Translate

domingo, 19 de março de 2017

Como montar um Portfolio de investimentos no exterior?

Com a alegria de ver minha quantidade de dólares subindo aproveitei o feriadão pra terminar de estudar e montar minha carteira.
Já decidi que vou abrir conta no BB Américas também pra aproveitar a transferência internacional pagando apenas 0,38% de IOF pra quadrilha estatal brasileira, o lado ruim é que vou ter que pagar U$ 15,00 mensal (taxa de conta do BB Américas + mínimo de U$ 10 de comissão de corretagem na Interactive Brokers (o que vai ser bom porque vou fazer 10 ordens de U$ 1 dóllar mensal, assim vou estar sempre diversificado na carteira.
Como montei minha carteira?
Vejam: Essa é uma carteira teórica, eu ainda NÃO COMPREI esses ativos e ainda não possuo a conta na Interactive Brokers. Considerem um exercício de estudo a montagem da carteira.
Bem, primeiro li quase meia centena de livros de autores nacionais e internacionais, além de vários blogs, fóruns também no Brasil e no exterior.
Vamos falar aqui somente do exterior agora:
O fórum bogleheads.org me ajudou muito. O blog e o livro Early Retirement Extreme também, assim como o blog do Mr. Money Mustache (thanks man, I saved a lot of money because of you) e também o blog e o livro do Simple Dollar. Cadastrei todos os ativos no Google Finance e também no meu portfolio do MorningStar (de graça, ambos).
O que abriu minha mente em relação a investir no exterior foi:
1: me proteger da variação cambial
2: obter renda vitalícia em outras moedas
3: proteger patrimônio da sanha dos governos
4: poder emigrar um dia no futuro já com patrimônio em moeda estrangeira
5: poder investir em excelentes empresas que não temos aqui, enfim são muitas vantagens de investir no exterior.
As desvantagens são os custos, “a baixa rentabilidade”(?) e coisas como herança, morte, impostos e repatriação do dinheiro (que não pretendo trazer nunca mais, é claro). Minha idéia é aportar U$2500,00 mensal para esse porfolio, isso vai dar quase 50% da minha capacidade total de aportes, então será daqui pra frente 50% exterior/50% Brasil, mas isso vai demorar pra equilibrar pois já tenho muitos investimentos no Brasil, talvez com o tempo e a consolidação do meu futuro patrimônio eu migre mais aportes para o exterior.
No Bastter System, do site Bastter.com tem uma aba que se chama “outros” que você pode cadastrar o que quiser, com o código que quiser, mas ele não vai puxar cotações automáticas e você vai ter que ir balanceando de forma braçal mesmo, mas tudo bem, vamos lá, veja como ficou minha carteira inicial para estudo e acompanhamento.
Captura de ecrã 2016-03-26, às 21.58.24
Como fiz minha alocação, simples:
Stocks = 80%
Reits = 10%
Bonds = 10%
Vamos ver os detalhes no BS:
Captura de ecrã 2016-03-26, às 22.07.58Captura de ecrã 2016-03-26, às 22.08.08
A idéia é distribuir os recursos entre vários países, moedas e fundos:
Vamos começar pelos BONDS(10%):
Código: EMB – 2,50% (ETF de bonds de países emergentes)
VBTLX – 2,50% (Fundo Vanguard) Bonds Totais USA
VWOB – 2,5% ETF Vanguard Bonds mundo
SCHZ – 2,5% Charles Schawb ETF de bonds totais USA
Total 10% – Aqui estou diversificado em dóllar e em outras centenas de moedas e de governos pagando títulos soberanos a investidores nacionais e estrangeiros, é a parte mais conservadora da carteira e que vai crescer menos, yield anual estimado em 4,5% bruto.
Agora REITS (10%) – Coloquei alguns ETFs mas também quero alguns individuais e posso ir acrescentando mais alguns conforme estudos.
Código:  1,5% VAP (ETF de Reits australianos)
 O, OHI, DLR, ESS 0,5% cada (USA),
VNQI (reits global ETF Vanguard) 1,5%
SCHH 2,5% (reits etf EUA Charles Schawb)
IFEU (reits Europa 2,5%)
Total = 10% (Aqui já tenho pequena alocação e renda em  dóllar, Euro e Libra esterlina).
E pra finalizar o CORE da carteira que são as ações (stocks) – Não adianta querer ficar rico ou formar patrimônio no exterior em renda fixa (bonds) ou Reits, pois são muito taxados e não conseguem crescer tanto quanto ações, você tem que partir para ações no exterior, diferente do Brasil que dá pra ficar tranquilo só com renda fixa.
Pra facilitar a minha vida e a minha ignorância optei por utilizar ETFs no exterior em 95% da minha alocação de ações, separei 5% do total para comprar ações individuais por conta própria, quem sabe 20 ações com 0,25% em cada, esse é o plano inicial. Aqui a diversificação se amplia para proteção e retorno em várias moedas.
O total será de STOCKS 80%, vamos ver como ficou:
15% – CHIX:CHSPI (iShares core SPI) – índice que mede a totalidade da bolsa suiça, comprado em Francos Suiços.
3% NOBL – ETF de dividends aristocrats EUA – Empresas que aumentam seus dividendos ininterruptamente há 25 anos.
9% VAS – Vanguard ETF mercado total Australia
4% BRK.B – Berkshire Hathaway (Holding de 50 empresas – USA – não paga dividendos)
3% Consumer Staples VDC – Vanguard ETF empresas de consumo USA
2% VCR Materiais básicos – Vanguard ETF USA
5% VHT – Vanguard etf de saúde USA
5% EWH -ETF Mercado Total Hong Kong (pega muitas empresas da China)
8,5% VOO (Vanguard ETF SP500) 500 maiores empresas USA
7% ES3 ETF de índice Cingapura
7% VEUR (etf ações Europa)
9% VTI (Vanguard Total Index USA)
5% para minha carteira própria de ações no exterior ( ainda vou adicionando aos poucos).
Total de 80%, sendo 36,5% desse total de 80% somente nos EUA, ou seja quase a metade da carteira internacional está nos EUA, mas não tem problema porque as empresas são globais.
Preferência por ETFs de baixa taxa de administração (fee expenses)
ISSO AQUI É EXTREMAMENTE IMPORTANTE! O fato de você não pagar uma taxa maior que 0,5% por ano, ISSO É ROUBO! NÃO ADMITA NUNCA! Esses ETFs tem taxas ridículas de 0,05% , 0,01% ou 0,28% (Vanguard e Charles Schwab), preferência por ações nos EUA. Diversificação em Franco Suiço, dollar de Hong Kong, Cingapura, Australia.
No Morningstar ficou assim o portfolio (não consegui adicionar o índice local de Cingapura que coloquei aqui (ES3), mas add outro (o EWS) só pra constar, os valores são fictícios e o próprio site que coloca o preço de um único ativo:
Captura de ecrã 2016-03-26, às 22.45.13
Quando eu começar a aportar nessa carteira e estudar mais vou colocar uma pequena porcentagem também em REITS de Cingapura.
Por enquanto é isso, o post ficou grande e deu um trabalhão e é resultado de muitas horas de estudos e pesquisa, espero que gostem e que comentem sua opinião sobre a carteira no exterior.
Abraços,
Frugal

Um comentário:

  1. Olá,

    Você executou isso? Pode comentar como foi o processo de abertura de conta na corretora estrangeira?

    Parabéns pelo blog e pelos investimentos!

    ResponderExcluir