Translate

segunda-feira, 20 de março de 2017

A importância da doação e do ato de doar

Eu poderia dizer que o Frugal Simple é um blog de finanças, comportamento humano, engenharia pessoal e filosofia de vida tudo isso com foco primordial em liberdade financeira.
Para estender o conceito de liberdade financeira vou falar um pouco sobre doação. É um assunto escasso na blogosfera financeira e quero deixar minha contribuição e meu incentivo também neste assunto, que infelizmente no Brasil é deixado de lado muitas vezes.
Como alguns aqui sabem eu não tenho religião alguma, também não acredito em nada mágico ou sobrenatural ou espiritual. E posso afirmar que esse é um caminho sem volta pelo menos para mim. Alguns dizem que são “ateus”. Eu apenas não gosto desse rótulo e das implicações morais e estigmas que o termo indica. Poderia dizer que existem mais de 6 mil deuses cultuados pela humanidade e mais de uma centena de livros religiosos e milhares de cultos pagãos diferentes pelo mundo afora e que acreditar ou vivenciar algum deles não me torna melhor nem pior do que ninguém. Inclusive quando você participa e é fiel a algum desses lugares o está deixando de fazer em 99,9999% dos outros restantes. Não é a doação como um ato de fé ou religioso que quero falar nesse post.
Pessoas e nações prósperas são grandes doadores. Isso é um fato. Você pode reclamar e xingar os Estados Unidos mas não pode deixar de falar que existem centenas de ONGs americanas cuidando de várias pessoas na África, Ásia, América do Sul e até mesmo nos EUA ou México. Centenas de bilionários e milionários americanos são doadores contumazes, colocam seus nomes em Universidades (Stanford, Carnegie, Yale) dentre outras que não lembro o nome diretamente. Harvard também recebe muitas doações. Vários clubes em várias cidades fazem jantares e bales beneficentes para arrecadar dinheiro nos EUA. No Brasil não vejo isso. As pesquisas, descobertas e obras dessas instituições ajudam e refletem na melhoria da qualidade de vida do mundo todo.
Na minha formação universitária estudei um tempo em Israel, mesmo não sendo judeu. Foi uma época transformadora, foi minha primeira viagem internacional. Trabalhar e estudar um tempo na saúde israelense foi muito bom e muito transformador. O povo judeu é um povo que muito estuda, muito trabalha e é extremamente dedicado no que faz, é um povo comprometido com a Excelência em tudo que fazem, desde o rodapé até o último gesso da parede era tudo bem feito. O próprio quarto que me hospedei, que pertencia ao complexo e tinha uma placa na porta com algo assim do tipo “Este quarto foi uma doação da família XYZ de Londres no ano de 2001”. E esse tipo de placa era comum lá. Nos corredores dos hospitais, nos leitos da UTI, na porta do centro cirúrgico, nas portas dos laboratórios de genética, câncer e etc tinham essas placas, nas ambulâncias tinha escrito isso na porta: “Esta ambulância é uma doação da família tal, Ohio, EUA.” E eu pensava, caramba que legal, nunca VI nada do tipo no Brasil. eu via todas aquelas doações e as coisas funcionando. No intervalo dos turnos do hospital, SEMPRE os parentes dos pacientes doavam comida para os médicos e funcionários, SEMPRE.
Eu me sentia até um pouco envergonhando por não estar acostumado com aquilo. No setor que trabalhei tinham 18 pacientes para cuidar. Eu nem tomava café da manhã antes de sair do meu quarto, passava umas 2 horas de jejum e lá pras 8:30 a gente ia pra uma pequena copa onde tinha café, pães, bolos, doces, sucos, achocolatados tipo nescau, queijo, água, tudo tudo tudo, tudo doado, era quase que um banquete, e as pessoas comiam com muito respeito e silêncio. Em todas as visitas os familiares traziam comida para os funcionários do setor, TODAS. Não estou dizendo que sinto falta disso aqui no Brasil ou que é OBRIGAÇÃO de ninguém fazer isso, só estou narrando os fatos. O fato é que eu trabalhava ali muito mais feliz, concentrado, agradecido e com mais afinco do que jamais trabalhei aqui, simplesmente porque me sentia bem, me sentia importante e sentia que estava fazendo algo útil por algumas pessoas e que pelo menos os familiares delas TAMBÉM sabiam disso e nos eram agradecidos, inclusive alguns nem deviam ser “ricos” pois era um hospital que atendia pelo público também, e pela indumentária de alguns parentes dá pra perceber que alguns não eram ricos e mesmo assim não mediam esforços em trazer pelo menos 1 litro de achocolatado industrializado (tipo um Nescau mesmo).
Um dos problemas do Brasil talvez é que o estado tenha se apossado de tudo, e naturalmente como ele é nosso INIMIGO nós ficamos com raiva de colaborar com ele. Tinha um projeto “Amigos da Escola” que me parecia legal na época, era mais um trabalho de voluntariado mesmo, e chegou a ficar famoso na mídia. Mesmo quem não podia doar dinheiro doava seu tempo.
Não é natural aqui as pessoas querendo doar dinheiro para escolas ou hospitais públicos, as iniciativas são maiores em hospitais do Câncer tipo o de Barretos, mas pára por aí. O brasileiro não é um bom doador. Nós deixamos TUDO a cargo do estado (inimigo) e isso é um erro fatal. Não adotamos nossas praças, nossas escolas, nossos hospitais, nossos clubes de mães e idosos e por aí vai. O mal do brasileiro é querer SEMPRE se dar bem e levar vantagem EM TUDO! Não é a toa que o país e nós mesmos somos tão atrasados no cenário global, o país dos malandrinhos.
Você acha que ser “malandro” é vantagem? Vai achando! No máximo o malandro ganha um TROCO imediato aqui e outro ali, no LONGO PRAZO ESTÁ FERRADO! Por que? Porque na real, NINGUÉM GOSTA DE MALANDRO. Eu por exemplo desaprovo e questiono quando vejo ou ouço algum familiar ou amigo vir me narrar alguma malandragem, isso é uma questão de Ética muito mais profunda do que você imagina e não lhe diferencia muito de um bandido vulgar caso você seja um malandro recorrente.
O fato é que após muitas leituras de diversos assuntos, eu tenho a CONVICÇÃO de que doar ou ser voluntário em alguma coisa faz muito bem pra você, seja com dinheiro ou tempo, você se transforma numa pessoa melhor e sua vida faz mais sentido pra você, o que inclusive, numa perspectiva EGOÍSTA lhe faz GANHAR MAIS DINHEIRO.
Não há problema nenhum, a meu ver, fazer coisas boas pensando em trazer ganhos futuros para você mesmo, desde que você ajude pessoas no caminho. Muita gente nos EUA faz voluntariado na época do High School só pra colocar no currículo e assim aumentar as chances de ser aceito numa faculdade melhor, e daí? O fato é que milhares de jovens americanos trabalham em asilos, creches e hospitais todos os dias fazendo algo útil. E quando se formam na faculdade e ficam bilionários continuam doando enormes somas de dinheiro e organizando e mantendo fundações, afinal de contas é melhor tocar alguns projetos legais e que você goste do que deixar todo o dinheiro para o governo (inimigo) não é?
Nos EUA temos a Fundação Ford, a Rockefeller e a Bill & Mellinda Gates, por exemplo, a fundação do casal Gates FAZ COISA PRA CARALHO na África e mesmo nos EUA. Dá uma pesquisada. Aqui no Brasil temos a Fundação Estudar do JP Lemann que faz um trabalho legal de pagar estudos no exterior para alunos destacados.
“Ah frugal mas o cara é Bilionário, tem muito dinheiro pra doar, deixa pra ele, eu que ganho R$ 2 mil reais por mês, não tenho como fazer isso, quase nem sobra aqui pra casa”
Mesmo?
Esse é o pensamento do brasileiro médio. Cara se você tá lendo esse blog TENHO CERTEZA que você já nem é um brasileiro médio. A gente pode sempre melhorar. Não adianta ficar nessa nóia de juntar dinheiro, contar centavos e querer ficar rico e atingir a LF sozinho, sem ajudar ninguém, sem família, sem saúde, sem ter um papel na sociedade, isso é vital. Ninguém vence na vida sozinho, não tem alegria nenhum em sentar em cima de uma caixa de dinheiro vendo todo mundo passar necessidade (pior se for familiar seu) ou vendo a sociedade se degradar cada vez mais. Um dos problemas do povo brasileiro é não contribuir financeiramente ou com o tempo para uma causa em que acreditam.
Ganha R$ 2 mil por mês? Que tal doar TRINTA REAIS mensal? Ou apenas 1 real por dia? Não é nem o preço de uma pizza que você deixa de comer numa noite. Não quer dar dinheiro? Beleza, procura uma escola ou um asilo e se oferece lá pra contar história, consertar porta, ou sei lá o que que você sabe fazer, pintar uma parede, ensinar as crianças a falar inglês ou jogar bola. São só idéias. Eu só quero que você saiba que doação lhe faz bem e também faz bem para o mundo, e que todos nós deveríamos doar um pouco do que temos (tempo e/ou dinheiro) pra melhorar um pouco nosso mundo. Só vejo neguinho reclamando o dia TODO no Facebook mas na hora de arregaçar as mangas não faz nada.
Pessoas egoístas reclamam o tempo todo e me chateiam. Toca seu projeto pessoal, ajuda em alguma coisa os outros e pronto. Eu tenho muitas idéias para implementar na minha vida como jantares beneficentes, Natal beneficente, etc… penso até em no dia que eu for casar mais pra frente queria que ao invés de presentes a galera doasse dinheiro pra eu colocar na conta de MSF que é a instituição que sou doador já faz mais de 5 anos.
Não tenho muito tempo atualmente para me dispor de voluntário em algum canto, prefiro trabalhar, ganhar o dinheiro e depois doá-lo nessa fase da minha vida. Se você é como eu e procura algum projeto para doar (se é que já não tenha algum) pense em Médicos Sem Fronteiras. De várias coisas que li e vi foi a que mais me agradou. Também gostei da WWF que parece ser bem séria. Existem outras ONGs como Greenpeace e OXFAM que fazem muita coisa. Da OXFAM não gosto muito por que ela tem uma pegada meio esquerdista, o Greenpeace acho um pouco radical às vezes, embora também eu concorde que talvez esse tipo de radicalismo tenha seu mérito.
Médico Sem Fronteiras, MSF,  é uma ONG francesa com atuação global, são milhões de profissionais e voluntários espalhados em projetos permanentes ou temporários trabalhando dia e noite. Doando para MSF você estará ajudando algumas das pessoas mais pobres do mundo, pessoas que nunca tiveram sequer uma escova de dentes, uma pasta de dentes ou um banheiro em casa. Isso sim é sério. Você estará ajudando a dar esperanças para quem não tem nada na vida e várias vezes ainda é perseguido e morto por questões políticas ou religiosas. MSF não é esquerdista (se fosse eu não colocaria nem 1 centavo).
Críticas sempre vão existir, ainda mais para uma ONG global (vi pouquíssimas em relação à MSF). Existem dezenas de relatórios no site de MSF em português. MSF ganhou um prêmio Nobel da paz em 1999. Esta é a minha escolha para doação faz cinco anos, eu cadastrei meu cartão de crédito e a cobrança vem mensal, assim não me preocupo ativamente em ficar doando, fica passivo já no cartão, você também pode entrar no site e imprimir um boleto avulso para doar qualquer valor, eu prefiro doar mensal para manter o curso. E se estou conseguindo alcançar tanta coisa boa na minha vida, me custa muito pouco doar um pouco, é praticamente 1% do meu gasto mensal. É quase nada. Como doador de MSF você recebe uma carteirinha e todo fim de ano recebe também um calendário fotográfico de papel para colocar em casa ou no escritório. Inclusive se eu bater minhas metas pessoais para 2016, em 2017 como retribuição vou DOBRAR a minha contribuição mensal. Acredite, faz um bem enorme e lhe ajuda a trabalhar e a conquistar mais.
Caso você prefira uma coisa mais local para ter mais certeza e solidez no que tá fazendo, procure alguma algo na sua cidade pra fazer ou doar, chame outras pessoas para fazer o mesmo, o benefício será para todos. A sociedade pode ser contaminada, impaciente, decadente e outras coisas, mas VOCÊ não precisa entrar na onda da reclamação, da desesperança e jogar logo a toalha, você pode ser uma pessoa melhor e mais útil se VOCÊ quiser e só terá a ganhar.
Grande abraço.
Frugal.
O endereço do site é www.msf.org.br


Nenhum comentário:

Postar um comentário