vivemos, lemos, observamos e consumimos, é assim que se forma nossa personalidade e nosso caráter, das experiências familiares, escolares, com os amigos na infância e adolescência e até as bandas que você escuta e os esportes que pratica influenciarão você.

Eu diria que grande parte da mudança da minha mentalidade começou ainda em 2012, e sim eu era bem quebrado, andava de popular pelado e jantava pastéis de um real, e almoçava meia lasanha da Batavo, da Bolonhesa, a que "rendia" mais. O dinheiro era bem contado naquela época, embora ali eu já tinha melhorado muito de vida em relação a uns 2 anos antes para trás, pois era só busão pra trás, carona, almoçava PF com suco grátis de 7 reais ou então na casa dos amigos.

Nesses últimos 5 anos eu sem querer RESGATEI A MINHA INDIVIDUALIDADE e vou falar aqui como fiz isso, inconscientemente, veja se faz algum sentido pra você também. Alguns pontos principais:

1 - Saí do meu estado natal e fui morar em outra região do Brasil, conhecendo apenas duas pessoas na cidade antes disso (e uma delas conheci na balada).

2 - Saí de um namoro longo com uma menina que eu estava há quase quatro anos. Foi a única namorada séria que tive, e eu achava que o namoro ia durar para sempre, eu era muito apegado e foi muito difícil e demorado perceber que não dava mais certo, pois tentamos muito manter e não deu, foi um processo de quase um ano inteiro para acabar mesmo.

3 - Arrumei dois empregos, fiz uma pós-graduação e quase não parava em casa para comer, tomar banho ou dormir. Minha conta de luz dava R$8.

4 - Tive que fazer novamente dezenas de amizades e uma rede de apoio para sobreviver.

5 - Tive que estudar coisas novas, aprender a me virar totalmente sozinho, trabalhar, pagar 100% das minhas contas, planejar meu futuro e onde eu iria morar depois daquilo. A idéia era SP capital, ou voltar pra minha terra, ou mesmo ir para EUA, Austrália ou Israel.

6 - Comecei a estudar inglês feito louco para emigrar, não consegui e meu nível de inglês nunca subiu muito naquela época. Sem dinheiro os planos de emigração minguaram e tive um visto negado (de estudante). Gastei muito tempo, dinheiro e energia para ficar no mesmo lugar e ter uma negativa.

7 - Continuei tomando muitos foras de mulheres nessa nova cidade, como quase sempre de costume. Apesar de procurar por quase dois anos um relacionamento sério, não consegui, e quando relaxei de verdade nesse assunto, consegui um à distância, que está dando certo até hoje (e não é mais à distância).

Enfim três anos muito turbulentos só amaciando a carne, sem sobras financeiras, numa terra estranha em que falavam português (o Brasil é dividido em nações - eu já morei nas cinco regiões do Brasil e sei muito bem o que estou falando).

Depois disso veio o fim do longo ciclo de estudo, trabalho, pós, pesquisas, provas e tudo mais. Consegui um emprego aqui onde estou no setor privado onde fiquei por quase dois anos. Depois troquei de emprego e me associei a um grupo de sócios para viver de prestação de serviços para público e privado, também com dias de freelancer e dias livres.

Comprei e mobiliei meu ap. A vida começou a se encaminhar e o dinheiro sobrar. Tive muito mais tempo para ler e pensar em coisas que gosto mais como Política, Filosofia, Astronomia, Economia, Finanças, Internet, Música e etc. Até comecei a fazer academia na época.

No campo da política devo dizer que estudei em escola pública, logo fui "esquerdizado" desde sempre, no primeiro e segundo grau. Os professores nos obrigavam a colocar estrela do PT no peito de botton e ir pra rua gritar Lula Lá, sim, com ônibus e tudo. Os EUA eram o mal do mundo, Lula ia salvar o Brasil e isso aqui ia virar a Noruega. Por um breve momento eu REALMENTE acreditei que a solução para todos os problemas era o SOCIALISMO. Sim, eu tinha 13-14-15 anos nessa época.

Lá pelos 16 anos resolvi estudar pro vestibular e passei de primeira, lendo livros usados e velhos e comprados no centro da cidade. Comecei a conhecer o Rock, andava com o pessoal do rock, camisa preta, cantava em banda e fui bastante influenciado pelo Punk e pelo Pós punk. O movimento Punk que eu estava imerso me tirou do socialismo mental e me levou para o anarquismo, a iconoclastia, a revolta (quase sem causa) e a busca por quebrar ideologias. Também foi-se embora as últimas dúvidas que eu tinha sobre a existência de deus ou deuses. Me tornei totalmente ateu.

Já na faculdade fui apresentado a autores como Carl Sagan, Richard Dawkins e Karl Popper.
De Sagan li todos os livros publicados e vi Cosmos. Do Dawkins li - O Gene Egoísta, O Relojoeiro Cego e Deus, um Delírio. A base estava feita. Karl Popper jogou a pá de cal e o concreto por cima de todas as pseudociência e me deu o direcionamento científico que precisava para me apoiar. Esses três autores são muito bons. Juntamente com Isaac Asimov e Humberto Eco acho que são os cinco autores mais inteligentes e os que mais me ajudaram a ser o que sou hoje. Claro que sei que existem muitos outros autores legais e importantes, mas meu tempo era escasso e sempre foi, e assim deu pra ler bem pouco nesse aspecto.

Eu nunca falei isso aqui, mas desde os 14-15 anos me viciei em música. Ficava horas e horas no computador escutando MP3 no Winamp. Fazia outras coisas no PC mas era apenas desculpa para escutar mais músicas, ficava na internet até tarde apenas para escutar, baixar, traduzir, ler sobre bandas e aprender mais sobre músicas. Até hoje eu sou assim, leio livros inteiros e estudo escutando música, e às vezes durmo e acordo com música.

Dos idos de 2003 até hoje passei a gostar de música escandinava, gótica, clássica, metal, sinfônica e essas coisas. Aqui toca muita música finlandesa, dinamarquesa, sueca e norueguesa. E tenho plena convicção de que essas letras e essa atmosfera sombria e individualista desse tipo de música moldaram meu caráter. Me fazem pensar muito, ficar hipnotizado e ser uma pessoa melhor, mais satisfeito com a vida e com mais respeito por cada um. Essas letras são muito profundas.

Sobre esportes na minha vida: sempre jogava bola na rua ou às vezes até em campeonatos. Não gosto de esporte coletivo. Eu me esforçava muito mais do que os outros, eu não gostava de perder, eu não gostava de levar gol, não gostava quando eu jogava sério e os do meu time jogavam brincando ou faziam muita merda com a bola, eu era exigente no futebol e ficava chateado.

Me encontrei primeiramente no Judô. Meu treino dependia de mim, e meus resultados também. Eu ia correr na praia, treinava sozinho, treinava no portão de casa, treinava com árvore, apenas para melhorar. Eu fazia Judô de graça, não pagava mensalidade e ganhei meu kimono, tinha que mostrar serviço pro sensei. E apesar de entrar velho no judô (10 anos de idade) evoluí muito rápido e ganhei muitas competições, ganhei até uma bolsa escolar pra fazer segundo grau (fiz o segundo e último ano com essa bolsa) pois minha família não tinha dinheiro pra bancar nem 10% da mensalidade. Lição: Por meu mérito consegui entrar num dos melhores colégios da cidade, sem choro, com sangue, suor e lágrimas e muita porrada.

Em paralelo à isso ganhei uma prancha usada (um toco) e ia me divertir na praia no final de semana e surfava (custo de duas passagens de ônibus e um dinheiro para almoçar), em valores de hoje, uns 10 reais por cada dia de surf. Eu ia pra praia de 7 da manhã e voltava às sete da noite. Mal comia, perdi peso, fiquei mais forte e com melhor aeróbico pro judô, o que criou uma sinergia incrível para eu ganahr mais medalhas. Nas férias a praia era todo dia nesse esquema, troquei o ônibus por uma bike velha e pedalava 12km pra chegar na praia, com a prancha improvisando o suporte com o próprio leash no ombro.

A história tá ficando grande mas tenho que falar as bases da minha formação, senão fica difícil de entender.

Após essa rodada de socialismo - rock - punk - cientificismo - filosofia - ateísmo - anarquismo - esportes individuais e minha formação universitária completa eu estava já quase pronto.

Com o estudo do inglês fiquei apto a ver documentários sem legenda alguma, a baixar livros da net e ler e poder ver entrevistas. Começou aí minha aproximação com autores conservadores e mais da direita americana, assim como grandes financistas, banqueiros, CEOs, empresários de sucesso e etc. Me tornei um ávido leitor de biografias e admirador de grandes homens da história. Eu sempre gostei de biografias, todos os livros de Ciência quando citavam um cientista eu ia atrás de ler tudo o que pudesse sobre ele, eu sabia que cada cara foi muito importante por ter feito apenas alguma coisa, e eu gostava de ler sobre a vida deles, caras como Darwin, Newton, Maxwell, Planck, Tesla, Thomas Eddison, Flaming, e por aí vai.

O meu panteão de deuses era composto por químicos, físicos, biólogos, naturalistas, aventureiros, inventores, empresários, alguns políticos e por aí vai. Eu admirava quem estava na História. Eu queria ser igual a eles. Eu queria ter um dia meu nome nas ruas, nas praças, nas escolas. Eu queria ser lembrado, eu queria ser escritor, publicar livros, bolar alguma coisa nova, ajudar a humanidade.

Nos últimos dois anos acho que já li umas 30 biografias. Agora estou lendo a de Arnold Swcharzenegger. É um tema que me incentiva muito. Não gosto de livros de ficção como Harry Potter, Senhor dos Anéis e essas modinhas de livrarias que existem por aí. Gosto de focar na realidade e na experiência dos outros. Também gosto mais de ver filmes de biografias ou baseados em história real.

Tento aprender com a experiência e a vida alheia para me inspirar. Essa semana vi um filme sobre Walt Disney, que foi muito bom. Eu me fortaleço vendo ou lendo grandes biografias, porque verdadeiramente isso me inspira, caras que saíram da pobreza ou de uma situação extrema como violência doméstica, guerras, refugiados, mudanças de país e de continentes e coisas muito piores do que já passei.

Sobre aprendizado, entre 2013 e 2017 li quase 50 livros de Finanças e passei milhares de horas no site do Bastter, fui bastante ativo na comunidade, me tornei Bastter Blue, vi a maioria dos vídeos dele no Youtube e tem um que é muito legal "Nada vai melhorar, a não ser você mesmo". Sou muito grato à toda a introdução que tive no mundo das Finanças via site do Bastter, o melhor portal de Finanças do Brasil na minha opinião.

Olha o link do vídeo: https://youtu.be/5qgwjic2V0Q

Em 2013 li pela primeira vez Ayn Rand. Novo Marco. Tenho em paperback "The Fountainhead" e o famoso "A Revolta de Atlas". Conheci o libertarianismo no Facebook. O instituto Mises e os autores por lá como Murray Rothbard e Bastiat. Esses dois, juntamente com Ayn Rand me influenciaram muito até hoje. Abandonei esquerda, direita, qualquer coisa coletivista, minorias, e etc. Foquei apenas no indivíduo que é o que faço até hoje.

Toma aí o link da Biblioteca do Mises Brasil, baixe a anatomia do estado e leia, é curto e grosso. Dá pra ler numa tarde.

http://www.mises.org.br/Ebooks.aspx?type=99

Com a deterioração do Brasil de 2013 pra cá, explodiu o número de páginas libertárias e conservadores no Facebook. Esse foi o maior bem que a Dilma fez pelo Brasil, despertou consciência cívica e movimentos de direita e libertários saíram do armário e se ampliaram bastante. Também gosto muito do canal Idéias Radicais no Youtube, que o Raphael fala, me filiei ao Partido NOVO por achar que é o único que defende algo parecido com o que eu acho mais viável para o Brasil.

Outra disrupção que estou perdendo o bonde é o canal do Fernando Ulrich no Youtube, e o livro dele que tá pra baixar de graça no Infomoney, baixei mas ainda não li.

 Em 2017 assinei o site www.meusucesso.com e aqui tive o maior ponto de virada até agora. Estudar e conhecer várias biografias e histórias e ver o pessoal montando e crescendo os negócios me influenciou bastante. Combinou com tudo que eu gostava, trabalho, ação, responsabilidade individual, biografia, exemplos reais e muita aula boa. A mensalidade é de apenas 75 reais e vale muito a pena se você se dedicar.

Não é picaretagem e não é pra encher linguiça. É uma verdadeira escola de negócios e de vida. Tenho certeza que esse site foi o impulso final que me fez procurar alguma coisa pra empreender no mundo real, para criar outra profissão e outra renda para mim com o meu capital.

O cenário político do Brasil está mais estável e o PT saiu do poder e dificilmente voltará. Perdi muitas horas desde 2013 fazendo campanha anti-PT no Facebook e na vida real. Chegou a hora de cuidar das minhas coisas e esquecer essa turma de gravata.

Coletivos não vão lhe levar a lugar algum. Grupinhos, pessoas revoltadas, pessoas que reclamam muito, ficar pedindo ou exigindo direitos é perda de tempo, além de ser imoral. Todo mundo pode vencer na vida, do seu jeito próprio e trilhando seu próprio caminho. É nisso que acredito hoje. Eu vejo pessoas numa situação muito melhor que a minha (no passado) se achando vítimas e exigindo que o mundo lhes pague uma conta que o mundo nunca cobrou deles.

Certas coisas como feminismo, direitos LGBTS, direitos dos negros, de mulheres, e etc estão chegando numa situação insuportável na mídia real e nas redes sociais. A histeria é muito grande e eu acho melhor optar por ficar de fora. Estou fora de coletivos de quaisquer espécie, eu sou o responsável pelo meu destino. Não se deixe cooptar e ter seu tempo, dinheiro e energia canalizados para projetos perdedores.

Estamos vendo nos EUA, Antifas x supremacistas brancos. Dois coletivos, de perdedores. Primeiro que se é coletivo só tem perdedor dentro. Antifas nada mais são dos que os Obamistas revoltados com a eleição do Trump e querem reescrever a história dos EUA (como se fosse fácil). Supremacistas brancos são imbecis por natureza e neonazistas são muito mais do que imbecis, são derrotados e fracassados que estão do lado perdedor da segunda guerra mundial, quando vários países incluindo o Brasil lutaram contra os verdadeiros nazistas e ganharam (sim nós somos vencedores da segunda guerra). É todo mundo perdedor ali. São perdedores contra perdedores, ambos os lados sem nenhuma razão de existir, e ainda por cima são antissemitas (eu odeio absolutamente e primariamente TUDO o que é antisemita, tenho repulsa, nojo e asco de qualquer coisa antisemita).

Uma agressão ao povo judeu ou ao estado de Israel me deixam completamente embasbacado, por muitas razões, dentre as quais porque eu já morei lá, trabalhei lá, tenho amigos lá, e compreendo um pouco a história do povo judeu e já li muito sobre o assunto. E antes que comece o chororô também tenho amigos muçulmanos e sauditas além de árabes cristãos que hoje vivem em Israel.

É muita falta de empatia e de bom senso querer expulsar todo mundo dali ou querer exterminá-los (de novo). Sim eu sou um pouco ou muito sionista. A maioria dos valores que temos hoje em dia no Ocidente tem ali seu berço e qualquer tentativa de ataque ou destruição de Israel eu considero um ataque à nossa civilização ocidental, como eu já li num artigo: os judeus são os canários do mundo, quando todo mundo começa a atacar eles e eles são a buxa de canhão dos problemas do mundo, a coisa vai feder em algum lugar (o canário é uma alusão à ave que os mineradores levavam em gaiolas para as minas, se o ar ficasse tóxico o canário morria rapidamente e o mineiro sabia que tinha que sair dali o mais rápido possível). Não tenham dúvida de que se um dia Israel ou EUA caírem, todo o Ocidente vem abaixo. E estou falando tudo isso e não sou judeu nem nada, nem religioso eu sou.

Esse tipo de coisa somente o individualismo, o objetivismo/egoísmo (de Ayn Rand) e o anarco-capitalismo de Rothbard e Bastiat me salvaram. Eu poderia ser mais um imbecil alimentando um dos dois lados ou qualquer outro coletivo no Brasil, mas não sou. Vi com meus próprios olhos, meus amigos perdendo anos e anos nessas coisas, estão parados no tempo, com o mesmo discurso, com a mesma luta, mas pessoalmente nunca se tornaram pessoas melhores, mais capazes, que produzam mais ou que sejam mais ricas ou mais úteis para outras pessoas.

Você tem que começar a desconstrução coletivista que há em você (se ainda há) e ler sobre coisas importantes como o Estoicismo e recomendo que também o Objetivismo e o anarcocapitalismo. A esmagadora maioria dos vencedores que estão aí hoje venceram sozinhos, sem ajuda de coletivos, venceram por méritos e trabalhos próprios, suor, dedicação, luta, trabalho. Veja caras como José Aldo, Mike Tysson, Stallone, Arnold, centenas de atletas por aí, que venceram, se eles podem você também pode, veja o Neymar, Romário, Rivaldo, Bebeto, existem milhões de exemplos de atletas, empresários, atores, empresários e etc. Todo mundo venceu sem precisar de cotas, direitos, privilégios e gritos gasguitos com placas e faixas nas ruas.

Você precisa resgatar a sua individualidade se quiser vencer. Essa é a mensagem. Você precisa acreditar e trabalhar em você. Você precisa crescer, estudar e só você tem esse poder de mudar, de crescer, de ser alguém e de ir mais longe. Só você tem o destino da sua vida nas suas mãos. Você é responsável por você mesmo, você é o seu agente de mudança, você é o seu passaporte para o futuro, você é que vai determinar tudo. Pare de colocar culpa no governo, nos sistemas, nas pessoas. Páre de reclamar, páre de achar que o mundo ou que alguém lhe deve alguma coisa, páre de culpar sua família, seus amigos, namorada, esposa, trabalho. Pare de reclamar de absolutamente tudo. Reclamar virou uma doença. É uma doença, e o doente é quem reclama. Não reclame, trabalhe. Apenas trabalhe e melhore. Evolua, tome o destino da sua vida nas suas mãos, todos os dias, todas as horas, é você quem manda e que sempre mandou, deixe o passado para trás e olhe o futuro, não há muita coisa pra se fazer que se mude o passado, mas há tudo por fazer para mudar o seu futuro, e começa agora, todos os momentos infinitos do próximo minuto. Você é capaz, basta se dedicar. Eu confio no ser humano e eu confio em você.

Grande abraço pessoal,

Frugal.

35 comentários:

  1. Parabéns FS pela sua história de vida. Também acho um saco esses movimentos de minorias. Continue assim, está de parabéns.

    Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu Cowboy, espero que alguém que leia isso aqui não perca seu precioso tempo com esses movimentos que nada ajudam cada um a melhorar de vida. Um abraço!

      Excluir
  2. Que postagem excelente Frugal,

    Eu acredito que a sua história de vida ficaria bem através de um livro.

    Muito sucesso pra você, abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu meu amigo!
      Quem sabe daqui a uns 60 anos esse livro possa sair.
      Abraço!

      Excluir
  3. Cara, que post! Meus parabéns!
    Ainda voltarei aqui para comentar com mais calma seu texto.
    Por hora, só digo que foi um dos melhores posts que li nos ultimos tempos e muito alinhado com minha mentalidade.

    Abraços

    ResponderExcluir
  4. Parabéns pela História FS, você reside aqui no Brasil mesmo?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Opa Sem Noção, por enquanto sim, eu estou arranjando as coisas para sair entre 5-10 anos a partir desse ano. Já tentei sair mas ainda não deu certo e já morei praticamente um ano fora somando todas as viagens. Obrigado.

      Excluir
  5. Muito legal a sua história. Realmente, no Brasil chegamos a um ponto onde as pessoas são constantemente induzidas a tomar posições ideológicas ou políticas sem mesmo saber o porque, e nunca desenvolveram capacidade de analisar criticamente a posição A ou B e avaliar o impacto sobre suas vidas ou a sociedade.
    Por outro lado, acredito que não podemos focar só no individual. Todos deveriam participar mais ativamente do processo político, pois que não gosta de política fatalmente acabará governado por aqueles que gostam.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Samurai, dá até pra participar sim, mas mantendo a sua independência e individualidade e não ser cooptado e conduzido como gado para garantir interesses de alguns.

      E também primeiro vc tem que ajeitar a sua vida pra depois participar. Não adianta tentar participar dessas coisas quebrado, sem estudo, sem emprego e etc. Primeiro vc se salva, depois tenta ajudar a melhorar alguma coisa fora da sua casa. Abraço!

      Excluir
  6. Excelente post amigo Frugal, parabéns!
    Em parte, me vi neste post com relação a sua história de vida, e em relação a coisa que estou me direcionando.
    Uma verdadeira história de sucesso e motivação.


    Sucesso, abraço!
    Bagual

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu meu amigo, eu acho que o exemplo também inspira e não apenas as teorias dos números. Um grande abraço!

      Excluir
  7. Ótimo texto, mais uma vez. Concordo com Stifler, quando comentou que essa guinada rumo ao empreendedorismo fez você saltar para um novo patamar de lucidez. Posso afirmar sem erro que você sua contribuição já é relevante e lembrada por muita gente de nossa finansfera.

    Me identifico com uma parte considerável das leituras que você mencionou, bem como em relação ao envolvimento com o instituto Mises. Mas não havia ouvido falar nesse site "meusucesso", vou conferir com certeza. Empreender, no sentido estrito de idealizar e operar um negócio, é o conceito que mais identifico com realização pessoal. Estou certo de que o frio na espinha que você está sentindo com a franquia é uma sensação inigualável!

    Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É mascada, o site meusucesso é apenas 75 reais por mes. Vale a pena pagar um mes e ver alguns documentarios.

      O bom é que não é teoria é a prática e vc vê o próprio cara falando, então é uma coisa que uma pessoa normal, do povo nunca teria acesso a saber de perto e com detalhes a vida de alguns bilionários. Isso faz a distancia entre eles e vc diminuir um pouco. Não é impossível e o tanto que vc melhorar depois disso já é ótimo.

      Excluir
  8. Belíssimo post, Frugal. Ser individualista ao extremo e não esperar absolutamente nada de qualquer coletivo (empresa, governo, sociedade etc.) também me parece ser a chave do sucesso.

    Abraços,

    IOTR

    ResponderExcluir
  9. Meu amigo, não sou muito de ler esse tipo de conteúdo, só leio sobre finanças. Mas gostaria de me aventurar mais. Poderia me indicar um livro para começar a ler?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bufunfa já fiz um post sobre livros. Procura aqui na timeline que vc vai achar. Abraço!

      Excluir
  10. Frugal, estava sentindo saudades de posts como esse.

    Eu comecei a acompanhar seu blog e, em consequência, do Raiam Santos. Vcs tem uma linguagem parecida e que eu me identifico muito. Mas ultimamente vc tinha deixado de lado a filosofia de vida como vc retomou agora. Muito obrigado por voltar a sacudir minha cabeça e me lembrar de princípios que eu acredito.

    Sucesso no seu empreendimento. Para vc ver o que me ensinou, uma pequena relação:

    1) Blog do Raiam dos Santos;
    2) Ayn Rand, a revolta de atlas está sendo lido;
    3) estoicismo e cuidado com vc mesmo;
    4) reforçou minha forma de pensar e me fez sentir mais seguro que estava no caminho certo, principalmente econômico, que hoje está começando a andar (juros compostos é uma arma de construção em massa).

    Meu sincero e feliz muito obrigado mesmo!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. LEgal ouvir isso Robson. Eu acompanhava ele há algum tempo atrás mas parei pq acho que o publico dele é bem mais novo, mas tudo bem.

      Muito sucesso na sua jornada. Boas fontes e boas companhias sao o principal. Aqui na blogosfera o pessoal é muito bom de verdade.

      Abraço!

      Excluir
  11. Olá Frugal!

    Bela mensagem meu caro! E o que você nos contou pode certamente ser sua biografia! Parabéns pela sua história de vida!

    Algo em que acredito é que se todos focarem no individual, buscarem serem melhores, o coletivo só tem a ganhar!

    Abraço e sucesso!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu Ingles.

      Teve um post do Kanitz que li há muitos anos atrás que me ajudou a mudar de vida. Ainda vou colocar o texto dele aqui e dissecar. Basicamente era isso mesmo.

      Excluir
  12. Que bom poder ler um post com conteúdo. Muitos na finansfera se preocupam apenas em postar evolução patrimonial ou então fazer o máximo de posts vazios possíveis para contabilizar centavos no adwords.
    Parabéns pelo post com uma mensagem verdadeira.
    Eu também acredito muito mais no individuo do que no coletivo. Se todos trabalhassem individualmente para serem os melhores, o coletivo seria automaticamente melhor. O problema é que, quando você se torna parte de um grupo, você começa a se nivelar por baixo, e não por cima. Esse é o motivo que torna comunismo impossível de ter sucesso como método de governar pessoas. Basta uma pessoa folgada ou sem ambição para o navio afundar.
    É fácil culpar os pais por não ter tido incentivo, o governo por não ter dado oportunidade, a sociedade pela falta de direitos, Deus pela falta de milagre. Difícil é olhar no espelho, reconhecer seus fracassos e fraquezas, e buscar ser uma pessoa melhor. É mais fácil curtir um post no facebook ou ver um filme na netflix e deixar o coletivo te arrastar na direção que ele quiser (e depois reclamar que não está onde gostaria).
    Parabéns por ter superado suas próprias limitações e estar trilhando seu próprio caminho. E obrigado por dividir a jornada conosco.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu meu amigo. Obrigado pelas palavras.
      Eu escrevo aqui para poder mostrar que é possível vencer sim, tomando as atitudes e os pensamentos corretos, e que isso é também uma questão de escolha.

      Excluir
  13. Excelente post, Frugal!

    Sua história eu já conhecia há algum tempo, agora um pouco mais detalhada. E ratifico tudo o que já falei a você. Você merece muito o que conseguiu, tanto em conquistas materiais quanto intelectuais. Não é fácil sair da bolha coletivista.

    Você conseguiu em um post resumir muito, mas muito do que escrevo há tempos em meu blog. E por coincidência, esse final de semana eu revisitei e atualizei a postagem de "A Nascente", que fala exatamente da batalha intelectual entre o coletivismo e individualismo.

    Você virou agora um empresário. Não deixe fazerem com você o que faziam com o Roark.

    Se tiver um tempinho para ler em seu curto dia agora, o link está aqui. Vc vai se lembrar de alguns discursos incríveis lá: http://www.viagemlenta.com/2014/09/a-nascente-ayn-rand-o-padrao-moral-entre-o-individuo-e-o-coletivo.html

    Grande abraço, sucesso, e obrigado pelo post!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Grande André, blz?
      Esse seu post está muito bom. Eu compartilhei ele no meu facebook e o pessoal gostou muito.
      Esse livro é muito bom sim, depois dele que veio A Revolta.
      Ayn Rand não se conformou de não terem entendido plenamente a sua mensagam na Nascente.

      Eu tenho A nascente em paperback em casa. Vou ler sim.

      Abraço amigo!

      Excluir
  14. Fiquei tanto tempo sem acompanhar seu blog, e quando volto me deparo com este post. Que post épico!

    Parabéns Frugal, tanto pelo conteúdo quanto - e principalmente - pela sua história de vida.

    Abs amigo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Grande TR!
      Os seus post tb estão cada vez melhores.
      Obrigado e fico feliz pq vc gostou do texto.

      Abraço!

      Excluir
  15. Respostas
    1. Valeu ST, estou um pouco sem tempo ultimamente para manter a frequência de posts, mas vou prezar pela qualidade. Abraço!

      Excluir
  16. Olá Frugal.
    Este é o post que eu aguardava por pouco mais de um ano. Já comentei aqui que, após conhecer o seu blog, houve uma reviravolta em.minha mente.
    Eu comecei a sentir muito incômodo comigo, com a vida que estava levando, e pelo fato de deixar "a onda me levar".
    Sempre tive uma auto-critica forte, e ela ficou ainda maior, no sentido de querer, sempre que possível, elevar os meus padrões.
    Realmente, ess parte do coletivo faz as pessoas se autonivelarem umas pelas outras, e nem sempre o próximo é um bom ponto de referência. Comecei a questionar uma infinidade de coisas que eram mantidas no "status quo", e tive a impressão de que comecei a "raciocinar por mim mesma", e ter as minhas próprias conclusões, vividas por mim e sem atravessadores. É uma parada encantadora, incrível. E em muitos momentos sinto a dificuldade em encontrar pessoas que duvidam daquilo que os olhos veem, para ir mais afundo no que reside nas entrelinhas e que descobrimos através de nossas análises internas, de acordo com nossas vivências.
    E junto a isso, juntando o conceito da Matrix
    Sem palavras...
    Quando comecei a realmente focar e confiar em mim, muita coisa começou a mudar. Vejo que eu sou e tenho a capacidade da mudança. Por ter tido uma infância e adolescência repressora, alguns medos se instalaram, porém, estão indo embora, um por um.
    No trabalho, voltei a nivelar-me por mim mesma, tratar um cliente e seu problema como eu gostaria que meus assuntos fossem tratados. Fui enxergada na empresa e promovida. Mesmo tendo ali, gente que sabe mais coisas técnicas do que eu, ouvi do meu chefe: "não é o saber, mas a sua postura e atitude. Porque quando vc não sabe, sempre vai atrás. E pra vc supera-los é questão de tempo. Eles estão estagnados, vc encara as buchas e muitos elogios diretos ao seu nome encheram o Fale Conosco... continue assim e daqui um tempo terei novidades pra vc...'

    Ou seja, a roda começou a girar, e o "start" foi com a leitura do seu blog. Agradeço profundamente pela sua propagação de conhecimento e pensamentos.
    Lila

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Lila! Fico muito feliz com o seu comentário. É muito bom quando a gente sente o poder de ter nossas vidas em nossas mãos e nada mais. Vc se fortaleceu bastante e chamou a responsabilidade para si e foi responsável pelo seu crescimento, é disso que eu falo, basta apenas vencer a si mesmo. Continue em frente, trabalhando em você que o resto vem como uma recompensa natural.

      Um abraço!

      Excluir
  17. Cara, post fantástico, nem tanto pelo que você passou, mas pelo seu jeito de narrar !!! Vou te confessar uma coisa, quando eu via o seu blog em inglês cheio dos paranauês, nem me importava tanto de ler, e aqui no blogspot me deleito na leitura de seu blog, pelo jeito vários outros leitores gostam daqui rsrss vai entender

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Grande Stifler, a intenção era eu melhorar mais o meu inglês escrito, mas dei uma parada nisso por um tempo. Mas decidi transferir tudo pra cá e manter. O pessoal aqui ainda não estava preparado para parar e ler em inglês.

      Abraço!!

      Excluir
  18. Que post Frugal, hein! Estava inspirado hehehe. Concordo com diversos pontos de vista seus, principalmente quanto ao individualismo. O fato de sair de casa aos 17/18 anos foi o que me deu força para vencer sem depender de ninguém. Ps: também gosto de ver filmes e focar em histórias reais, a do Disney se resume a uma palavra: persistência! Abraço!

    ResponderExcluir
  19. Post Muito Legal FS.
    Gosto muito de desenvolver a individualidade e acho isso extremamente importante. Porém não retiro a importância de trazer esse desenvolvimento pessoal, aplicando-o ao coletivo, de forma a transformar inicialmente a si mesmo e, a partir disto, o mundo no qual você vive.

    Entendo que o empreendedor que gera empregos, agrega valor por meio de produtos e serviços, gera impostos, etc, sem dúvidas transforma seu mundo.

    Eu dedico muito tempo para me aperfeiçoar.
    Claro que busco um cargo que pague mais, mas, embora muitas pessoas não acreditem, busco uma função na qual me sinto bastante útil. Acho isso muito importante.

    Abc

    ResponderExcluir