Translate

sábado, 15 de abril de 2017

Comprando fundos imobiliários no exterior: VNQI

Olá amigos!

Passei a semana sem postar porque meus últimos dias tem sido muito corridos.
Hoje vou falar um pouco da minha carteira internacional.

Coloquei 90% em stocks de ações e ETFs e 10% em REITS (pensando em colocar 10% entre ouro e bitcoin e baixar pra 80% as stocks) que são como são chamados os fundos imobiliários no exterior, na verdade um REIT é uma stock comum, os REITS podem ser empresas gigantescas com milhares de imóveis, podem fazer grandes dívidas, se alavancar muito mais e etc. Enfim, saiba que um REIT é uma empresa que trabalha com imóveis, locação, venda, construção e não apenas com prédios comerciais, faculdades, hospitais, shoppings como vemos por aqui.

Um REIT pode ser tão complexo quanto plantas industriais, data center, asilo de idosos, grupos hospitalares inteiros, depósitos de lixo, usinas de reciclagem, e por aí vai. É um verdadeiro mundo a ser desbravado pra quem quer estudar e investir nisso no exterior.

Como sou novo, minha alocação no exterior é mais concentrada em ações mesmo, que são as de empresas não-imobiliárias, mais concentrado em ETFs passivos de índices e de preferência sem a distribuição de dividendos para não ser mais taxado. A renda fixa no exterior é risível, Europa está pagando juros negativos ou zero, EUA pagam até 3% ao ano, mas quase que empata com a inflação de lá, e fora o imposto, enfim, se já não gosto muito da RF no Brasil imagina no exterior.

Reits são ativos reais, e é o que prefiro investir mesmo.

Veja só os países que tem REITS pra investir e o ano em que começou:





A desvantagem de investir em reits para nós é pagar 30% de imposto sobre os dividendos recebidos. Se bem que eles pagam muito menos impostos pros governos de lá do que os nossos pagam pro governo daqui. Enfim, a desvantagem tributária de investir em reit é muito grande, por isso não acho que valha a pena concentrar muito a carteira no exterior em reit. O investimento nesse tipo de ativo pode não ser tão lucrativo no longo prazo como as ações, mas não deixa de ser um ativo real, estável e menos sujeito a variações bruscas de valor da cotação. Essa é uma vantagem, a de diminuir a volatilidade da carteira.

Há quem prefira estudar REITS, ler livros e relatórios e montar sua própria carteira de reits. Pra mim não acho que valha a pena, seria muito trabalho pra pouca carne, até porque estou investindo apenas 10% da carteira internacional nisso, e ela vale 50% da carteira total, o que dá 5% do total geral. Pra não sofrer muito dividi em dois ativos, o SCHH e o VQNI. O SCHH é um ETF de REITS que investe em REITS situados nos EUA. O VNQI investe em reits espalhados pelo mundo como vou mostrar (mas não investe nos EUA, ele é "ex-EUA") - Quando alguma coisa diz que é "ex-EUA" é porque está fora dos EUA e assim por diante.

Se você quiser conferir a página do VNQI na Vanguard clique aqui: https://personal.vanguard.com/us/funds/snapshot?FundId=3358&FundIntExt=INT

Primeira coisa que você tem que saber do VNQI é em qual índice ele investe e qual é a metodologia do índice:


A idéia de investir em REITs é esperar um retorno melhor do que os bonds (renda fixa) e pior do que ações (no longo prazo falando) e ser um investimento em ativos reais também.


Recortei alguns trechos que acho importante falar do VNQI.

Esses são os principais países onde o VNQI investe:





No quadro abaixo podemos ver a alocação geral nos diversos continentes e alguns indicadores fundamentalistas, note que são 670 empresas, diversificação excelente.

O P/L está em 12.2 (P/E em inglês).
O P/VPA está em 1.1 (P/B em inglês - Price to book ratio)
ROE 10,7%
EGR rate (crescimento do lucro líquido) 10,4%

Considero no momento métricas muito boas.
A taxa de administração desse ETF é de apenas 0,15% ao ano, muito baixa e muito boa para nós sardinhas.





Abaixo um gráfico comparativo do VNQI com o SP500 dos últimos 10 anos.
Lembrando que o SP500 mandou muito bem nos últimos 10 anos.




Aqui abaixo uma pequena comparação dos vnqi com o vnq. O VNQ é o ETF de reit da Vanguard nos EUA como já falei. Ele tem números melhores que o VNQ, mas também é mais caro, pois como já dizia Friedman, "não existe almoço grátis". Note que o VNQ vem performando bem melhor do que o VNQI, mas assim como o SP500, o VNQ pegou uma época muito boa nos EUA que foram os últimos 10 anos (o pós crise-2008), e a gente sabe que depois de uma crise muito grande os mercados se recuperam muito, levando os indicadores a níveis muito acelerados que talvez não fosse tão foguetes se não houvesse uma crise precedente.

Minha escolha do SCHH sobre o VNQ é que o SCHH tem um yield menor e uma menor taxa de administração, mas eles investem basicamente no mesmo índice de reits.




Uma pena não haver um fundo imobiliário no Brasil com baixa taxa de administração e que comprasse todos os outros fundos para espelhar o mercado.

Por enquanto é isso pessoal, apresentando um novo produto.

Grande abraço!
Frugal.

3 comentários:

  1. Acredito que até o fim do ano estarei aportando no exterior.
    Valeu frugal

    ResponderExcluir
  2. Boa tarde, Frugal

    Muito bom este seu texto, porém acredito que o investimento em reints no exterior deva acontecer mais por conta da diversificação do que pelo retorno quanto inativo desses paga ao mês??

    E é uma pena que no Brasil este mercado ainda esteja engatinhando se comparado com outros países

    Obrigado pelas dicas Frugal...

    ResponderExcluir
  3. Entrei na página no vnqi e achei bastante complexo os investimentos dele eles possuem 6.1 bilhões de dólares em ativos uma carteira de dar inveja aqui no Brasil... Em seu portfólio parece que eles tbm investem em ações de empresas

    ResponderExcluir