Translate

sexta-feira, 24 de março de 2017

Notas sobre a minha Independência Financeira

Vou falar sobre essa estrada de investir para alcançar a liberdade financeira e a evolução que segui dentro dela.
Foram quatro anos inteiros de aportes mensais, muitos livros estudados, muitos sites e blogs visitados, muitos vídeos assistidos e muita preocupação inicial com o projeto, se ia dar certo, se eu ia conseguir chegar lá, se realmente era possível, se não era um sonho distante dentre tantas dúvidas.
No começo a gente fica muito ansioso e faz muitas contas para atingir o objetivo. A verdade é que essas contas todas não servem para nada. O verdadeiro resultado vêm com o tempo, com a mudança nos seus hábitos de vida, com a sua vida frugal e sem excessos e com a sua adaptação ao seu plano, isso é o principal, o dinheiro vira um assunto secundário e coisas como rentabilidade mensal, anual, patrimônio ficam mesmo em segundo plano, eu posto aqui essas coisas apenas para um fim de estudo teórico da parte de vocês leitores, mas não que isso me preocupe muito hoje em dia.
A grande verdade é que não existe um ponto onde sua tranquilidade vai surgir, cada dia trabalhado, cada dia vivido com menos, cada mês que eu faço um aporte fico mais tranquilo. Devo lembrar a vocês que o principal motivo pra qualquer pessoa investir é simplesmente não empobrecer.
A riqueza não é algo natural, é uma invenção do capitalismo, antes disso ninguém precisava acumular patrimônio, a pobreza é que é natural do ser humano, a maioria da humanidade nasce muito pobre e sempre foi assim, cabe a nós mesmos nos prepararmos para sairmos da pobreza e é isso que tento passar um pouco aqui.
Vamos às minhas despesas de 2016 que calculei para esse post:
Gastos 2016:
Condomínio: 350 x 12 = R$ 4200 (inclui água)
Energia elétrica: R$2958 anual or R$ 246 mensal
Plano de saúde: 455 x 12 = R$ 5460 (anual) – (enfermaria)
Diarista: 1200 x 12 = R$14.400,00 (anual) (inclui roupas e refeições em casa e no trabalho)
Celular+internet em casa+Netflix: 248 x 12 = R$ 2976 (anual)
Carro: 600 x 12 (gasolina) + R$ 2800 (seguro) + 1300 IPVA = R$11300 (anual)
Telefone fixo: 26 *12 =R$312 (anual)
Família (doação): R$1400 (mensal) * 12 = R$16.800,00 (anual)
Doação: 125×12 =R$1500 (anual)
Supermercado = 1000 x 12 = R$ 12.000,00 (anual)
Despesas financeiras = 82,5 x 12  (990) + 40 x 12 (480) + 600 = R$ 1630 (anual)
Cartão de crédito = 3000 x 12 = R$ 36.000,00 (anual)
Outras anuidades e impostos = 711 + 500 + 500 + 1000 + 600 + 600 = R$ 3911 (anual)
______________________________________________
Total = R$113.447,00 / 12 = R$ 9454 mensais
Total = U$ 34,377 annual or U$ 2864 monthly
(Lembrando que carro e apartamento estão quitados.)
______________________________________________
R$ 113.447 ————— 4% (TSR)
R$ X              —————100%
X = 100 * 113.447 / 4 =
2.836.175 or U$859,446 (capital total necessário para minha LF)
______________________________________________
Patrimônio atual = R$ 1.100.000,00 (U$333,333)
X= 38,78% (quase em 40% do caminho para a Liberdade Financeira)
Admitindo que cheguei em 40% do caminho em apenas 4 anos, isso dá em média simples uns 10% ao ano, ou seja 10 anos para atingir o ponto de equilíbrio de despesas e receitas financeiras, nesse ritmo.
Colocando no papel eu vejo que hoje em dia essa minha despesa está muito alta (será que subi muito o meu padrão de vida?). Eu sinto que não, mas também não tem nada demais, eu me considero um cara bem mediano nas coisas.
Sei que quase R$ 10 mil (U$3030) por mês é muita coisa, mas você tem que ver a alocação das despesas e que quase 20% dos meus gastos são doação e que eu moro numa cidade muito cara, mais cara do que São Paulo inclusive (uma capital no norte do país).
Se eu morasse na minha cidade natal no nordeste, eu gastaria uns 60% disso.
Eu poderia aumentar meu aporte se simplesmente deixasse de ajudar minha família ou se demitisse a diarista, mas aí são duas coisas que hoje em dia não abro mais mão e além do mais minha taxa de poupança para aportar está em mais de 70%, não precisa espremer demais também para não sabotar o plano.
A fatura do cartão de crédito vem um pouco mais caro às vezes devido às muitas viagens internas pelo Brasil sempre a trabalho ou estudo ou rever a família e também lazer, mas sempre faço tudo isso sem excesso algum, classe econômica, hostel ou hotéis baratos ou casa de amigos para hospedar, inclusive ando de ônibus coletivo quando estou viajando ou uber.
Outra coisa que é lógico é que no caso de casamento e filhos essa despesa vai aumentar muito, então daqui a 5-7 anos com certeza pode estar nuns 15 mil mensais (U$4545) em valores de hoje tranquilamente, porém se a esposa trabalhar e ajudar nas despesas talvez até diminua e nem pretendo parar de trabalhar após atingir o valor calculado, só pretendo diminuir um pouco o ritmo.
Posso dizer que me sinto muito mais tranquilo do que há 3 anos atrás, principalmente por ter uma reserva boa e em saber que dificilmente ficarei pobre novamente (isso é o que mais me conforta).
Bem amigos, o que importa realmente é o processo, a paz da sua mente, o seu compromisso e o seu trabalho árduo e incansável, e ficar de bem com a vida com tudo isso. Hoje em dia estou completamente adaptado ao meu ritmo de trabalho (+de 100h por semana). Não foquem apenas em números, foquem em ficar de bem com a vida e com as suas escolhas, e espere o melhor. Na dúvida leiam livros, vejam documentários, ocupem a mente com coisas produtivas e aprendam cada dia mais.
Invistam na sua profissão também, quanto mais leitura e estudo menos estresse você passa. Estou passando por uma certificação internacional que é muito trabalhosa, melhorando meu inglês, passando em cursos de auditoria para poder melhorar e ajudar na minha empresa e também pretendo tirar outras no mercado financeiro, inclusive fui chamado para compor uma chapa e concorrer a uma eleição num órgão privado para ser do conselho diretor ou do conselho administrativo ou do fiscal (eu com apenas 31 anos, em reuniões onde os demais tem uma média de 55 anos ou mais).
A questão é que quando você estuda mesmo, faz projetos e sugestões e se destaca o pessoal sente que você tem conhecimento e domina o assunto, decora as leis, os regulamentos e os acordos, os convites e outras oportunidades surgem naturalmente, inclusive no governo (coisa que não pretendo trabalhar), não tem como você passar despercebido.
E isso levando em conta que faz menos de 5 anos que cheguei nessa cidade, então não sou daqui, o pessoal se conhece há mais de 3 décadas em muitos casos, e sempre é um pouco mais difícil você chegar um pouco mais longe na carreira longe da sua cidade, sem indicação, sem família, nem amigos, sem networking e nem nada, contando apenas com seu conhecimento e sua habilidade social para se comunicar. Quem se mudou de cidade após concluir o curso superior pode sentir um pouco do que estou falando.
Em qualquer profissão passar para a área de gestão, ou conselhos superiores é um passo a mais na carreira e lhe faz conhecer mundos novos. Porém isso não é o que busco, é algo que surgiu e que não me apetece muito no momento
Meu plano é conseguir ter um ano de 2017 tão bom quanto o ano de 2016, estudar, trabalhar e aportar e continuar tranquilo. Sobre os gastos acho que vão manter-se esses mesmos, subindo apenas o que a inflação subir, sem planos de comprar nada, nem trocar de carro, nem reformar nada, nem comprar nada eletrônico ou despesa maior.
Grande abraço,
Frugal.

Nenhum comentário:

Postar um comentário