Translate

domingo, 19 de março de 2017

O que fazer quando ninguém lhe dá crédito?

O que fazer quando ninguém lhe dá crédito?
Essa é uma boa pergunta que vou direcionar aqui pra pessoa física.
Eu fico impressionado, analisando a minha própria história pessoal de como foi difícil alguém me dar crédito na minha vida, de todas as formas, seja em aspectos financeiros, educacionais, familiares ou amorosos. Existe muita gente boa e com potencial muito grande por aí apagado simplesmente por falta de crédito seja ele qual for ou sendo desprezado com qualquer fator.
Não sei se é o fator país, se a confiança do pessoal é mesmo baixa com as outras pessoas ou se era eu mesmo que nunca passei credibilidade, mesmo com um histórico limpo. O certo é que tudo foi muito difícil quando muitas vezes poderia ter sido um pouco facilitado se acreditassem mais em mim, e poderia certamente ser mais fácil se acreditassem mais em você, mesmo sem garantias de nada, nem promessas.
O fato é que o seu crescimento pessoal depende quase que inteiramente de você, mesmo com poucos recursos nunca foi tão fácil crescer na vida, com o poder de um PC, um tablet ou um smartphone você pode chegar muito longe do que jamais imaginaria, isso com um custo modesto. É incrível como no mundo de hoje você pode subir muito na vida apenas com o poder da internet.
Me lembro que na minha infância era bem caro comprar aquelas listas de materiais escolares da infância, apesar de estudar em colégio particular de bairro bem simples, as listas eram bem caras e ainda mais para três filhos. O próprio material didático e fardamento já eram uma dificuldade imensa de se arranjar para os filhos ali na década de 90. Já no ensino médio eu aprendi a me virar com pouco dinheiro e comprando livros usados em lojas no centro que vendiam LP, camisa de banda de rock, livros do ensino médio e outros, assim como revistas e mais coisas, fiquei inclusive amigo dos camelôs e tinha telefone de alguns deles. Naquela época, sem celular (apesar de já ter no mercado) eu ligava de cartão de orelhão (muita gente nem sabe o que é isso), levava meus livros antigos e tentava trocar por livros novos do outro ano, tinha muito livro bom e quando o cara é realmente quebrado o cara pesquisa e valoriza isso.
Voltar pra casa num ônibus com uma mochila lotada de livros para estudar o ano todo era uma sensação muito boa. A internet ainda engatinhava e tinha poucos sites para o estudo. Quando você tem pouco dinheiro, tem que procurar fazer a sua parte, estudar, trabalhar, viver com pouco e seguir adiante, isso se chama resiliência.
Hoje em dia nos tempos de redes sociais a gente acaba perdendo um pouco a individualidade em detrimento de um eu virtual que não somos nós e sim uma extensão eletrônica de nossos pensamentos, perdemos muito tempo em redes sociais e esquecemos de focar em nós mesmos, além do voyeurismo que faz com que nos sintamos diminuídos de tanto ver fotos de amigos em viagens, em restaurantes, na praia etc.
Parece que todo mundo vive na novela das 8 menos você, exceto se você também se comportar assim. Imagina pra mim que passei 90% da minha vida que morei numa cidade praiana e hoje não moro mais, é muito difícil, essa ligação com a terra natal e com o mar em si é muito forte e gera muita angústia.
Vamos falar sobre o crédito em si. O que eu chamo de crédito aqui é como se fosse o reconhecimento por você ser a pessoa que é que vai se tornar e ninguém reconhece. Você é forte por dentro e nem sabe, as pessoas te vêem fraco por fora e tem certeza disso, é uma época muito foda. Não tenho como ficar aqui dando conselhos teóricos de coisas que eu nunca vi ou nem sei, acho que o melhor exemplo que posso dar sou eu mesmo e também o conhecimento de pessoas como eu que saíram do zero ou do negativo e hoje estão no caminho do milhão inexoravelmente, estou me referindo a quem nasceu pobre, de família sem herança, comércio ou emprego garantido.
Essa galera vai ficar desacreditada até que consiga alguma coisa, porque na real, só os resultados garantem o reconhecimento, e esses resultados de forma consistente demoram muito tempo para aparecer, uns 15-20 anos contínuos de estudo, abdicação, resignação e esperança num futuro melhor. O mais incrível é que você nem se dá conta, na escola você tinha resultados expressivos mas as meninas que você gostava quase nunca lhe deram bola, sua moral fica bem baixa, se você tiver amigos que tenham famílias numa melhor condição, morando em condomínio com piscina, quadra, etc, carros novos, que andam com roupas melhores e frequentam lugares legais a coisa fica pior ainda, efeito potencializado com o uso de redes sociais como Instagram e Facebook, que felizmente não tinha na minha época há 15 anos atrás, únicas redes sociais eram IRC e ICQ que dificilmente eu acessava.
Mas e então, você está nesse lugar ainda sem resultados, sem dinheiro, sem crédito, sem ter como crescer, faça o que puder, com o que tiver em mãos, onde estiver, peça alguma ajuda aos familiares, permaneça no foco e lute. Concentre-se bastante no seu foco, um vestibular pra uma faculdade pública, um concurso público, um pequeno negócio, tudo isso leva embora umas boas 14h do seu dia se você estiver realmente disposto.
Mesmo dentro da faculdade você tem que estudar mais que os outros, fazer um bom currículo, monitoria, ficar fluente pelo menos no inglês e mais outra língua como espanhol, alemão ou francês por exemplo, para arrumar um emprego rápido ou melhor ou fazer uma pós no exterior, além de ter que trabalhar bem e ser responsável para fazer um bom network e aumentar seu crédito futuro, para depois de tudo isso começar a estudar investimentos e aportar visando sua independência financeira futura, a estrada é muito longa, mas é factível, é plenamente factível, no mais tudo que você precisa controlar é o seu tempo, a sua disposição e ter um computador com internet e fone de ouvidos, um lugar pra dormir e fazer 3 refeições por dia, apenas com isso você já tem a receita para vencer.
Domine o computador e saiba muito bem o inglês, essas duas coisas lhe dão infinitas fontes no mundo todo: aulas no youtube, aulas no Coursera, Udemy, FutureLearn, Edx, Khan Acadhemi, EdX só para começar. Ainda tem dezenas de aplicativos ensinando inglês, ensinando como programar, ensinando matemática, tem a wikipédia para conhecimento geral, tem o google e tudo o mais. Você só precisa vencer a si mesmo e permanecer no curso que a sua hora vai chegar.
Tudo depende apenas de você, essa é a grande verdade, esqueça o noticiário e a conjuntura do Brasil ou do mundo, tem gente vencendo aqui neste exato momento, gente prosperando, gente criando riqueza, criando valor, gente trabalhando muito, estudando muito, aportando muito e confiante num futuro melhor.
Quando ninguém me deu crédito confiei em mim, segui firme rumo ao meu destino mesmo sem saber. É engraçado, hoje em dia eu poderia comprar um carro zero km com apenas 3 meses de meu salário líquido, e passei 25 anos andando de ônibus, vendo as pessoas passarem dirigindo, levando chuva na parada de ônibus, ficando tarde da noite esperando horas um ônibus passar com medo de ser assaltado e hoje em dia um carro me é tão fácil de comprar.
Por que não facilitaram um carro pra mim quando eu estava na completa merda? Por que eu não era ninguém, precisava crescer para isso. Vou ficar culpando o mundo? Não! Vou pegando empréstimos agora para ter bens materiais e pagar com juros altos para um futuro incerto? Não! A gente tem que aprender a viver na nossa e dentro das nossas possibilidades pessoais e financeiras. Quantas meninas deixei de ficar por que não tinha roupas legais ou um carro popular pra levar pra lá e pra cá? Muitas. Certamente. Sem coitadinho, machismo, feminismo ou coitadismo apenas por que o mundo é assim mesmo.
Um outro evento bizarro da minha vida foi a negativa em ter o financiamento bancário para comprar o meu apartamento. Eu já estava formado e bem empregado no setor privado, solteiro e sem filhos gastando 10% da minha renda pra me manter e guardando 90%. Os ridículos bancos CAIXA, Banco do Brasil e Itaú me negaram um financiamento de 80% do valor do imóvel pra pagar em 10 anos, me deixaram sem nenhuma explicação, a coisa mais ridícula que já vi. Qual o critério que eles usam? Quais os controles? Eu só estava querendo um apartamento mediano, num condomínio num bairro mediano onde só moram operários de fábricas e os putos dos bancos me negaram isso. Assim como passei 3 anos solicitando um cartão Mastercard Black e nunca me deram, e mesmo assim era difícil aumentar meu limite do Platinum. Eu sou um pária no sistema. Aluguei um apartamento pequeno e longe e muito barato, morei durante um ano num nível universitário pra baixo, dei uma super puta entrada no ap que eu queria comprar e paguei o resto do saldo em menos de um ano direto com a construtora e terminei de pagar assim que recebi a chave, assim sem dívidas, sem juros, sem financiamento, sem bancos me emprestando nada (sem me dar o devido CRÉDITO) por eu ser quem eu sou e ter o que tenho.
Por isso não esperem justiça ou clemência no mundo, façam o seu, é horrível ficar sem crédito e pedindo coisas emprestada a bancos e/ou empresas. Agora que se danem, sou sócio de 2 bancos, debenturista de diversas empresas, credor de bancos e financeiras e agora sim que sou o bonitão estão querendo me dar o devido crédito, pois não, um belo obrigado e me paguem vocês os juros pra usar o meu dinheiro, o que é meu eu quero agora tin tin por tin tin.
O mesmo se aplica às mulheres, não poderia deixar de falar nisso, tudo ficou imensamente mais fácil, e ainda o seria se tentasse de novo, é visível o número de arrependidas que nunca saíram do canto e já envelheceram e não arrumaram nenhum cara bacana, do tipo que da maioria que dos meus 15-24 anos me deram incontáveis foras hoje seria bem mais fácil, mas como elas TAMBÉM estão na casa dos 30 anos como eu, meu muito obrigado pelas lições ensinadas, nosso tempo já passou e nossas estradas não se cruzaram, procurem um trouxa recém separado de 40 anos e filhos e ex mulher e pensões porque eu exige pelo menos uns 8 anos a menos que eu.
Estou numa idade em que meus amigos alguns já estão no segundo casamento, segundo filho, as amigas também, algumas já separadas, outras com filhos, no final das contas sobra pouca gente que nem eu, que alterna entre namoros e períodos de solteiro, de bem com a vida crescendo e aportando, isso porque só tenho 30 anos ainda, imagina nos 35 anos quando meu patrimônio praticamente triplicar daqui pra lá, e mesmo assim a estrada vai tranquila, não tive muita coisa, mas também escapei de muita roubada, melhor ser grato à todas as penúrias pra aprender lições valiosas na vida e poder ter todas as leituras e experiências que eu tenho e ter chegado até agora aonde eu cheguei.
Mês que vem vou fazer aniversário e vou me dar de presente 15k líquidos investidos em LFT pra aumentar minha reserva de emergência. No mais umas 4 coronas geladas aqui na varanda de casa antes dormir escutando uma musiquinha já estão de excelente tamanho pra comemorar esta marca.
Espero que tenham entendido que sem crédito nenhum você vai ter que crescer independente disso e fazer o seu, de verdade, sem rodeios, prosperando por dentro, sem alardes, nem choro, nem emoções, nem inveja dos outros. Cada pessoa tem o seu destino, mas também cada pessoa é responsável pelo seu destino. Eu mesmo sei que poderia estar muito melhor se tivesse tomado certas decisões em algumas épocas da minha vida, mas agora não tenho como voltar atrás, o jeito é seguir no plano, não vai dar pra ser 100% perfeito no plano porque invariavelmente você vai ter alguns deslizes pequenos, porém tem que ajustar o curso para fazer o correto. O correto é o correto e você sabe disso.
Grande abraço,


Frugal.

Um comentário:

  1. Muito boa postagem. Eu não estou em situação semelhante a sua, mas também vejo que a maioria das pessoas que estudavam comigo no ensino médio (escola pública), não saíram do lugar, são operários de fábrica trocando empresa a cada dois anos. Quanto às mulheres, rá, a maioria das gatas gostosas são barangas sem futuro.

    ResponderExcluir