Translate

terça-feira, 21 de março de 2017

Sua vida financeira e sua vida

“Você pode ignorar a realidade, mas não pode ignorar as consequências de ignorar a realidade”. Ayn Rand
Ayn Rand é uma das minhas escritoras favoritas. Eu diria que ela está no TOP 10.
Esse é um post diferente dos demais do blog.
Resolvi fazer esse post porque hoje saiu em vários portais e até na TV uma tragédia muito triste. Um cara matou a mulher e dois filhos pequenos e depois se matou. Essa é a hipótese mais provável. Apesar de ainda ser cedo pra fazer essa conclusão vou fazer o post baseado como se isso fosse a verdade (existe uma possibilidade de não ser).
Uma atitude extrema dessas deve ter sido consequência de uma dor na alma e um sofrimento inimaginável no cara. Pode ser que ele tivesse alguma doença mental associada como depressão ou transtorno bipolar também, que são grandes causas de suicídio, mas vou escrever como se ele não sofresse com essas doenças.
Finanças é um assunto que deve ser levado a sério.
E você tem que levar FINANÇAS muito a sério. Isso NÃO É BRINCADEIRA.
Todo o seu trabalho, sua vida de estudos, a sua profissão, a paz da sua família, a sua própria paz, TUDO DEPENDE DISSO.
Quem já ficou desempregado sabe do que estou falando.
Eu vou falar da minha experiência de desemprego.
Já fiquei SEIS MESES DESEMPREGADO.
Sim, mesmo me esforçando, sendo leal à empresa, mesmo fazendo tudo certinho fui SUMARIAMENTE DEMITIDO apenas por inveja, besteiras e intriguinhas tão ridículas de colegas de trabalho e chefias e sub-chefias acima que tudo se juntou numa coisa só e quando eu soube já era muito tarde. Não quiseram nem mesmo escutar minha defesa ou versão. Eu já não importava mais.
O sentimento do desemprego é muito ruim. Você sente o fracasso, você não espera mais o salário no fim do mês, você passa o dia todo procurando emprego no PC e falando com amigos, você reage das mais diferentes formas e eu apesar de ser um cara bem otimista fique bastante pra baixo durante todo o tempo que fiquei desempregado, e ainda uns 5 meses depois no meu novo emprego. O sentimento de injustiça também é muito ruim.
Minha sorte é que eu tinha uma pequena reserva que deu pra pagar as contas tranquilo nesse tempo de desemprego.
PRIMEIRA LIÇÃO: JUNTE 12 MESES DE CONTAS PAGAS NA POUPANÇA.
Isso vai lhe dar paz para mudar de área, empresa, ou superar um desemprego e esperar se recolocar no mercado. Isso pode ser a diferença entre sua vida e um possível suicídio como o relatado.
Não adianta fechar os olhos para a realidade. Todos estamos sujeitos à sofrer GIGANTESCOS REVESES na vida, sejam pessoais, profissionais, de saúde ou de coisas na família, ISSO NÃO TEM COMO CONTROLAR. Você tem que estar preparado para muita coisa, e mesmo que não aconteça nada você fez a sua parte.
Vejam, o cara que se matou tinha curso superior e a esposa também, ele era engenheiro da TIM, tinha cargo de chefia e muitos anos de empresa, e ela era do Marketing, ambos empregados. O cara ficou muito preocupado com o desemprego, as contas da casa, o plano de saúde da família e sua recolocação profissional, além de mencionar alguns conflitos no trabalho. Moravam num prédio de classe média alta na barra, no Rio.
Eu fico me perguntando, dentro da pequena galáxia particular na minha cabeça:
1- Será que o cara se preparou pra casar? (preparação financeira)
2- Será que ele tinha reserva de emergência?
3- Será que economizava e aportava todo mês?
4- Será que a mulher ajudava a economizar ou ela simplesmente destruía o patrimônio dos dois?
5- Será que ele tinha e seguia um plano de LF no longo prazo?
O mundo é FODA, e a vida é FODA. Bastam alguns deslizes na sua vida para tudo ruir, um casamento, seu patrimônio, a confiança de sua família, filhos, tudo. Simplesmente tudo. Na época da febre da OGX teve muita história famosa: homem que vendeu o ap da família pra investir e acabou tendo que morar com o sogro, gente que pegou dinheiro emprestado do cunhado e fez all-in de ogx, cara que pegou todo o patrimônio da família, quebrou, e a mulher o deixou.
Sinceramente, quando um homem quebra num casamento, GERALMENTE, o casamento acaba (feministas me poupem). Já vi isso acontecer. Fale o que falar. O homem é o provedor. Pouquíssimas mulheres irão aceitar continuar casadas com um cara que lhes dava tudo do bom e do melhor e agora não tem nem dinheiro pra comprar um ovo.
EU JÁ VI ISSO DE PERTO, ALGUMAS VEZES.
A vida não é um romance, não é um sonho, não é força e garra e isso e aquilo.
A vida não é o Toddynho gelado que você pega embaixo do congelador quando chega em casa.
A vida não aceita desaforo.
Dinheiro não aceita desaforo.
Proteja-se. Poupe. Aporte. Estude finanças. Aprenda. SOBREVIVA.
Você acha que EU INVISTO PARA ENRICAR? NÃO!
Quem já foi pobre sabe, O QUANTO É HORRÍVEL SER POBRE. Pobre de ter que escolher se quem come o frango do seu prato é você ou seu cachorro magro. Sim, eu vivi pra viver isso.
A gente investe PRIMEIRAMENTE para uma única coisa: NÃO EMPOBRECER.
É isso. Basicamente é isso. Não empobrecer. Esse é o segundo desafio da vida.
O primeiro desafio da vida é SUPERAR A POBREZA.
Eu não imagino, não almejo, não acho que todos vocês e sequer eu mesmo irão atingir a LF, vão ser ricos, vão passar verão em Floripa em Janeiro/Fevereiro e depois verão na Flórida e Europa em Julho/Agosto.
Tudo que eu queria era que vocês tivessem mais consciência. Por que tudo isso é sobre a morte, a saúde, a doença e a estabilidade e continuidade de nossas famílias. Você não merece ficar por aí abandonado, sujo, triste e faminto igual a um cachorro de rodoviária. Muitos mendigos tem histórias parecidas pra contar, e algumas passam por isso. Muitos casamentos acabam por causa de finanças, muitas relações entre pais e filhos, entre irmãos e entre famílias maiores em geral – as pessoas inventam coisas, mentem, dizem que você é mau caráter, xingam seus sobrinhos, desrespeitam seus mortos, queimam você para outros membros da família, vão na justiça, processam-se uns aos outros nos tribunais, brigam na porrada, na faca, na bala, vão pra delegacia, vez ou outra tem assassinato ou uma mutilação grave que deixa sequelas.
Homens mandam matar filhos pra não pagar pensão alimentícia.
Mulheres mandam matar os maridos pra ficar com a casa (ou todos os bens).
Mulheres mandam matar o marido pra ficar com dinheiro do seguro de vida.
Filhos matam os pais para ficarem com herança.
Filhos desejam em segredo a morte dos pais pra ficar com a herança.
Netos desejam em segredo a morte dos avós pra ficar com a herança.
Maridos mandam matar a mulher porque querem se separar e não dividir o patrimônio.
Maridos mandam mulher abortar pra não pagar pensão alimentícia.
Homens matam mulheres grávidas pra não pagar pensão alimentícia.
E tem muito mais do que isso. São só exemplos do cotidiano.
O substrato é sempre o mesmo: DINHEIRO.
Todo dia tem notícia que é mais ou menos por aí.
TUDO ISSO POR CAUSA DE DINHEIRO.
Você tem que fazer bem a sua parte.
Grande abraço,
Frugal.

Nenhum comentário:

Postar um comentário